Roberto Campos Neto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Roberto Campos Neto
27º Presidente do Banco Central do Brasil
Período 28 de fevereiro de 2019
até atualidade
Presidentes Jair Bolsonaro
Antecessor(a) Ilan Goldfajn
Dados pessoais
Nascimento 28 de junho de 1969 (52 anos)
Nacionalidade Brasileiro
Alma mater Universidade da Califórnia
Prêmio(s) Medalha do Pacificador[1]
Profissão economista
Assinatura Assinatura de Roberto Campos Neto

Roberto de Oliveira Campos Neto (Rio de Janeiro, 28 de junho de 1969) é um economista brasileiro. É o atual presidente do Banco Central do Brasil.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Roberto Campos Neto é filho de Roberto de Oliveira Campos Filho e neto paterno de Roberto de Oliveira Campos. Executivo do mercado financeiro, com 18 anos de passagem pelo Banco Santander, é neto do economista Roberto Campos, que comandou o Ministério do Planejamento no governo Castelo Branco (1964 - 1967) e foi um dos idealizadores do BNDES.[3]

Graduado em Economia, com especialização em Finanças, pela Universidade da Califórnia,[4] Roberto Campos Neto trabalhou, entre 1996 e 1999, no Banco Bozano Simonsen, nos cargos de operador de Derivativos de Juros e Câmbio, operador de Dívida Externa, operador da área de Bolsa de Valores e também como executivo da Área de Renda Fixa Internacional. Também trabalhou, de 2000 a 2003, como chefe da área de Renda Fixa Internacional no Banco Santander.

No ano de 2004, ocupou a posição de Gerente de Carteiras na Claritas Investimentos. Ingressou no Santander em 2005, como operador, e, no ano seguinte, tornou-se chefe do setor de trading. Em seguida, passou a ser responsável pela área de Tesouraria e Formador de Mercado Regional e Internacional.

Presidência do Banco Central[editar | editar código-fonte]

Em 15 de novembro de 2018, foi anunciado pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, como o próximo presidente do Banco Central do Brasil, substituindo Ilan Goldfajn.[5] Seu nome foi submetido a aprovação no Senado Federal,[6] contando com 55 votos favoráveis e 6 contrários.[7]

Antes de assumir a presidência do BC, Roberto Campos Neto defendeu a autonomia do BC e a modernização do mercado bancário, visando aumentar a concorrência entre os poucos bancos que compõe o setor financeiro do país. Quando questionado sobre o fato de o lucro dos bancos terem se mantido elevados, mesmo durante a crise econômica de 2014 no país, Campos Neto defendeu que não se pode observar apenas este fator:[8]

É preciso ver qual é o lucro em relação ao capital empregado. O retorno dos bancos já foi bem maior, de 19%, 20%, e caiu para 12%. Bancos rendiam a mesma coisa que títulos do governo. Agora a rentabilidade voltou para algo como 15%. Apesar de o lucro ser crescente, a rentabilidade baixou muito.
— Roberto Campos Neto, durante sua sabatina no Senado

Resumo de sua carreira[9][editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Boletim do Exército do Brasil de julho de 2020». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 10 de setembro de 2020 
  2. «Paulo Guedes confirma Campos Neto como chefe do BC e Mansueto no Tesouro». economia.uol.com.br. Consultado em 11 de janeiro de 2019 
  3. Goeking, Weruska. «Quem é Roberto Campos Neto, indicado para a presidência do Banco Central». www.infomoney.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  4. «Roberto Campos Neto substituirá Ilan Goldfajn na presidência do BC | EXAME». exame.abril.com.br. Consultado em 16 de novembro de 2018 
  5. «Roberto Campos Neto é indicado para comandar o BC no governo Bolsonaro». G1 
  6. «Comissão do Senado aprova indicação de Roberto Campos Neto para presidente do BC». G1. 26 de fevereiro de 2019. Consultado em 26 de fevereiro de 2019 
  7. Carvalho e Carneiro, Daniel e Mariana (26 de fevereiro de 2019). «Senado aprova Roberto Campos Neto como novo presidente do BC». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de fevereiro de 2019 
  8. Braziliense, Correio; Braziliense, Correio (27 de fevereiro de 2019). «Futuro presidente do BC, Roberto Campos Neto defende mais concorrência». Correio Braziliense. Consultado em 27 de janeiro de 2020 
  9. Comércio, Jornal do. «Roberto Campos Neto será presidente do BC no governo Bolsonaro». Jornal do Comércio 


Precedido por
Ilan Goldfajn
Presidente do Banco Central do Brasil
2019 – atualidade
Sucedido por