Roberto Kalil Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Dr. Roberto Kalil Filho
Nascimento 7 de julho de 1959 (62 anos)
São Paulo, SP
Ocupação professor, médico
Instituições Hospital Sírio-Libanês
Instituto do Coração (InCor)
Faculdade de Medicina da USP (FMUSP)
Especialidade cardiologia
clínica médica
Pesquisa técnicas de imagem por ressonância magnética cardíaca
Anos em atividade 1985–presente
Educação Universidade de Santo Amaro (UNISA)
Universidade Johns Hopkins (JHU)
Prêmios relevantes Ordem do Mérito Militar[1]

Roberto Kalil Filho CavMM (São Paulo, 7 de julho de 1959) é um médico cardiologista brasileiro, formado pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Desde 2011, é professor titular da disciplina de cardiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP)[2] e também diretor clínico do Instituto do Coração (InCor) da FMUSP.[3] Kalil fundou o Centro de Cardiologia do Hospital Sírio-Libanês, onde criou a residência médica em cardiologia. Ele também é padrinho da instituição Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) desde 2011 e supervisor do site de saúde Coração & Vida.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Roberto Kalil Filho fez a sua graduação em medicina na Universidade de Santo Amaro, formando-se em 1985. Nos quatro anos seguintes, fez residência médica no Hospital das Clínicas e no Instituto do Coração, com especialização em clínica médica e em cardiologia. Logo após o término da residência, Kalil foi para os Estados Unidos, onde, na Universidade Johns Hopkins por três anos, fez pesquisa básica e publicou trabalhos na área de doença coronária em revistas internacionais, concluindo seu doutorado e pós-doutorado.[5] Após seus anos de estudo nos EUA, ele trouxe a técnica da imagem por ressonância magnética cardíaca para o Brasil.[6]

Também é orientador da pós-graduação de cardiologia na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, lidera pesquisas nacionais e internacionais em cardio-oncologia, doença coronária e imagem em cardiologia.[5]

COVID-19[editar | editar código-fonte]

Em 30 de março de 2020, foi diagnosticado com COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus.[7] Ficou internado por dez dias, sendo submetido a tratamento com hidroxicloroquina e outros medicamentos. Em entrevista ao Jornal da manhã, da Rádio Jovem Pan, defendeu o uso da hidroxicloroquina desde que fosse uma opção médica debatida com cautela.[8] Kalil recomendou, no entanto, que era preciso esperar o resultado de estudos científicos feitos por instituições como a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para saber se droga efetivamente funcionava.[9][10][11] Roberto Kalil Filho nunca defendeu o uso amplo da cloroquina, porém suas declarações de 2020 foram distorcidas, um ano depois, em publicações que alteraram o conteúdo de suas declarações.[12]

Pacientes famosos[editar | editar código-fonte]

Roberto Kalil Filho divide seu tempo entre o consultório, o InCor, a FMUSP e o Hospital Sírio-Libanês. Durante toda sua carreira, construiu uma base sólida científica e clínica e que o tornou um cardiologista conhecido no Brasil e no mundo.[13] Ele também é médico oficial de artistas,[14] empresários e políticos, dentre eles os ex-presidentes José Sarney, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Michel Temer, bem como senador José Serra.[15][16][17][18][19] Ainda em 2006, recebeu do vice-presidente José Alencar a condecoração da Ordem do Mérito Militar, no grau de Cavaleiro especial.[1]

Referências

  1. a b BRASIL, Decreto de 20 de março de 2006.
  2. Dr. Roberto Kalil Filho é escolhido professor-titular da disciplina de Cardiologia da FMUSP
  3. Currículo Lattes
  4. «O Dr. Roberto Kalil Filho, foi eleito padrinho da APAE na área de saúde. – Glamurama». Glamurama. UOL. 26 de maio de 2010. Consultado em 5 de janeiro de 2021 
  5. a b «Docente da Faculdade de Medicina é homenageado na Assembleia Legislativa » Sala de Imprensa - USP – Universidade de São Paulo». USP. 23 de outubro de 2015. Consultado em 5 de janeiro de 2021 
  6. «RESSONÂNCIA MAGNÉTICA CARDÍACA EM 2020: ONDE ESTAMOS E PARA ONDE VAMOS». Sociedade de Cardiologia do Estado de SP. 22 de Setembro de 2020. Consultado em 5 de janeiro de 2020 
  7. «Cardiologista Roberto Kalil testa positivo para coronavírus e está internado no Hospital Sírio-Libanês». G1. Globo. 30 de março de 2020. Consultado em 30 de março de 2020 
  8. Bruna Lima (8 de abril de 2020). «Positivo para Covid-19, Kalil recebe alta e defende hidroxicloroquina». Correio Braziliense. Consultado em 8 de abril de 2020 
  9. «Cardiologista Roberto Kalil Filho tomou cloroquina contra covid-19». CBN. Globo. Consultado em 8 de abril de 2020 
  10. «Kalil admite que tomou cloroquina para combater Covid-19 e defende uso em pacientes internados». Folha de S.Paulo. Uol. Consultado em 8 de abril de 2020 
  11. «Cardiologista Roberto Kalil Filho tomou cloroquina contra covid-19». R7. Consultado em 8 de abril de 2020 
  12. «Post distorce entrevista para sugerir que médico Roberto Kalil Filho apoia uso amplo da cloroquina». Folha de S.Paulo. 12 de maio de 2021. Consultado em 24 de maio de 2021 
  13. «O médico mais poderoso da República». Consultado em 21 de maio de 2012. Arquivado do original em 23 de abril de 2012 
  14. O genioso cardiologista dos poderosos[ligação inativa]
  15. «Médico dos presidentes, Kalil cuidou de Lula, Dilma, Temer, Collor e Sarney». Folha de S.Paulo. 10 de abril de 2020. Consultado em 5 de janeiro de 2021 
  16. O médico e o político
  17. Astuto, Bruno (9 de maio de 2015). «Dilma e Lula no altar. As fotos do casamento do Dr. Roberto Kalil Filho». Época. Consultado em 5 de janeiro de 2021 
  18. «Dilma viaja a SP para ir ao casamento do cardiologista Roberto Kalil Filho». Política. G1. 8 de maio de 2015. Consultado em 5 de janeiro de 2021 
  19. Scarpin, Paula. «O médico (e o) político». revista piauí. Consultado em 5 de janeiro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]