Roberto de Lucena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Roberto de Lucena
Roberto de Lucena
Deputado federal por São Paulo
Período 1º de fevereiro de 2015 até a atualidade
Deputado federal por São Paulo
Período 1º de fevereiro de 2011 até 2015
Dados pessoais
Nascimento 18 de abril de 1966 (51 anos)
Santa Isabel, São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Partido PV
Profissão Conferencista

Roberto Alves de Lucena (Santa Isabel, 18 de abril de 1966) é pastor evangélico, escritor,[1] e político brasileiro filiado ao Partido Verde (PV).[2]

Em 17 de abril de 2016, votou favorável ao processo de impeachment de Dilma Rousseff.[1]

Primeiros anos, educação e política estudantil[editar | editar código-fonte]

Roberto Alves de Lucena nasceu em Santa Isabel, região metropolitana de São Paulo, no dia 18 de abril de 1966. É filho do casal de migrantes nordestinos Antonio Vieira de Lucena e Eunice Alves. Tem onze irmãos: Francisco, Luís, Maria Aparecida, José Maria, Maria José, Vera, José Luís, Daniel, Marcos, Rute e David. Da união com a pastora e professora Bernadete Aparecida Ramos, nasceram os seus filhos Melissa e Renan, e as suas netas Lívia e Lorena.

Ainda jovem, Roberto de Lucena recebeu forte influência religiosa de seu pai e de seus avós paternos, o que fez aflorar cedo a vocação eclesiástica. Pregador desde os seis anos de idade, Lucena tornou-se pastor evangélico aos 20 anos. Cursou o ensino fundamental e médio na rede pública, estadual, em Santa Isabel/SP e formou-se em Ciências da Religião pelo Instituto Ecumênico de Ensino Superior (IEES) na capital paulista em 1999.

No dia 21 de agosto de 1991 fundou, em Arujá/SP, a Igreja O Brasil Para Cristo (OBPC). Esta denominação evangélica pentecostal da qual faz parte foi iniciada pelo Missionário Manoel de Mello e Silva (1929-1990) em 3 de março de 1956, e é uma das maiores igrejas pentecostais do país. Atualmente, O Brasil Para Cristo conta com mais de meio milhão de membros, congregados em aproximadamente três mil templos espalhados nacionalmente.

O reconhecimento da fé, da liderança e da postura ética de Lucena o levou a se tornar membro do Supremo Conselho da sua organização eclesiástica e seu presidente nacional, tendo sido eleito pelo colegiado de ministros em 2 de novembro de 1999. Em 2008, foi presidente da Frente Cristã Nacional de Ação Social e Política no estado de São Paulo e membro do Comitê de Referência da Sociedade Bíblica do Brasil para o Ano da Bíblia. Também foi vice-presidente do Conselho Nacional dos Pastores do Brasil (CNPB) até 2012, instituição reconhecida por discutir os temas ético-religiosos, o cumprimento e a observância das verdades e princípios bíblicos.

Escritor e conferencista, Roberto de Lucena prega há mais de 40 anos a palavra de Deus em todo o país e no exterior. Por estar em contato com as demandas das populações mais carentes e também dos segmentos mais necessitados, envolveu-se com movimentos cristãos de defesa dos direitos humanos e promoção de justiça social.

Início da carreira política[editar | editar código-fonte]

Em 2010, atendendo aos apelos de lideranças eclesiásticas e de movimentos sindicais, Roberto de Lucena candidatou-se a uma vaga na Câmara dos Deputados, tendo sido eleito com a 3º maior votação do Partido Verde em São Paulo, em mais de 430 municípios do Estado.

Durante o seu primeiro mandato (54ª Legislatura – de 2011 a 2014), foi vice-líder da Bancada Verde e do bloco PV/PPS na Câmara Federal e vice-presidente da Frente Parlamentar Evangélica no Congresso Nacional. Ocupou como membro titular a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN); a Comissão Especial “Igualdade de Direitos Trabalhistas” (PEC 478/10); a Comissão Especial da PEC 070/11 que altera o procedimento de apreciação das Medidas Provisórias; a Comissão Especial “Aposentadoria para garimpeiro” (PEC 405/09); a Comissão Especial sobre o PL 3538/12 que cria a empresa pública Amazônia Azul (Amazul) de Tecnologias.

Além dessas, também foi titular da Comissão Especial sobre o PL 6170/13 que regulamenta o Marketing Multinível; da Comissão Externa sobre a Reserva Suiá-Missú; da Comissão Externa sobre a Tragédia em Santa Maria/RS; e da Comissão Externa sobre os maus tratos de animais no laboratório Royal/SP. Participou ainda da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Trabalho Escravo e da CPI do Tráfico de Pessoas no Brasil.

Foi membro titular da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, suplente da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF), da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) e da Comissão Especial sobre o PL 3555/04 que trata das normas gerais contrato seguro privado. Em 2011, foi presidente da Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e Outras Formas de Violência e, em 2013, fundou e presidiu a Frente Parlamentar da Luta Contra a Endometriose. Foi a voz do povo de Santo Amaro da Purificação, na Bahia, no pior e maior caso de contaminação por cádmio e chumbo do Brasil. O entusiasmo com que representava os cidadãos paulistas mereceu elogios dos mais variados setores da sociedade.

Continuando a ascendente trajetória política, em 2014, Roberto de Lucena foi reeleito, sendo votado em mais de 70% dos municípios de todo o estado de São Paulo. Em 2015, licenciou-se do mandato de deputado federal para exercer o cargo de Secretário de Estado de Turismo de São Paulo. Reassumiu o mandato na Câmara dos Deputados em 5 de abril de 2016.

Desde o seu retorno, Roberto de Lucena ocupa a presidência da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa (CIDOSO), é membro titular da Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP), da Comissão de Turismo (CTUR) e da Comissão Especial sobre a PEC 200/16 que trata da isenção de IPTU para Templos. Atualmente, também é suplente da Comissão Especial sobre Financiamento da Atividade Sindical (CESINDIC).

Neste segundo mandato, já foi titular da Comissão de Defesa do Consumidor (CDC), da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI), suplente da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN). Desde o primeiro mandato até hoje, é membro e dirigente da Frente Parlamentar Mista de Combate à Corrupção. Roberto de Lucena é membro da Coalizão Internacional de Parlamentares pela Liberdade Religiosa no Mundo.

A revista Exame e o jornal Folha de S.Paulo destacaram sua atuação no Congresso ao publicarem, em outubro de 2014, ranking no qual Roberto de Lucena figurou como o 5º deputado mais atuante do país e o mais atuante e produtivo de São Paulo. A Revista Veja também reconheceu que Lucena é um dos parlamentares que mais contribuem na construção de um Brasil melhor, entre os 40 de 513 deputados federais. Roberto de Lucena tem uma intensa atividade legislativa no Congresso Nacional.

Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[3] Já durante o Governo Michel Temer, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos.[3] Em abril de 2017 foi contrário à Reforma Trabalhista.[3] [4] Em agosto de 2017 votou contra o processo em que se pedia abertura de investigação do então presidente Michel Temer, ajudando a arquivar a denúncia do Ministério Público Federal.[3][5]

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Em 1989, Roberto de Lucena recebeu a Medalha Tiradentes na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Em 2003 recebeu a Medalha D. Pedro I do Instituto Cultural da Fraternidade Universal em São Paulo/SP. Em 2010, o parlamentar foi condecorado como Personalidade da Década, pela Academia Brasileira Honrarias ao Mérito de São Paulo/SP. Em 2011, foi agraciado com a Medalha Deferência da Polícia Federal da Academia Brasileira de Honrarias e Mérito (ABRAHM). Em 2012, recebeu o Prêmio Empresário Amigo do Esporte, honraria do Ministério do Esporte, e a Medalha do Mérito Militar do Exército Brasileiro. Em 2013, Lucena recebeu a condecoração do Serviço Social do Comércio no Distrito Federal (SESC/DF).

Além disso, Lucena foi consagrado como cidadão honorário dos municípios de Lorena/SP, Tatuí/SP, Mogi das Cruzes/SP, Euclides da Cunha Paulista/SP, Teodoro Sampaio/SP, Itaquaquecetuba/SP, Arujá/SP, Taboão da Serra/SP, Poá/SP, Ferraz de Vasconcelos/SP e Igaraçu do Tiête/SP. Recebeu também a Medalha “Cidadania Policial” da Associação Nacional das Mulheres Policiais do Brasil, a Ordem do Mérito Machado de Assis da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB) e a comenda “Personalidade Nordestina do Ano” pela Associação Brasileira de Honrarias ao Mérito e pela Associação dos Nordestinos do Estado de São Paulo em alusão à Semana do Nordestino.

Recebeu também a Medalha “Cidadania Policial” da Associação Nacional das Mulheres Policiais do Brasil, a Ordem do Mérito Machado de Assis da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil (CSPB) e a comenda “Personalidade Nordestina do Ano” pela Associação Brasileira de Honrarias ao Mérito e pela Associação dos Nordestinos do Estado de São Paulo em alusão à Semana do Nordestino.

Referências

  1. a b «ROBERTO DE LUCENA». Atlas político. Consultado em 24 de abril de 2016 
  2. «Biografia». Câmara dos Deputados. Consultado em 24 de abril de 2016 
  3. a b c d G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  4. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  5. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.