Rodrigo Pacheco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Rodrigo Pacheco
68° Presidente do Senado Federal do Brasil
Período 1 de fevereiro de 2021
até atualidade
Antecessor(a) Davi Alcolumbre
Senador por Minas Gerais
Período 1 de fevereiro de 2019
até atualidade
Deputado Federal por Minas Gerais
Período 1 de fevereiro de 2015
31 de janeiro de 2019
Dados pessoais
Nome completo Rodrigo Otavio Soares Pacheco
Nascimento 3 de novembro de 1976 (44 anos)
Porto Velho, RO, Brasil
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Marta Maria Soares Pacheco
Pai: Helio Cota Pacheco
Prêmio(s) Medalha do Pacificador[1]
Partido MDB (2009-2018)
DEM (2018-atualidade)
Profissão Advogado
Assinatura Assinatura de Rodrigo Pacheco

Rodrigo Otavio Soares Pacheco (Porto Velho, 3 de novembro de 1976) é um advogado e político brasileiro filiado ao Partido Social Democrático (PSD).[2] Senador por Minas Gerais, é o atual Presidente do Senado Federal do Brasil e do Congresso Nacional do Brasil.[3]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu na capital de Rondônia, Porto Velho, em 1976, mas foi criado na cidade de Passos, Minas Gerais, para onde seus pais, Helio Cota Pacheco e Marta Maria Soares Pacheco, retornaram depois de seu nascimento.

Formação, atividade profissional e associativa[editar | editar código-fonte]

Em Passos, estudou na Escola Estadual Wenceslau Braz e no Colégio Imaculada Conceição. Ainda muito jovem, mudou-se para Belo Horizonte, onde continuou seus estudos e iniciou sua carreira.

Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) no ano de 2000, especializou-se em direito penal econômico pelo Instituto Brasileiro de Ciências Econômicas Criminais (IBCCRIM), e atuou como advogado criminalista. Foi sócio do advogado Maurício de Oliveira Campos Junior num escritório várias vezes listado entre os mais admirados da área, que atuou em processos como os do Mensalão. Pacheco se desligou do escritório em 2016,[4][5][6][7] foi defensor dativo da Justiça Federal, membro do Conselho de Criminologia e Política Criminal do Estado de Minas Gerais, auditor do Tribunal de Justiça Desportiva, além de professor universitário.

Na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Rodrigo Pacheco foi conselheiro seccional por dois mandatos e presidente da Comissão de Defesa, Assistência e Prerrogativas dos Advogados. Em 2012, foi eleito Conselheiro Federal da OAB por Minas Gerais, sendo o mais jovem advogado a integrar o Conselho, defendendo a atuação da Ordem no sentido de inibir a corrupção na política e promover eleições limpas.[8] No Conselho Federal, foi também presidente da Comissão Nacional de Apoio aos Advogados em Início de Carreira.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Pacheco iniciou sua carreira política nas eleições de 2014, sendo eleito deputado federal para a 55.ª legislatura (2015-2019), pelo PMDB, com 92.743 votos.[9] Em seu primeiro mandato, passou a coordenar a bancada do PMDB, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde se tornou primeiro vice-presidente e depois presidente.[10]

Como deputado participou de importantes discussões na Câmara, votando favoravelmente aos processo de Impeachment de Dilma Rousseff, à PEC do Teto dos Gastos Públicos e à Reforma Trabalhista.[11] Em 2016, disputou a Prefeitura de Belo Horizonte, ficando em terceiro lugar com 10% dos votos, dando apoio à candidatura de João Leite (PSDB) no segundo turno.[12]

Presidente da CCJ[editar | editar código-fonte]

Em 23 de março de 2017, foi eleito presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados do Brasil, onde validou as assinaturas das "Dez Medidas Contra a Corrupção", reconhecendo que a proposta atendia os requisitos necessários para um projeto de iniciativa popular, o que permitiu com que tramitasse na Câmara. Em abril de 2017, votou na Reforma Trabalhista.[13][14]

Presidiu as sessões na CCJ onde foram votadas as denúncias contra Michel Temer. Apesar da pressão de seu partido, o MDB, foi elogiado por opositores pela imparcialidade na condução do processo,[15] e de traição, pela escolha do relator que deu parecer favorável as investigações contra Michel Temer.[16] Pacheco ainda criticou duramente a decisão do MDB de fechar questão à favor do Presidente Temer, quando o então presidente do partido, o senador Romero Jucá, ameaçou punir parlamentares que não votassem com o partido.[17][18] Na segunda denuncia, escolheu como relator Bonifácio Andrada, que deu parecer favorável à Temer, gerando uma crise no PSDB.[19] Nas votações no Plenário da Câmara, se absteve, baseando-se no fato de manter a imparcialidade como Presidente da CCJ, ambas denúncias acabaram sendo arquivadas.[20][21]

Senado[editar | editar código-fonte]

Pacheco com o Presidente da Câmara Arthur Lira (esquerda) e o Ministro da Saúde Marcelo Queiroga (direita), 2021.

Nas eleições de 2018, tentou se lançar como pré-candidato à Governador de Minas Gerais, mas enfrentando resistência de alas do MDB que preferiam outro nome ou apoiar a reeleição de Fernando Pimentel, acabou deixando o partido rumo ao Democratas.[22] Já no novo partido abriu mão da disputa pelo governo para apoiar a candidatura de Antonio Anastasia do PSDB.[23] Assim, Pacheco se candidatou ao cargo de Senador da República por Minas Gerais, sendo eleito na primeira colocação, com 3.616.864 votos, que corresponderam a 20,49% dos votos válidos.[24]

Em junho de 2019, votou contra o Decreto das Armas do governo, que flexibilizava porte e posse para o cidadão.[25]

Presidente do Senado Federal[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2021, foi indicado pelo seu partido para disputar a Presidência do Senado.[26] Foi eleito com 57 votos, derrotando Simone Tebet (MDB-MS), com apoio tanto do governo quanto da oposição.[15][27]

Referências

  1. «Boletim do Exército do Brasil de julho de 2019». Secretaria Geral do Exército do Brasil (pdf). Consultado em 10 de setembro de 2020 
  2. «Reportagem: Thaís Oyama - Pacheco, presidente do Senado, anunciará que irá concorrer à Presidência». noticias.uol.com.br. Consultado em 12 de julho de 2021 
  3. «Senador Rodrigo Pacheco - Senado Federal». www25.senado.leg.br. Consultado em 7 de julho de 2021 
  4. «Rodrigo Pacheco diz temer ditadura do judiciário». Correio do Vale do Rio Grande. 14 de fevereiro de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  5. «Conheça os Deputados: Rodrigo Pacheco». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  6. «Doutores dos Tribunais». Revista Encontro. 29 de agosto de 2011. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  7. Marques, José (7 de julho de 2017). «Advogado, presidente da CCJ integra defesa de condenado no mensalão». Folha de S. Paulo. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  8. «Choque de Ética». Folha da Manhã. 8 de fevereiro de 2014. Consultado em 8 de janeiro de 2018 
  9. «Minas Gerais - Deputado Federal - 1º Turno - Apuração - Eleições - 2014 - Especial - Poder - Folha de S.Paulo». Folha de S. Paulo. 25 de setembro de 2015. Consultado em 7 de julho de 2021 
  10. «Biografia do(a) Deputado(a) Federal RODRIGO PACHECO». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 7 de julho de 2021 
  11. «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». G1. 2 de agosto de 2017. Consultado em 7 de julho de 2021 
  12. Cipriani, Juliana (5 de outubro de 2016). «Rodrigo Pacheco oficializa apoio a João Leite na disputa pela Prefeitura de BH». Estado de Minas. Consultado em 7 de julho de 2021 
  13. Redação (27 de abril de 2017). «Reforma trabalhista: como votaram os deputados». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  14. Alencastro, Catarina (23 de março de 2017). «Peemedebista Rodrigo Pacheco é eleito presidente da CCJ da Câmara». Jornal O Globo. Consultado em 5 de janeiro de 2018 
  15. a b «Eleição no Senado: Rodrigo Pacheco, o candidato apoiado por Bolsonaro e pelo PT». O Globo. 17 de janeiro de 2021. Consultado em 6 de julho de 2021 
  16. «Acusado de rifar Temer, Pacheco busca sair da sombra de Alcolumbre». Folha de Pernambuco. 18 de janeiro de 2021. Consultado em 6 de julho de 2021 
  17. Caram, Bernardo (1 de agosto de 2017). «PMDB fechar questão contra denúncia de Temer é um 'erro', diz Rodrigo Pacheco». G1. Consultado em 6 de julho de 2021 
  18. Goulart, Amália (2 de agosto de 2017). «Aliado de Temer, Rodrigo Pacheco aponta erro do PMDB». Hoje em Dia. Consultado em 6 de julho de 2021 
  19. Shalders, André (10 de outubro de 2018). «Relator do PSDB dá parecer favorável a Temer; saiba o que acontece agora». BBC Brasil. Consultado em 6 de julho de 2021 
  20. «Câmara rejeita denúncia contra Temer; veja como foi a votação». Revista VEJA. 3 de agosto de 2017. Consultado em 7 de julho de 2021 
  21. «Veja como cada deputado votou a segunda denúncia contra Temer». Valor Econômico. 25 de outubro de 2017. Consultado em 6 de julho de 2021 
  22. Cipriani, Juliana (13 de março de 2018). «Rodrigo Pacheco deixa MDB e critica possível aliança com Pimentel». Estado de Minas. Consultado em 6 de julho de 2021 
  23. Trajano, Humberto (6 de agosto de 2018). «Um dia após convenção, Rodrigo Pacheco (DEM) desiste de disputar o governo de Minas». G1. Consultado em 7 de julho de 2021 
  24. «Rodrigo Pacheco, do DEM, e Carlos Viana, do PHS, são eleitos senadores por Minas Gerais». G1. 7 de outubro de 2018. Consultado em 9 de fevereiro de 2021 
  25. TEMPO, O. (18 de junho de 2019). «Veja como votou cada senador sobre decretos de porte e posse de armas». Politica. Consultado em 6 de janeiro de 2021 
  26. Machado, Renato (10 de janeiro de 2021). «Em reunião com líder do governo, Bolsonaro confirma apoio a candidato de Alcolumbre para o Senado». Folha de São Paulo. Consultado em 13 de janeiro de 2021 
  27. «Aliado de Bolsonaro, Pacheco se elege presidente do Senado no 1º turno». UOL. 1 de fevereiro de 2021. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Precedido por
Davi Alcolumbre
Senado Federal do Brasil (Flag).jpg
Presidente do Senado Federal do Brasil

2021 – atual
Sucedido por