Roberto Silveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o bairro de Barra Mansa, veja Roberto Silveira (Barra Mansa).

Roberto Silveira
Governador do Rio de Janeiro Bandeira do estado do Rio de Janeiro.svg
Período de 31 de janeiro de 1959
a 28 de fevereiro de 1961
Antecessor(a) Togo de Barros
Sucessor(a) Celso Peçanha
Vida
Nascimento 11 de junho de 1923
Bom Jesus do Itabapoana, RJ
Morte 28 de fevereiro de 1961 (37 anos)
Petrópolis, RJ
Dados pessoais
Partido PTB
Profissão político

Roberto Teixeira da Silveira (Bom Jesus do Itabapoana, 11 de junho de 1923Petrópolis, 28 de fevereiro de 1961) foi um político brasileiro.

Trajetória[editar | editar código-fonte]

Nos primeiros anos da década de 1940 ingressou na Faculdade de Direito de Niterói. Ainda acadêmico, iniciou-se no jornalismo como redator no Departamento Estadual de Propaganda e como secretário no jornal Diário da Manhã.

Filiou-se ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) em 1945 e, no ano seguinte, foi nomeado oficial de gabinete do interventor federal no estado do Rio de Janeiro, Lúcio Meira. Em 1947, elegeu-se deputado estadual à Assembléia Constituinte do Rio de Janeiro e bacharelou-se em Direito. Reeleito deputado estadual em 1950, interrompeu o mandato no ano seguinte, quando foi nomeado secretário estadual do Interior e Justiça no governo de Amaral Peixoto.

No ano de 1954 foi eleito vice-governador do estado, com apoio da coligação PTB-PSP, na chapa de Miguel Couto Filho. Tornou-se, ainda em 1954, presidente do PTB fluminense. Em 1958, Miguel Couto deixou o governo para concorrer a uma vaga no Senado, e Roberto Silveira preferiu não ocupar o seu lugar, candidatando-se ao cargo de governador para o mandato seguinte. Venceu as eleições em outubro com uma expressiva votação, pela inusitada coligação do PTB com a UDN fluminense. Tomou posse em janeiro de 1959.

Apontado como provável sucessor a João Goulart da liderança do PTB, faleceu em 1961, vítima dos ferimentos causados pela queda do helicóptero em que viajava para verificar as áreas inundadas na região serrana do estado, mais precisamente em Petrópolis, quando decolava do Palácio Rio Negro, hoje residência oficial dos presidentes da república quando visitam a cidade imperial. A aeronave colidiu com uma das palmeiras que circundam os jardins do palácio. Veio a falecer oito dias depois em decorrência das queimaduras e hemorragias.

Fatos e acontecimentos importantes de seu Governo[editar | editar código-fonte]

Entre os fatos ocorridos durante seu governo destaca-se um "quebra-quebra" na Estação das Barcas, defronte à Praça Arariboia no centro de Niterói, em protesto contra o aumento das passagens das barcas, no ano de 1959, quando houve a necessidade de intervenção de forças militares para controlar a situação, e resultou na federalização do serviço hidroviário de passageiros.

Em seu governo foi construído a Rodovia Niterói-Manilha e a Avenida Contorno.

Legado[editar | editar código-fonte]

Seu irmão Badger da Silveira foi eleito governador do estado nas eleições de 1962, tendo exercido o cargo entre 1963 a 1964, quando foi cassado após o golpe militar de 31 de março. O filho de Roberto, Jorge Roberto Silveira, tinha apenas 8 anos quando o pai morreu, foi prefeito de Niterói por três vezes, entre 1989 e 2002, sendo novamente eleito em 2008.

Roberto Silveira é uma das personalidades mais homenageadas no estado do Rio de Janeiro, sendo nome de ruas, avenidas e praças em vários municípios.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Osmar Serpa de Carvalho
Governador do Estado do Rio de Janeiro
19591961
Sucedido por
Celso Peçanha
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.