Roberto Gaúcho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Roberto Gaúcho
Informações pessoais
Nome completo Roberto Juceli Weber
Data de nasc. 5 de abril de 1968 (50 anos)
Local de nasc. Santa Rosa,  Rio Grande do Sul,  Brasil
Informações profissionais
Equipa atual Brasil Valeriodoce Esporte Clube
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1986-1989
1989
1990
1991
1991
1992
1992-1995
1995
1995-1997
1998-1999
1999-2000
Brasil Joinville
Brasil Coritiba
Brasil Grêmio
Brasil Vitória
Brasil Vasco da Gama
Brasil Guarani
Brasil Cruzeiro
Argentina Huracán
Brasil Cruzeiro
Brasil Joinville
Estados Unidos Miami Fusion
Times/Equipas que treinou
2003
2004
2005
2006
2008
2009

2018<br

Brasil Joinville
Brasil Veranópolis
Brasil Caxias
Brasil Tubarão
Brasil Araxá
Brasil Mamoré

Brasil Valeriodoce Esporte Clube

Roberto Juceli Weber, mais conhecido como Roberto Gaúcho (Santa Rosa, 5 de Abril de 1968), é um treinador e ex-futebolista brasileiro que atuava como atacante. Atualmente trabalha como técnico do Valeriodoce Esporte Clube Foi um dos maiores jogadores que atuaram com a camisa do Cruzeiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Seu período de maior destaque foi no Cruzeiro, durante a década de 1990.

Com a camisa celeste conquistou por duas vezes a Copa do Brasil. Teve, inclusive, papel fundamental em uma das mais emocionantes conquistas do Cruzeiro, na final contra o Palmeiras em 1996. O adversário tinha um elenco repleto de grandes nomes do futebol brasileiro como Rivaldo, Djalminha, Luisão, Muller, Cafu, entre outros, bem como o técnico Wanderley Luxemburgo. Em um lance sensacional Roberto Gaúcho roubou a bola do volante Amaral, partiu para o ataque e fuzilou o goleiro Velloso, marcando o gol de empate do Cruzeiro no Parque Antártica. A partida caminhava para os pênaltis quando Roberto Gaúcho avançou pela esquerda e cruzou a bola na área para, após o goleiro não conseguir a defesa, Marcelo Ramos definir o placar da final e matar a esperança palmeirense naquela gloriosa noite.

O atleta conquistou ainda quatro títulos internacionais atuando como ponta esquerda no Cruzeiro, marcando uma geração e elevando ainda mais o patamar do clube, culminando na premiação do IFFHS, quando o Cruzeiro tornou-se o maior clube brasileiro do século XX.

Sempre protagonista, marcou dois gols na final da Supercopa da Libertadores de 1992, vencida pelo Cruzeiro, e deu ainda uma assistência, esmagando no Mineirão o tradicional Racing da Argentina - 4 a 0.

Marcou o primeiro gol da final da Copa do Brasil de 1993, vencida pelo Cruzeiro diante do Grêmio.

Deu a assistência para o gol da partida entre Cruzeiro e São Paulo, levando a decisão da Copa Ouro de 1995 para os pênaltis, quando o time celeste conquistaria mais um importante título internacional.

Encerrou sua carreira em 2000, aos 32 anos, iniciando sua carreira de treinador no final de 2003, no Joinville.

Roberto Gaúcho, quando jogador do Coritiba, marcou o terceiro gol no empate de 3 a 3 com o Colorado Esporte Clube (pelo Campeonato Paranaense de 1989). Este gol, marcado na tarde de 8 de julho de 1989, simbolizou o último sofrido pelo Colorado Esporte Clube, pois alguns meses depois o clube seria extinto.[1]

Títulos[editar | editar código-fonte]

Cruzeiro[editar | editar código-fonte]

Grêmio[editar | editar código-fonte]

Coritiba[editar | editar código-fonte]

Vitória[editar | editar código-fonte]

Joinville[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. E assim morria o Colorado... Caderno Esporte - Jornal Gazeta do Povo - acesso em 15 de janeiro de 2012