Robert Venturi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Robert Venturi
Nascimento 25 de junho de 1925
Filadélfia
Morte 18 de setembro de 2018 (93 anos)
Nacionalidade Estados Unidos Estadunidense
Ocupação Arquiteto
Prêmios Prêmio Pritzker (1991)

Robert Charles Venturi (Filadélfia, 25 de junho de 1925Filadélfia, 18 de setembro de 2018) foi um arquiteto norte-americano, vencedor do Prêmio Pritzker de 1991.

Formou-se em Princeton em 1947, e trabalhou com Eero Saarinen e Louis Kahn antes de formar sua própria firma com John Rauch. Lecionou na [Universidade da Pensilvânia, onde conheceu sua esposa Denise Scott Brown, que se tornou parceira da firma em 1967. Em 1989, Rauch deixou a firma, que então passou a se chamar Venturi, Scott Brown and Associates.

Venturi foi um crítico ferrenho da arquitetura moderna, publicando seu manifesto Complexidade e Contradição na Arquitetura em 1966, tido como uma das bases das transformações que ocorreriam na arquitetura nas décadas de 1970 e 1980. Nesta obra, Venturi considera que a cultura contemporânea já aceitou a contradição como condição existencial e em todos os setores manifesta-se a impossibilidade de alcançar uma síntese totalizante e completa da realidade. Até mesmo a matemática parece ter perdido os próprios fundamentos racionais - como se observa no Teorema da incompletude de Gödel, segundo o qual todo sistema axiomático suficientemente completo é incoerente no seu interior, apresentando proposições "indecidíveis" quanto a sua verdade ou falsidade. Embora crítico em relação ao movimento modernista, o texto se coloca em uma condição de complementaridade e diálogo com os mestres.

Ainda que rejeitando o less is more — frase do poeta Robert Browning, adotada por Ludwig Mies van der Rohe — Venturi vai em busca de elementos complexos e contraditórios inclusive no interior de obras produzidas pelo movimento moderno, reconhecendo em tais contradições o veículo portador de um sentimento poético e expressivo universal. Esse sentimento se manifesta desde sempre, em todas as épocas, mesmo em arquiteturas menores ou espontâneas e é a expressão típica de todas as fases do maneirismo. Do Cinquecento italiano, com Palladio ou Borromini, até Sullivan e, mais recentemente, Alvar Aalto, Le Corbusier e Kahn, o autor procura mostrar, através de muitos exemplos, a sua ideia de complexidade e contradição em arquitetura .

Em 18 de setembro de 2018, Venturi faleceu em sua casa, na Filadélfia, aos 93 anos. Segundo parentes próximos, sua morte foi causada por complicações da doença de Alzheimer.[1]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Complexity and Contradiction in Architecture, The Museum of Modern Art Press, New York 1966. Disponível em português com o título COMPLEXIDADE E CONTRADIÇAO EM ARQUITETURA, MARTINS FONTES, 2004.
  • Learning from Las Vegas (com D. Scott Brown e S. Izenour), Cambridge MA, 1972, revisto em 1977. Disponível em português com o título APRENDENDO COM LAS VEGAS, COSAC & NAIFY, 2003.
  • Iconography and Electronics upon a Generic Architecture : A View from the Drafting Room, MIT Press, 1998.
  • Architecture as Signs and Systems (com D. Scott Brown), Harvard University Press, 2004.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Bernstein, Fred A. (19 de setembro de 2018). «Robert Venturi, Architect Who Rejected Modernism, Dies at 93». The New York Times (em inglês). Consultado em 19 de setembro de 2018. 
Precedido por
Aldo Rossi
Prémio Pritzker
1991
Sucedido por
Álvaro Siza Vieira


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) arquiteto(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.