Rodolfo Abrantes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2014). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2014).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Rodolfo Abrantes
Informação geral
Nome completo Rodolfo Gonçalves Leite de Abrantes
Também conhecido(a) como Rodox
Nascimento 20 de setembro de 1972 (42 anos)
Origem Sobradinho, DF
País Brasil Brasil
Gênero(s) Rock cristão, música cristã, Música cristã contemporânea, Canto congregacional, metal cristão, punk cristão,Rock congregacional,folk,Rock alternativo,Indie rock, Surf music
Ocupação(ões) Cantor, compositor, ministro
Instrumento(s) Vocal, guitarra, violão, baixo, bateria
Período em atividade 1987 – atualmente
Gravadora(s) Onimusic (2012 - atualmente), Warner Music (1994 - 2003)
Afiliação(ões) Raimundos, Rodox, Chorão, Pregador Luo, Strike

Rodolfo Gonçalves Leite de Abrantes[1] [2] (Sobradinho, DF, 20 de setembro de 1972), conhecido como Rodolfo Abrantes, é um cantor, compositor, multi-instrumentista, pastor e ministro evangélico brasileiro. Rodolfo se tornou conhecido em todo o país na banda Raimundos. A mistura de punk e forró e as letras escrachadas deram fama ao grupo em 1994 com o primeiro disco, Raimundos. Lavô Tá Novo, de 1995, fez a banda estourar, com músicas de altíssima rotação em rádios e na MTV. Em 1997 a banda lançou Lapadas do Povo, mas seu maior sucesso foi em 1999, com a canção Mulher de Fases, do disco Só no Forévis. A banda vendeu em torno de 3 milhões e meio de cópias. Em 2001, Rodolfo anunciou que deixaria a Raimundos, alegando conversão religiosa incompatível com o estilo de vida da banda.[3] Após sua saída dos Raimundos, começou um novo grupo chamado Rodox, no qual gravou dois discos, Estreito de 2002 e Rodox, mas com uma briga em um show em Salvador a banda teve seu fim anunciado em 2004. Desde 2006 vem em carreira solo, em que lançou quatro discos.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Nascido em 20 de setembro de 1972, em Sobradinho, no Distrito Federal, Rodolfo Gonçalves Leite de Abrantes cresceu em uma cidade cuja identidade ainda estava em formação. Como muitos brasilienses, era filho de nordestinos, os quais eram médicos paraibanos que migraram para a capital do país a fim de concluírem os estudos. O orgulho de ser brasiliense veio com a geração roqueira local, que ele viu nascer a algumas quadras da sua casa (em frente à do amigo guitarrista Digão), em um local chamado Gilbertinho. Dali até o Raimundos, foi um pulo.[5]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Raimundos[editar | editar código-fonte]

O Raimundos começou quando Digão e Rodolfo se conheceram, por morarem na mesma rua em Sobradinho. Naquela época, Rodolfo tocava guitarra, e Digão bateria. Logo, se reuniram para jogar conversa fora e tocar as músicas de seu grupo favorito, os Ramones. Segundo Rodolfo, o amplificador utilizado por ele era tão ruim que ficava igual. Mas faltava um baixista. A sugestão de Rodolfo foi chamar o Canisso, pois ele daria um visual "arrojado" para a banda. Com a entrada de Canisso, o negócio começou a ficar um pouco mais sério, e as primeiras composições começaram a surgir. E foi no réveillon de 1988, na casa do amigo Gabriel Thomaz, que aconteceu o considerado primeiro show do Raimundos.[6]

A parte nordestina do Raimundos é por boa parte de Rodolfo: a cultura nordestina sempre esteve presente em sua vida. Dessa forma, estava definida a fonte de inspiração da banda. O próximo passo era a divulgação através de shows em pequenos bares de Brasília e, principalmente, festas. Em 1990, a banda se separa. Depois, Rodolfo se casou e foi morar no Rio de Janeiro. Em 1992, surgiu uma oportunidade de tocar em um bar em Goiânia e a decisão foi unânime: o Raimundos seria ressuscitado. Porém, como a banda não tinha mais baterista (Digão agora era guitarrista, deixando Rodolfo livre para o vocal), a saída foi apelar para uma bateria eletrônica. Fred, que já era fã do grupo, foi recrutado para a bateria, dando um direcionamento mais sério para a banda. A fita demo do grupo foi gravada em 1993, e continha quatro músicas: "Nêga Jurema", "Marujo", "Palhas do Coqueiro" e "Sanidade".[7]

Com a gravação da fita demo, o grupo cresceu, e foi no festival Junta Tribo, realizado pelo fanzine Broken Strings em Campinas, que a banda começou realmente a chamar a atenção. Depois disso, começaram a abrir shows: para o Camisa de Vênus, Ratos de Porão no Circo Voador e uma temporada completa para os Titãs. Um jornalista brasiliense, tendo uma cópia da fita demo em mãos, entrou em contato com um amigo jornalista da revista musical Bizz, ninguém menos que o Carlos Eduardo Miranda. Foi nesse contato que o grupo finalmente começou a gravar o seu disco de estreia. A partir daí a banda passa a morar em São Paulo. Com o lançamento do álbum, a banda volta para São Paulo, para divulgar o disco. É nessa época que o grupo é apresentado aos seus maiores ídolos, os Ramones. Foi nesse época que Rodolfo foi conhecer a sua atual esposa Alexandra que era tradutora dos Ramones.[8]

Fizeram um sucesso considerável e ganharam as rádios com "Selim", música que sequer foi escolhida para ser de trabalho, mas que por causa do público foi um sucesso. Depois de vender quase 200 mil cópias do primeiro disco, a banda lança o segundo álbum, Lavô Tá Novo, pela Warner. Com o sucesso a turnê aumenta e se estende (inclusive com shows no exterior), e paracobrir um espaço sem lançar nada e, aproveitando a época de natal, a banda resolve lançar em 1996 um kit para os fãs. Batizado de Cesta Básica, o Box-Set contendo CD, fita de vídeo (com clipes, entrevistas contando a carreira da banda e trechos de shows) e revista em quadrinhos, que é baseada na história da música "Puteiro em João Pessoa", que diz sobre a perda da virgindade de Rodolfo em um Motel da Paraíba, o kit se esgotou em poucos meses.[9]

Em 1997, a banda vai para os Estados Unidos gravar o quarto álbum. O produtor escolhido seria novamente o inglês Mark Dearnley, que gravou o segundo disco da banda, "Lavô Tá Novo". Com poucas músicas compostas e quase nenhuma letra escrita, a banda teve que passar uma temporada em Los Angeles. A distância da família e dos amigos, o estigma de banda incapaz de escrever letras sérias, uma febre de bandas nacionais tentando copiar o estilo da banda, além dos problemas com o público mais pesado e o incentivo do empresário para que a banda se tornasse a mais pesada do país.[10] Somando, ainda, a cena hardcore de Los Angeles (onde a banda assistiu a vários shows, entre eles o do Suicidal Tendencies) e, é claro, a pressão da gravadora. Todos estes fatores influenciaram para que o Raimundos gravasse o mais pesado de seus álbuns, o Lapadas do Povo. A banda inicia turnê do álbum em um clima excelente, pois estavam com um álbum que consideravam um presente para os fãs, além de estarem mais unidos do que nunca depois de se recuperarem dos problemas pessoais já citados.[11]

Porém, o destino guardava uma triste fatalidade no caminho da banda, depois de um excelente show em um clube santista, a falta de uma quantidade ideal de saídas para o público culminou em um aglomerado em apenas uma das saídas, resultando em um acidente causado pela queda de um corrimão em uma escada de dois metros e meio. Vários fãs foram pisoteados pela multidão assustada, causando a morte de oito presentes. O grupo, que só foi informado do ocorrido quando já estava no hotel, ficou chocado e bastante triste com o ocorrido.[12] Por causa disto, a divulgação inicial do álbum indispensável para uma boa aceitação das rádios foi prejudicada por dois meses. Sem falar que parte da imprensa preferiu culpar o grupo pelo acidente, atrapalhando mais ainda a turnê.[13]

Nessa época, o Raimundos lançou uma música de trabalho totalmente diferente do então álbum lançado. A música era o Reggae do Manêro. Rodolfo foi o primeiro a dizer "não" a essa música, por achar que essa música era uma brincadeira e tinha coisas muito escrachadas. Mesmo Rodolfo não querendo, a música faz um tremendo sucesso. Finalizada a turnê do Lapadas do Povo, a banda começa a planejar e a traçar os preparativos para o novo álbum. Em mente, tinham apenas a certeza que o melhor seria que o álbum fosse todo gravado no Brasil, com a participação ou presença de vários amigos, pois só assim conseguiriam retornar ao verdadeiro estilo da banda, e sobretudo fazer um álbum alegre, para cima. Em maio de 1999, o grupo lança novo CD da banda, com o nome de Só no Forévis. A música "Mulher de Fases" já estava estourada nas rádios e o clipe em rotação extrema na MTV, garantindo, à banda, dois prêmios na festa VMB. Depois de "Mulher de Fases", veio a balada "A Mais Pedida", que também recebeu muitos elogios e uma boa aceitação do público. A terceira música do álbum foi "Me Lambe". O sucesso destas músicas garantiu, ao grupo, participações em programas de rádio e tevê.[14] O resultado desta excelente aceitação foram mais de 500 mil cópias do álbum vendidas, batendo todos os anteriores, e a maior turnê que a banda já fez.[15]

Depois do Só no Forévis, em 2000, veio o disco ao vivo, intitulado MTV Ao Vivo (Raimundos). O MTV Ao Vivo era um novo projeto da MTV que consistiria em gravações de shows de bandas consagradas que viriam a se transformar em CD e DVD. E a primeira banda escolhida foi, então, o Raimundos. A banda se encarregou de gravar o material em várias apresentações. O álbum foi lançado no final de outubro de 2000. O álbum, como Só no Forévis, teve a vendagem muito boa, fazendo que o Raimundos, em 1999 e 2000, vendessem mais de um milhão de cópias.[16] Depois do final da turnê do disco MTV Ao Vivo, Rodolfo abandonou a banda em junho de 2001, pois havia se convertido ao protestantismo e a banda já não fazia mais sentido para ele. Rodolfo não credita o fato de ter deixado a banda à conversão à igreja, embora assuma que uma coisa esteja ligada a outra. Um dos motivos também, segundo o próprio, era que estava insatisfeito. Não dava conta da quantidade de drogas que usava. A maconha, como ele diz, "dava as coordenadas". Além da erva, usou também ácido, ecstasy e cocaína.[17]

Rodox[editar | editar código-fonte]

Rodolfo Abrantes, depois de sair dos Raimundos, no auge da carreira, sumiu por um tempo do cenário musical. Muitos pensavam que ele não iria mais tocar, mas por esse período ele estava compondo, tocando e gravando junto com o DJ Bob. Tom Capone foi chamado para produzir e tocar, e para a bateria foi chamado o Fernando Schaefer (ex-Pavilhão 9 e Korzus). Foi formado em 2002 o Rodox, banda que foi batizada com o apelido de Rodolfo, quando ele precisava gravar dois álbuns como dívida contratual com sua gravadora no Raimundos. Seguindo uma sonoridade um tanto mais pesada que sua ex-banda, puxando mais pro hardcore que pro punk rock, surgiu Estreito, totalmente composto por Rodolfo com participações de DJ Bob, responsável pelas pitadas experimentais de música eletronica, com samplers e sintetizadores, soando new metal em algumas faixas.

Depois de provar que era uma banda que podia ter futuro, em 2003, Rodox entra no estúdio, já como uma banda formada, com Bob, Fernandão, Patrick Laplan, Marcão, Pedro e Rodolfo, e começam a compor, tocar, gravar e mixar, fazendo músicas com barulhos eletrônicos, bateria irriquieta, guitarras simplesmente pesadas e um baixo de agitar multidões. A banda lança seu segundo e último álbum, Seguindo a linha de Estreito, Rodox é melhor elaborado e igualmente pesado, mas sua temática pouco mudou. Durante a turnê deste álbum Patrick Laplan sai da banda, e Canisso que saira do Raimundos em 2002 assume o baixo. A banda contou ainda com algumas mudanças em sua formação, e com Rodolfo cancelando shows em detrimento de suas pregações como pastor evangélico, o cenário foi ficando cada vez pior e a situação insustentável. Em 2004 no meio de um show em Salvador, Bahia, Fernandão derruba a bateria palco abaixo, discute com Rodolfo após o show e a banda acaba. Rodolfo declara que a banda acabou pois ele tentou evangelizar os demais integrantes da banda, o que não deu certo.

Carreira solo[editar | editar código-fonte]

Em 2006 lançou seu primeiro trabalho solo de música cristã, Santidade ao Senhor, com letras ainda mais explícitas quanto a sua nova fase. Em 2007, lança o segundo CD da carreira solo, Enquanto É Dia. Atualmente Rodolfo Abrantes dedica-se a ministrar cultos na igreja MEVAM - Missões Evangelísticas Vinde Amados Meus e é missionário itinerante, com uma nova banda, com Rodolfo no vocal e guitarra, Thiago Tonini no baixo, Victor Pradella na guitarra e Anderson Kuehne na bateria. "R.A.B.T" é nome do novo CD do cantor intitulado Rompendo a Barreira do Templo, que foi lançado em 2012.[18] [19]

Em 2013, fechou com a gravadora Onimusic, que passa a distribuir o álbum.

Discografia[editar | editar código-fonte]

Com Raimundos
Com Rodox
Solo

Outros trabalhos[editar | editar código-fonte]

Videografia[editar | editar código-fonte]

  • (2015) Fornalha Dunamis
  • (2013) Ele Continua o Mesmo
  • (1996) Cesta Básica
  • (2000) Raimundos MTV Ao Vivo

Referências

  1. Entrevista: Rodolfo Abrantes Poa show (2010 mai 31). Visitado em 10 de março de 2012.
  2. "Divina Intervenção: Há uma década, Rodolfo Abrantes trocou o papel de líder de uma das maiores bandas de rock do Brasil pelo Evangelho. Hoje, decreta sem olhar para trás: `O vocalista dos Raimundos morreu aos 27 anos´", Rolling Stone (61), http://www.rollingstone.com.br/edicao/edicao-61/divina-intervencao, visitado em 10 de março de 2012 
  3. "Entrevista com Rodolfo Abrantes", WTV, http://www.wtv.net.br/?p=39, visitado em 10/12/2012 
  4. Comunidade em Ação entrevista ex-vocalista da banda Raimundos Difusora 910 (2011). Visitado em 10/12/2012.
  5. "O Rodolfo dos Raimundos morreu aos 27 anos", diz ex-vocalista da banda à revista. Visitado em 10/12/12.
  6. Entrevista com Rodolfo Abrantes. Visitado em 10/12/12.
  7. Rodolfo Abrantes: "Raimundos como banda não me interessa". Visitado em 10 de dezembro de 12.
  8. Revista Rolling Stones faz entrevista exclusiva com Rodolfo Abrantes. Visitado em 10/12/12.
  9. Confira como foi a entrevista de Rodolfo Abrantes no programa Rock Estrada do Multishow. Visitado em 10 de dezembro de 12.
  10. Rodolfo reencontra integrantes do Raimundos em aeroporto no Paraná. Visitado em 10 de dezembro de 12.
  11. Rodox - Entrevista exclusiva com Rodolfo. Visitado em 10/12/12.
  12. Entrevista - Rodolfo Abrantes. Visitado em 10 de dezembro de 12.
  13. ENTREVISTA COM RODOLFO ABRANTES.Rodolfo "Não voltaria por dinheiro nenhum". Visitado em 10/12/12.
  14. Rodolfo Abrantes divulga foto com ex-colegas de Raimundos. Visitado em 10/12/12.
  15. “O vocalista dos Raimundos morreu aos 27 anos”, afirma Rodolfo em entrevista a Rolling Stones. Visitado em 10/12/12.
  16. Rodolfo Abrantes (ex Rodox e Raimundos) abre o coração e desabafa em entrevista exclusiva. Visitado em 10/12/12.
  17. Entrevista Rodolfo Abrantes Altas Horas. Visitado em 10/12/12.
  18. Entrevista com Rodolfo Abrantes (Ex. Raimundos). Visitado em 10/12/12.
  19. Trecho da Entrevista com Rodolfo Abrantes publicada na edição 61 da Rolling Stone Brasil, outubro/2011. Visitado em 10/12/12.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]