Rodrigo de Haro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2019).
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rodrigo de Haro
Nascimento 6 de maio de 1939 (80 anos)
Paris
Residência Florianópolis
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Poeta, intelectual, pensador, mosaicista e artista multifacetado

Rodrigo de Haro (Paris, 6 de maio de 1939) é um poeta, intelectual, pensador, mosaicista e artista multifacetado brasileiro.

É filho do grande pintor clássico Martinho de Haro. Rodrigo nasceu em Paris e veio em 1939 para o Brasil. É membro da Academia Catarinense de Letras e, entre muitas obras plásticas que brotam de sua criatividade, um de seus trabalhos mais vistosos orna as paredes e a entrada da reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina. Suas obras podem ser vistas na Igreja de Santa Catarina de Alexandria, em homenagem a Santa Catarina de Alexandria, padroeira de Florianópolis, e também em mural na escola municipal Doutor Paulo Fontes na comunidade de Santo Antônio de Lisboa, em Florianópolis.

Na poesia tem sua obra associada ao surrealismo e ao conjunto de poetas que surgiu no início da década de 1960 em São Paulo, do qual podemos citar Roberto Piva, Claudio Willer, Carlos Felipe Moisés e Antonio Fernando de Franceschi dentre outros.

Publicações[editar | editar código-fonte]

Trinta poemas. São Paulo: Edição do autor, 1961.

Taça estendida, 1968.

Pedra elegíaca. Porto Alegre: Edições Flama, 1971.

Amigo da labareda.  Poesia.  São Paulo: Massao Ohno, 1991.

Mistério de Santa Catarina. Florianópolis: Athanor, 1992.

Porta. Florianópolis: Athanor, 1992.

Naufrágios. Florianópolis: Paralelo 27, 1993.

Caliban. Florianópolis: Athanor, 1995.

Livro da borboleta verde. Florianópolis: Fenasoft, 1998.

Andanças de Antônio. Florianópolis: Insular, 2005.

Ofícios secretos. Poesia hermética. Florianópolis: Insular, 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Lídio Martinho Calado
ACL - cadeira 35
Sucedido por


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.