Robson Camargo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Robson Corrêa de Camargo (Rio de Janeiro, 15 de setembro de 1952), diretor de teatro, ator e professor do curso de artes cênicas da Universidade Federal de Goiás UFG. Doutor em teatro pela ECA USP, trabalhou no jornal Folha de S. Paulo, como crítico teatral, entre 1984 e 1987 e no Jornal Movimento (1974-1977). Foi diretor do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado de São Paulo na gestão Lélia Abramo entre 1978-1981 e Lígia de Paula, entre 1984-1987. Como sindicalista participou da elaboração e divulgação da carta de princípio por um Partido dos Trabalhadores, em primeiro de maio de 1979 (Skromov,2005;Abramo, 1997,pg.153). Desde 2012 é coordenador e fundador do primeiro programa de pós graduação interdisciplinar em Performances Culturais, da Universidade Federal de Goiás (Sítio Performances Culturais).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Fez doutorado-sanduíche nos Estados Unidos da América, 1996-1997, na Arizona State University. Lá esteve à frente da direção artística das Comédias “El Nuevo Mundo” (1997), de Carlos Somigliana, e “El Dia Que Me Quieras” (1996), de José Ignácio Cabrujas.

Entre seus trabalhos teatrais, dirigiu “Esperando Godot” (1995), de Samuel Beckett, espetáculo da Universidade de São Paulo, apresentado no Festival Internacional de Teatro de Londrina, Paraná e “Traição” de Harold Pinter (2001), no Teatro Cultura Inglesa de São Paulo. Recentemente dirigiu uma nova versão de "Esperando Godot", em Goiânia, pelo Máskara - núcleo de pesquisa do Espetáculo, do Drama e da Performance, apresentada no Festival de Teatro de Blumenau, montagem também convidada a se apresentar no Festival Beckett de Buenos Aires.

Professor universitário desde 1976, obteve em 2005 o grau de doutor pela ECA/USP, com a tese O Espetáculo do Melodrama: Arquétipos e Paradigmas, orientada por Ingrid Koudela, a ser editada pela Universidade de Brasília. Seu mestrado (1992) sobre o Teatro Popular do SESI de Osmar Rodrigues Cruz, orientado por Jaco Guinsburg, também foi obtido na ECA/USP. Seus textos foram publicados na revista Urdimento (Udesc), Sala Preta (USP), Gestos (University of California - Irvine), Manuscrítica (FFLCH/USP), Revista Fênix- dossiê Teorias do Espetáculo e da Recepção e Journal of Beckett Studies.

Robson Corrêa de Camargo foi um dos elaboradores da carta de princípios para um partido dos trabalhadores, junto com Jacó Bittar (Sindicato dos Petroleiros de Campinas), Paulo Skromov (Sindicato dos Coureiros de São Paulo), Henos Amorina (Sindicato dos Metalurgicos de Osasco), Wagner Benevides e Benedito Marcílio do Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André. Este documento foi publicado na imprensa paulista no dia primeiro de maio de 1979. Primeiro documento público feito por algumas das principais figuras que iriam fundar o PT em 1981. Militou no PT até 1992, como membro da corrente interna Convergência Socialista (Skromov,2005; Abramo, 1997, pg.153, Bianchi 2005). Coordena o Mestrado Interdisciplinar em Performances Culturais da Universidade Federal de Goiás, iniciado em 2012.

Espetáculos[editar | editar código-fonte]

Atividades acadêmicas[editar | editar código-fonte]

Conselhos Editoriais[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • A Vida é um Moinho. Goiânia: Editora Kelps, PUC-GO, (2010).
  • Performances Culturais. São Paulo: Hucitec, (2011). Com Heloísa Capel e Eduardo Reinato.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]