Rodrigo Garcia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste(a) artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Rodrigo García (diretor colombiano)
Rodrigo Garcia
Deputado Federal por São Paulo
Período 1º de fevereiro de 2018
até a atualidade

1º de fevereiro de 2011
até 2 de maio de 2011
6 de abril de 2014
até 18 de março de 2015

Secretário da Habitação de São Paulo
Período 19 de março de 2015
até 31 de janeiro de 2018
Secretário do Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação de São Paulo
Período 28 de maio de 2013
até 03 de abril de 2014
Secretário de Desenvolvimento Social de São Paulo
Período 2 de maio de 2011
até 28 de maio de 2013
Secretário Especial de Desburocratização de São Paulo
Período 1º de maio de 2008
até 31 de março de 2010
Deputado Estadual de São Paulo
Período 1º de janeiro de 1999
até 1º de maio de 2008
Dados pessoais
Nascimento 10 de maio de 1974 (44 anos)
Tanabi, São Paulo
Partido DEM
Profissão Advogado e Empresário

Rodrigo Garcia (Tanabi, 10 de maio de 1974) é um advogado, empresário, corretor de imóveis e político brasileiro. Foi deputado estadual eleito por três legislaturas consecutivas, 1999-2002, 2003-2006 e 2007-2010, e presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, de 15 de março de 2005 a 15 de março de 2007. Licenciou-se do cargo de deputado para estar à frente da Secretaria Municipal de Modernização, Gestão e Desburocratização da Prefeitura de São Paulo, de 2008 a 2010. Em abril de 2010, voltou à Assembleia Legislativa para dar continuidade aos seus trabalhos como deputado estadual pelo DEM-SP. Atualmente, é deputado federal por São Paulo, reeleito com 336.151 votos. É a 5ª maior votação para deputado federal do Estado de São Paulo e a 6ª maior do Brasil. Em 1º de fevereiro de 2015, assumiu seu 5º mandato. Atualmente, é secretário de Estado da Habitação, de São Paulo. Rodrigo assumiu a Secretaria de Estado da Habitação em 19 de março de 2015.

Em maio de 2011, foi convidado pelo governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, para assumir a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social. No dia 28 de maio de 2013, novamente a convite do governador Geraldo Alckmin, assumiu a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo que posteriormente passou a ser denominada Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo.

Em 3 de abril de 2014, deixou o comando da Secretaria para voltar à Câmara Federal. Ele assumiu seu mandato de deputado federal e concorreu nas eleições, que aconteceram em outubro, sendo reeleito como o quinto mais votado do Estado de São Paulo (leia acima).

Rodrigo formou dobradinhas inéditas em eleições para deputado com Gilberto Kassab. Em 2011, rompeu com o então Prefeito de São Paulo, declinando do convite de integrar o PSD, partido fundado por Kassab. É vice-presidente nacional do DEM e secretário-geral do partido no Estado de São Paulo.

Nas eleições de 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019), Rodrigo foi o 5º deputado federal mais votado no estado de São Paulo, obtendo 336.151 votos. Após, se licenciou do cargo para assumir a Secretaria de Habitação no novo governo de Geraldo Alckmin. Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[1]

Experiência política[editar | editar código-fonte]

  • Secretário de Estado da Habitação, do Estado de São Paulo (desde março de 2015)
  • Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, do Estado de São Paulo (maio de 2013 a abril de 2014)
  • Secretário de Estado de Desenvolvimento Social, do Estado de São Paulo (maio de 2011 a maio de 2013)
  • Deputado federal licenciado - DEM/SP (2011-2014)
  • Secretário Especial de Desburocratização, da Prefeitura de São Paulo (2008 a 2010)
  • Governador interino do Estado de São Paulo (2006)
  • Presidente da Assembleia Legislativa, do Estado de São Paulo (2005 a 2007)
  • Deputado estadual - DEM/SP (1999 a 2010)
  • Secretário-adjunto da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, do Estado de São Paulo (1995 a 1996)
  • Chefe de gabinete da Secretaria de Planejamento, da Prefeitura de São Paulo (1997)
  • Membro do Conselho Administrativo da CODASP – Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo (1995 a 1996)

Principais realizações[editar | editar código-fonte]

  • No dia 6 de junho, Rodrigo Garcia, apresentou os 17 novos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Serão aplicados R$ 1,4 bilhão nos Centros, um dos maiores investimentos do Brasil destinados para programas de pesquisas.[1]
  • No dia 28 de maio de 2013, novamente a convite do governador Geraldo Alckmin, assumiu a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo.[2]
  • No dia 12 de julho de 2012 reassumiu a Secretaria de Desenvolvimento Social para continuar o trabalho de fortalecimento dos programas sociais do Estado de São Paulo.[3]

Na Secretaria, criou ainda o Programa São Paulo Amigo do Idoso que envolve ações intersecretariais voltadas à proteção, educação, saúde e participação da população idosa do Estado. Lançou o Cartão Amigo do Idoso. O benefício é direcionado aos idosos do Estado com idade superior a 80 anos e com renda mensal de até meio salário mínimo. O investimento é de R$ 40 milhões por ano. [4]

Lançou o Cartão Recomeço, benefício destinado à recuperação voluntária de dependentes químicos, mais especificamente de crack. Inicialmente foram distribuídos 3 mil cartões que custearão o atendimento em entidades escolhidas pelo Estado por meio de edital. O valor do benefício foi de R$ 1.350,00 mensais, usado exclusivamente nas entidades credenciadas para o acolhimento social. [5]

  • No início de junho de 2012, reassumiu o mandato de deputado federal após 12 meses à frente da Secretaria de Desenvolvimento Social do Estado de São Paulo.

De volta à Câmara, Rodrigo Garcia apresentou um projeto que destina recursos do pré-sal para ampliar ações de combate à extrema pobreza. O PL 4056/2012 [6] apresentado em junho de 2012 modifica a legislação sobre a exploração de petróleo (Lei 12.351/2010) para incluir políticas municipais de assistência social e entre as beneficiárias do Fundo Social do Pré-Sal. A proposta do deputado também fixava em 20% o percentual dos recursos do Fundo Social a cidades que tenham ações voltadas às famílias em situação de extrema pobreza.

  • À frente da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, dobrou o orçamento, saltando de R$ 487 milhões para R$ 915 milhões. [7] Possibilitando uma série de ações e investimento na área social, como a mobilidade das pessoas mais necessitadas para uma condição de vida melhor.

Ao assumir o Desenvolvimento Social, Rodrigo implantou uma nova forma de gestão na Secretaria, com resultados positivos. Colocou em prática o conhecimento adquirido, desenvolvendo uma gestão moderna. “Nosso objetivo, à frente da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, vai muito além de oferecer a entrada em um ou mais programas sociais. Nosso compromisso é com a mobilidade social de cada família paulista que estiver em situação de vulnerabilidade. É com o direito dos pobres deixarem de ser pobres. Vamos em busca de todos, oferecendo oportunidade e futuro. Não basta dar o peixe. É preciso ensinar a pescar”, disse.

  • No dia 2 de maio de 2011, a convite do governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, assumiu a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, pasta estratégica do governo de São Paulo e responsável pela gestão dos principais programas sociais do Estado.

Criou o Piso Social Paulista [8] que permitiu um aumento significativo de recursos para a assistência social em todo o Estado, alcançando R$ 180 milhões nos repasses do Fundo Estadual de Assistência Social, o que beneficiou 1,3 milhão de famílias em situação de vulnerabilidade. Implantou o programa estadual de superação da Extrema Pobreza – São Paulo Solidário -- que visa garantir a mobilidade social de 1 milhão de paulistas que se encontram em situação de miséria.

Lançou o programa Creche Escola, desenvolvido em parceria com a Secretaria de Educação. Ele prevê investimento de cerca de R$ 1 bilhão até 2014, para a implantação de 1 mil creches. [9]

Anunciou o reajuste salarial de 43% aos funcionários públicos, trabalhadores da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social. [10]

Ampliou o número de restaurantes Bom Prato, que oferece alimentação balanceada e de qualidade a preço popular, R$ 1 o almoço. Ao final de sua gestão foram 39. [11] Além disso, foram oferecidos novos serviços como internet gratuita [12], cursos de qualificação [13] e café da manhã a R$ 0,50 [14].

Reestruturou o Vivaleite, maior programa estadual de distribuição gratuita de leite pasteurizado do Brasil. Passando a distribuir 117 milhões de litros de leite enriquecido por ano.

  • Criou e disponibilizou na Internet o Portal da Transparência, onde são divulgados os gastos das secretarias, subprefeituras, autarquias e empresas públicas, além da folha de pagamento dos servidores públicos. [15]
  • Ampliou o programa São Paulo Mais Fácil, que consiste em prover aos munícipes fácil acesso à Internet, para que estes possam se utilizar da rede para agilizar o atendimento em diferentes repartições públicas.
  • Lançou o programa de capacitação Inova Gestão, que irá alcançar 50 mil servidores. [16]
  • Iniciou em parceria com a ONG Movimento Brasil Competitivo a terceira fase do Programa Modernizando a Gestão Pública no Município de São Paulo. [17]
  • Coordenou a reforma administrativa da Prefeitura de São Paulo e ajudou na implantação do MEI – Empreendedor Individual.
  • Em 2008 foi secretário especial de Desburocratização do Município de São Paulo, no qual implantou os programas de licenciamento de atividades pela Internet [18] e o De Olho na Obra. [19]
  • Foi Presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo entre os anos 2005 e 2007. Neste período, desenvolveu o Projeto de Consolidação da Legislação Paulista, organizando de forma sistemática toda a Produção Legal do Estado ao revogar mais de 17 mil leis que perderam sua eficácia. [20]
  • Em 2006, aos 32 anos, assumiu em caráter provisório o Governo do Estado de São Paulo, tornando-se o mais jovem Governador do Estado.
  • Foi eleito deputado estadual em 1998 e reeleito em 2002 e 2006, com 196.824 votos. Como parlamentar, criou o Código de Defesa do Contribuinte do Estado de São Paulo [21] e coordenou a Frente Parlamentar de Apoio à Micro e Pequena Empresa. [22]

Linha do Tempo[editar | editar código-fonte]

  • 1974 - Nasce em Tanabi (São Paulo)
  • 1992 - Ingressa na política como assistente-técnico na Câmara dos Deputados
  • 1995 - É nomeado secretário-adjunto da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo e membro do Conselho Administrativo da CODASP – Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo
  • 1997 - Assume a chefia de gabinete da Secretaria de Planejamento, da Prefeitura de São Paulo
  • 1999 - Aos 24 anos, é eleito deputado estadual por São Paulo
  • 2002 - É reeleito deputado estadual por São Paulo
  • 2005 - É eleito presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo
  • 2007 - Pela terceira vez consecutiva, é reeleito deputado estadual por São Paulo
  • 2009 - Licencia-se do cargo para comandar a Secretaria de Modernização, Gestão e Desburocratização, da cidade de São Paulo
  • 2010 - É eleito deputado federal por São Paulo
  • 2011 - Licencia-se do cargo para comandar a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, a convite do governador Geraldo Alckmin
  • 2013 - Assume a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, do Estado de São Paulo
  • 2014 - É reeleito deputado federal por São Paulo
  • 2015 - Assume a Secretaria da Habitação, do Estado de São Paulo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.