Roberto Maya

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Roberto Maya
Nascimento 5 de janeiro de 1935 (85 anos)
Campinas, SP
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Ator, dublador e apresentador

Roberto Maya (Campinas, 5 de janeiro de 1935) é um ator, dublador e apresentador de televisão brasileiro.[1]

Estudou na Escola de Arte Dramática, mas não chegou a se formar. Iniciou sua carreira nos anos 50, como radioator, sendo convidado para trabalhar na dublagem, e logo após cinema, estreando em Teus Olhos Castanhos (1961), de Ibáñez Filho.

Atuou em outros filmes, como Juventude e Ternura (1966). Na televisão, destaque para novelas como Simplesmente Maria (1968) e Éramos Seis (1977), ambas na antiga Rede Tupi. Entre as décadas de 70 e 80, Roberto Maya torna-se figura fácil nas "pornochanchadas", como A Noite dos Imorais (1979) e Os Rapazes da Difícil Vida Fácil (1980), produzidas na boca do lixo paulistana.

Em 1983, participa da novela Final Feliz e no mesmo ano é convidado pela então recém-inaugurada Rede Manchete para apresentar o Jornal da Manchete, na época um inovador telejornal de duas horas de duração, com mais sete apresentadores. Fica no Jornal da Manchete até meados de 1989, quando é convidado pelo documentarista Nelson Hoineff para apresentar o Documento Especial, jornalístico independente inicialmente apresentado na própria Manchete, entre 1989 e 1992,[2] e permanece no programa nas temporadas em que foi exibido no SBT (de 1992 a 1995) e na Bandeirantes (1997 e 1998).

Volta ao cinema apenas em 2005, no filme Cafuné. Na televisão, participou da novela Paraíso Tropical, que terminou em 29 de setembro de 2007.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.