Rogério Miranda de Almeida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rogério Miranda de Almeida
Professor Rogério Miranda de Almeida.png

Rogério Miranda de Almeida
Nascimento 9 de abril de 1953 (65 anos)
Crato, CE
Nacionalidade brasileira
Ocupação filósofo, teólogo, escritor e professor universitário
Influências
Magnum opus Nietzsche e o paradoxo
Principais interesses filosofia da linguagem, ética, antropologia filosófica, psicanálise, teologia sistemática
Página oficial
www.rogeriomirandadealmeida.com

Rogério Miranda de Almeida (Crato, 9 de abril de 1953) é um filósofo, teólogo, escritor e professor universitário brasileiro.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Rogério Miranda de Almeida [3] é filho de José Rogério de Almeida e de Nair Miranda Rogério. Cursou a escola primária em sua cidade natal, no Grupo Escolar Dom Quintino; o ginasial e até o segundo ano científico no Colégio Estadual Wilson Gonçalves. Em 1973 concluiu o terceiro ano científico no Colégio Diocesano do Crato. No mesmo ano, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde estudou o latim e o grego clássico. Cursou um ano de filosofia na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, em 1978. Na Pontifícia Universidade Católica de Campinas concluiu a licenciatura em filosofia, em 1985.[4] Na Universidade de Estrasburgo, na França, estudou teologia de 1986 a 1993, onde obteve os seguintes diplomas: bacharelado, licenciatura, mestrado, D. E. A. (Diplôme d'Études Approfondies), D. S. T. C. (Diplôme Supérieur de Théologie Catholique) e, finalmente, o doutorado, com uma tese intitulada: Nietzsche et le paradoxe.[5] Em 1997 doutorou-se em filosofia pela então Universidade de Metz, na França [6], que hoje pertence à Universidade de Lorraine.[7] O título de sua tese em filosofia foi: L'au-delà du plaisir: une lecture de Nietzsche et Freud.[8] De 1995 a 2003 foi professor de teologia e filosofia no Saint Vincent College, Latrobe, Pensilvânia, Estados Unidos.[9] Em 1997 foi convidado para lecionar filosofia no Pontificio Ateneo Santo Anselmo, em Roma e, a partir de 1999, passou também a lecionar teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana.[10] Em 2007 voltou para o Brasil, onde leciona desde então no programa de pós-graduação de filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, campus Curitiba.[11] Exerce igualmente a função de professor de filosofia na Faculdade São Basílio Magno (FASBAM) e de teologia sistemática no Studium Theologicum, ambos em Curitiba. [12]

Filosofia, teologia e psicanálise[editar | editar código-fonte]

Nos seus livros e artigos, assim como na sua atividade de professor, Rogério Miranda de Almeida acentua o caráter de inter-relação que, na sua concepção, existe entre a filosofia, a teologia e a psicanálise. Dando ênfase à questão da linguagem, da escrita, do desejo e, em última análise, do inconsciente, ele dialoga sobretudo com Platão, Santo Agostinho, Schopenhauer, Nietzsche, Kierkegaard, Freud e Lacan. Importante também é o papel que desempenha a literatura nos seus escritos, no sentido da expressão ou da interação dialética que se desenrola entre o pensar e o escrever. O seu pensamento se desenvolve, portanto, através do entre-dois, ou da letra, no sentido lacaniano do termo, que se apresenta como resistência, obstáculo e, ao mesmo tempo, como passagem ou manifestação do desejo que, na sua tensão fundamental, não cessa de se significar e de se simbolizar. No que diz respeito à reflexão teológica, os seus interesses se voltam principalmente para a teologia contemporânea e para o período da Patrística. Em Santo Agostinho, por exemplo, ele dá um especial enfoque à coincidência de intuições que intercorrem entre as análises agostinianas da linguagem, da memória e do desejo e aquilo que, sobre estas mesmas questões, será desenvolvido e explorado pelas teorias analíticas de Freud e Lacan. [13][14] Outro conceito de que constantemente se serve Rogério Miranda de Almeida para expressar esta multiplicidade de perspectivas, de releituras, de reinterpretações e ressignificações é o conceito de paradoxo. É paradoxal tudo aquilo que desperta perplexidade, resistência, angústia e gozo em virtude da impossibilidade mesma de se apreender, de maneira definitiva, o significante, ou o simbólico do real.[15]

Obras[editar | editar código-fonte]

Em francês[editar | editar código-fonte]

  • L'au-delà du plaisir: Une lecture de Nietzsche et Freud, Lille, Université de Lille III, 1998
  • Nietzsche et le paradoxe, Strasbourg, Presses Universitaires de Strasbourg, 1999

Em inglês[editar | editar código-fonte]

  • Nietzsche and Paradox, Albany, State University of New York Press, 1ª ed. 2006; 2ª ed. 2007

Em português[editar | editar código-fonte]

  • A memória, o esquecimento e o desejo, São Paulo, Ideias & Letras, 2016
  • Nietzsche e Freud: Eterno retorno e compulsão à repetição, São Paulo, Loyola, 2005
  • Nietzsche e o paradoxo, São Paulo, Loyola, 2005
  • Eros e Tânatos: A vida, a morte, o desejo, São Paulo, Loyola, 2007
  • A fragmentação da cultura e o fim do sujeito, São Paulo, Loyola, 2012

Em colaboração[editar | editar código-fonte]

  • Psicanálise em perspectiva VII: Estudos interdisciplinares em História e Filosofia da Psicanálise, Curitiba, CRV, 2018
  • Foucault e a destruição das evidências, Piracicaba, UNIMEP, 1995
  • Filósofos e terapeutas: Em torno da questão da cura, São Paulo, Escuta, 2007
  • Psicanálise em perspectiva, Curitiba, CRV, 2009
  • Psicanálise em perspectiva II, Curitiba, CRV, 2010
  • As linguagens da condição humana, Palhoça, UNISUL, 2010
  • Natureza humana em movimento: Ensaios de antropologia filosófica, São Paulo, Paulus, 2012
  • Filosofia e educação: Aproximações e convergências, Curitiba, Círculo de Estudos Bandeirantes, 2012
  • Um olhar filosófico sobre a religião, Aparecida, Ideias & Letras, 2012
  • Espiritualidade, Saúde e Cultura: A Teologia nas Fronteiras, Curitiba, Juruá Editora, 2016
  • Pluralismo na psicanálise, Curitiba, PUCPRESS, 2016
  • Átropos: Escritos sobre morte, vida e pulsão, Curitiba, CRV, 2018


Referências

  1. «Filósofos Brasileiros - Sócrates e Filosofia | Cultura - Cultura Mix». cultura.culturamix.com. Consultado em 19 de dezembro de 2017. 
  2. OpenLibrary.org. «Rogério Miranda de Almeida». Open Library. Consultado em 19 de dezembro de 2017. 
  3. «Rogério Miranda de Almeida». Biografia 
  4. «Rogério Miranda de Almeida - Filósofo, Teólogo e Escritor». www.rogeriomirandadealmeida.com. Consultado em 28 de dezembro de 2017. 
  5. Marcel, Metzger, (1994). «Chronique : Vie de la faculté». Revue des Sciences Religieuses (em francês). 68 (2) 
  6. «Sobre o Professor». PUC-PR 
  7. «Université de Metz». Wikipédia (em francês). 2 de fevereiro de 2017 
  8. «Catalogue SUDOC». www.sudoc.abes.fr. Consultado em 29 de dezembro de 2017. 
  9. «Rogério Miranda de Almeida - The Brazilian Network of Science for Education - Rede Cpe». The Brazilian Network of Science for Education - Rede Cpe (em inglês) 
  10. «Rogério Miranda de Almeida». Escavador 
  11. «Rogério Miranda de Almeida - Autores no SKOOB». www.skoob.com.br. Consultado em 19 de dezembro de 2017. 
  12. Entrevista com o Prof. Rogério Miranda de Almeida
  13. Entrevista com o Prof. Rogério Miranda de Almeida
  14. Mendonça, Samuel (11 de dezembro de 2017). «Esquecer-se e lembrar-se: o desejo em questão». Natureza Humana - Revista Internacional de Filosofia e Psicanálise. 19 (2). ISSN 2175-2834 
  15. «Nietzsche and Paradox». www.goodreads.com. Consultado em 27 de dezembro de 2017. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]