Roberto Calvi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Roberto Calvi
Nascimento 13 de abril de 1920
Milão, Itália
Morte 17 de junho de 1982 (62 anos)
Londres, Inglaterra
Ocupação Banqueiro
Religião católico romano

Roberto Calvi (Milão, 13 de abril de 1920Londres, 17 de junho de 1982) foi um banqueiro italiano chamado de "Banqueiro de Deus" pela imprensa por causa de sua estreita associação com a Santa Sé. Natural de Milão, Calvi era o presidente do Banco Ambrosiano, que faliu em um dos maiores escândalos políticos da Itália. Uma fonte de controvérsia permanente, a sua morte em Londres em junho de 1982 foi descartada como um assassinato depois de dois inquéritos legistas e uma investigação independente. Entretanto, os restos do banqueiro seriam exumados em 1998 para serem submetidos a uma nova perícia cujos resultados divulgados em 2002 demonstrou que Calvi foi estrangulado em um terreno baldio perto da ponte onde foi encontrado, e depois foi pendurado para simular um suicídio.[1] Em Roma, em junho de 2007, cinco pessoas foram absolvidas do crime.[2]

Foram feitas afirmações de que fatores na morte de Calvi eram o Banco do Vaticano, principal acionista do Banco Ambrosiano, a Máfia italiana, que pode ter usado o Banco Ambrosiano para lavagem de dinheiro, e a Propaganda Due ou P2, uma loja maçônica clandestina .

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]