Rock em Angola

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.

Antes da Independência e até à década de 1980[editar | editar código-fonte]

Em Angola, o rock é um género musical que existe neste país africano há alguns anos sensivelmente desde a década de '60 com o surgimento de bandas como os Rocks, Vum Vum, Os Incógnitos, Os Jovens,  Os Kríptons, Os Brucutus e muitos outros conjuntos espalhados pela então ex-província de Portugal, Angola.

Década de 1990[editar | editar código-fonte]

Após a independência, o estilo musical era ainda bem consumido e por essa razão começou um novo movimento no princípio dos anos 90 com as bandas Acromaníacos, Mutantes, Os Quinta-Feira, Ventos do Leste, Anexo, The Cristals, os Passaros, 1516, Neblina,[1][2][3] sendo este último a única banda com dois videoclips gravados e um álbum no mercado em Angola. Mas na actualidade a divulgação e os eventos têm estado a crescer num rítmo inacreditável.

O Rock no contexto cultural angolano[editar | editar código-fonte]

Até aos dias de hoje diversos grupos de jovens lutam pela promoção e massificação do Rock naquele país, pois este género não é tão respeitado como os estilos de música nacionais de Angola e outros estilos como o hip-hop. Graças a evolução tecnológica, estes jovens têm usado meios como a Internet para divulgar a sua música e promover shows, já que os meios de comunicação locais mostram-se desinteressados em promover aquele género musical, muitas vezes defendendo que se deve em primeiro lugar priorizar a "cultura angolana".

Há já algum tempo que o mercado musical angolano tem-se vindo a diversificar e afirmando internacionalmente desde o Semba ao Kizomba, do Folclore ao Kuduro, importando o Hip Hop e agora o estilo Rock que foi mais recentemente apresentado ao “Music Hall” angolano pela banda Neblina. Este estilo tem vindo a despertar a atenção dos jovens a nível nacional desde então, e isto demonstra que a Internet é sem dúvida o principal meio de divulgação do Rock actualmente em Angola, o que está a fazer com que algumas bandas locais comecem a ser conhecidas. Outra forma de divulgação é feita através do programa de rádio Volume 10, este programa é emitido na FM Estéreo (96.5 FM); de segunda à sexta-feira, das 16 às 17 e aos sábados, das 18 às 20 horas. O mesmo já existe desde 1995. As províncias que mais se destacam no Rock em Angola são Benguela e Luanda, sendo um dos principais locais de divulgação das bandas em Luanda o Bar Kings Club localizado na Vila Alice, e em Benguela o que mantinha o Rock até 2004, era o bar Caribe, porém já não direccionado a este fim. Os Neblina, angolanos que tinham passado um tempo na Namíbia, tinham uma ideia mais vasta do Rock, em relação as bandas residentes no país, e talvez isto tenha feito com que tenham sido a primeira banda angolana a lançar um disco no mercado e dois videoclips com o nome "Filhos da pátria" e "War heads" respectivamente.

Bandas mais notáveis[editar | editar código-fonte]

Além das bandas pioneiras referidas acima, actualmente existem algumas bandas que se começam a destacar em Angola tais como Dor Fantasma, Black Soul, Before Crush ex-Nightmare Today, Last Prayer, Mvula, Café Negro e Instinto Primário. Curiosamente são bandas de Metal com excepção dos Instinto Primário e Café Negro, facto que contrasta com a cultura de Angola, mas o certo é que têm sido as principais referências entre o público rockeiro daquele país africano. Entretanto, existem ainda outras bandas no circuito musical do rock Angolano, cujo futuro de momento é aparentemente incerto, tais como: Fios Eléctricos, Velório, Demential,, Pestes & Parasitas, Estranho Atractor,Necrotério Vazio,Via Sacra.

E novas bandas que actualmente vêm se destacando e marcando lugar no mercado tais como: Irina Vasconcelos (Ex-Integrante dos Café Negro), Ressureição, Silent Whisper, Tiranuz, Nebulosa Difusa e Ovelha Negra.

Atualmente os Kishi preparam o seu primeiro álbum de estúdio.


Desde 2015[editar | editar código-fonte]

De 2008 a 2016 o aumento de bandas de Rock em Angola teve um crescimento triplicado carecendo somente para o facto de não haver grande disponibilidade de material e os custos serem um pouco pesados no entanto Angola conseguiu registar alguns éxitos como a conquista do prêmio AFRIMA pela banda Mvula como melhor banda de Rock de África, impulsionando assim a entrada da categoria MELHOR ROCK nos Angola Music Awards.

Outra banda que vai se destacando são os Last Shout que inclusive participaram do festival GOROFEST na África do Sul, sendo assim uma das primeiras bandas a ter uma aparição em grandes palcos com bandas de renome em África.

Para os Angolan Music Awards 2017, pela primeira vez com a categoria Rock, a banda Black Soul venceu o prêmio, assinando assim a sua marca como a primeira banda de Rock Angolana a vencer este prémio.

A Banda Black SoulGanhou os Angola Musica Awards como Melhor Rock de 2017.


Referências

  1. «Banda Neblina aposta no rock para conquista de espaço no music hall nacional». ANGOP. 5 de fevereiro de 2006. Consultado em 16 de julho de 2010  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  2. «1º Disco de Rock em Angola (Banda Neblina)». Nexus. 28 de janeiro de 2006. Consultado em 16 de julho de 2010. Arquivado do original em 13 de março de 2017  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  3. «Innocence Falls In Decay». lastfm.br. Consultado em 16 de julho de 2010  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.