Rodovia Americana-Paulínia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Estrada Municipal Ivo Macris (em Americana)
Estrada Municipal Raphael Perissinoto (em Paulínia)
País
Nomes populares Estrada Americana-Paulínia
Estrada do Sobrado Velho[1]
Tipo Rodovia Municipal
Legislação Municipal
Extensão 14,47[2] km
Projetado: 14,47 km
Extremos
 • oeste:
 • leste:

Avenida Nicolau João Abdalla, Americana, SP
Rua Raphael Perissinoto, Paulínia, SP
Concessionária Prefeituras

Rodovia Americana-Paulínia é o nome genérico dado a um conjunto de estradas vicinais que ligam as cidades brasileiras de Paulínia e Americana, no interior de São Paulo.

Vista da Rodovia em Americana

Em Paulínia o trecho corresponde ao trecho da PLN-346 denominado Estrada Municipal Raphael Perissinoto. No município de Americana a rodovia corresponde ao trecho pavimentado da Estrada Municipal Ivo Macris (que liga o município diretamente a Paulínia, mas através de um trecho sem pavimentação) e a um trecho sem denominação oficial. A rodovia ainda passa pelo município de Cosmópolis, dando acesso a esse através de uma estrada rural.[3]

A Lei paulinense n° 2306, de 4 de novembro de 1999, oficializou a denominação Raphael Perissinoto para a via,[4] enquanto em Americana a denominação Ivo Macris foi atribuída através da Lei n° 4922, de 15 de dezembro de 2009.[5]

A Rodovia Americana-Paulínia possui 14,47 km de extensão, totalmente pavimentados e sinalizados. A pavimentação foi realizada pelo governo do estado de São Paulo,[2][3] através de convênios realizados entre o DER-SP e as prefeituras de Paulínia e Americana, que não acarretaram custos diretos às respectivas prefeituras.[6][7]

Problemas[editar | editar código-fonte]

Caminhão caído na cratera aberta após fortes chuvas

A via não possui acostamentos e em muitos trechos não há área disponível nas margens da rodovia, o que pode acarretar problemas em caso de acidentes.[3] Além disso, um trecho em Americana cedeu devido às fortes chuvas que acometeram a região no início de 2011, e até hoje nenhuma obra foi feita no local, com exceção de uma desvio improvisado para carros leves, mas utilizado também por veículos pesados. O governo estadual liberou 1,6 milhões de reais para a construção de uma ponte, mas a prefeitura de Americana alega serem necessários 2 milhões para a obra. A cratera provocou dois acidentes, um envolvendo um caminhão e outro uma motocicleta, cujo piloto acabou morrendo.[8]

A rodovia é utilizada como rota de fuga por motoristas que querem evitar os pedágios instalados na Rodovia Anhanguera, em Nova Odessa e na Rodovia Professor Zeferino Vaz (antiga Gal. Milton Tavares de Sousa), em Paulínia. Em 2010 a AutoBan, concessionária responsável pela administração do sistema Anhanguera-Bandeirantes, contratou um serviço de consultoria para fazer um levantamento da quantidade e tipos de carros passavam pela rodovia. A empresa negou que o levantamento fosse pelo fato da via ser usada como rota de fuga, e sim um trabalho sobre as rodovias concessionadas. Mas apesar do governo do estado realizar obras na rodovia, ela não era administrada pela empresa, e sim pelos municípios.[9] Outra polêmica envolveu a Usina Ester, que fechou uma estrada que passava por suas terras e dava acesso a Cosmópolis a partir da rodovia Americana-Paulínia supostamente para evitar a rota de fuga, entretanto há outro acesso àquela cidade, através de outra estrada, em condições inferiores à estrada bloqueada. Foi sugerido por vereadores de Cosmópolis a desapropriação de parte das terras da Usina Ester, incluindo a ponte de alvenaria localizada sobre o Rio Jaguari, para permitir a construção de uma rota alternativa à SP-332.[10]

Referências

  1. «Pauta da 10ª Sessão Ordinária Quarto Ano Legislativo da 14ª Legislatura 27 de março de 2008 – 14 horas» (html). camaramericana.sp.gov.br. p. 9 de 10. Consultado em 30 de outubro de 2012 
  2. a b «Diário Oficial - Poder Legislativo de São Paulo» (pdf). 1. Departamento de Estradas de Rodagem – DER (Investimentos na Infra-estrutura física). jusbrasil.com.br. 31 de maio de 2011. p. 35. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  3. a b c «Rodovia Americana-Paulínia» (html). paulinia.net. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  4. «Lei Ordinária de Paulínia-SP, nº 2306 de 04/11/1999» (html). leismunicipais.com.br. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  5. «Lei Ordinária de Americana-SP, nº 4922 de 15/12/2009» (html). leismunicipais.com.br. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  6. «Lei Ordinária de Americana-SP, nº 4669 de 04/07/2008» (html). leismunicipais.com.br. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  7. «Lei Ordinária de Paulínia-SP, nº 2995 de 11/05/2009» (html). leismunicipais.com.br. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  8. «Cratera em rodovia de Americana completa 22 meses sem solução» (html). g1.com.br. 25 de outubro de 2012. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  9. «AutoBAn "ficha" carros em rota de fuga do pedágio.» (html). sindicamp.org.br. 22 de janeiro de 2012. Consultado em 28 de outubro de 2012 
  10. «Requerimento N.º 146/2010» (html). camaracosmopolis.sp.gov.br. 27 de maio de 2010. Consultado em 28 de outubro de 2012 


Ícone de esboço Este artigo sobre uma rodovia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.