Roger Chartier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Roger Chartier
Roger Chartier en una conferencia en Praga, en 2011.
Nascimento 9 de dezembro de 1945 (75 anos)
Lyon
Cidadania França
Alma mater
  • Faculdade de Artes de Paris
  • Collège-lycée Ampère
  • École normale supérieure de Saint-Cloud
Ocupação cultural historian, professor, book historian, professor universitário
Prêmios
  • Prêmio Gobert (1992)
  • honorary doctor of the University of Neuchâtel (2012)
  • doutor honoris causa na Universidade Laval
  • Cavaleiro da Legião de Honra
  • doutoramento honoris causa da Universidade Nacional de Rosário
  • honorary doctorate of Carlos III University
Empregador École des hautes études en sciences sociales, Collège de France, Universidade Paris 1 Panthéon-Sorbonne, Universidade da Pensilvânia, France Culture

Roger Chartier (Lyon, 9 de dezembro de 1945)[1] é um historiador francês vinculado à quarta geração da Escola dos Annales. É atuante no campo da história cultural e reconhecido por seus trabalhos sobre a história do livro, da edição e da leitura.

Chartier é professor emérito no Collège de France e professor catedrático da Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais, na França. É, também, professor visitante na Universidade da Pensilvânia nos Estados Unidos.[2]

Recebeu, em 1990, o prêmio da Associação Americana de História da Imprensa e o Prêmio Gobert de História da Academia Francesa, em 1992.[1]

Dentre suas distinções acadêmicas estão o título de Doutor honoris causa na Universidad Carlos III de Madrid, o título de Fellow da British Academy e a presidência do Conselho Científico da Biblioteca Nacional da França.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em 1945, em Lyon, filho de uma família operária. Formou-se professor e historiador simultaneamente pela Escola Normal Superior de Saint Cloud e na Universidade de Sorbonne, no ano de 1969.[1]

Ao longo da décade de 1970 foi professor de história moderna na Universidade de Sorbonne, Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais (EHSS), na frança e Fellow da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos.[1]

Foi diretor da EHSS entre os anos de 1984 e 2006 e, a partir de 2007, professor catedrático do Collège de France, na disciplina "Escritos e culturas na Europa Moderna".[1] Além disso, foi professor visitante em uma série de Universidades:

Contribuição teórica[editar | editar código-fonte]

Roger Chatier estuda a história da cultura e dos livros, a trajetória da leitura e da escrita como práticas sociais.

Uma das contribuições decisivas de Roger Chartier para a História Cultural, está relacionada à elaboração das noções complementares de “práticas” e “representações”. De acordo com este horizonte teórico, a cultura (ou as diversas formações culturais) poderia ser examinada no âmbito produzido pela relação interativa entre estes dois pólos. Assim, "tanto os objetos culturais seriam produzidos 'entre práticas e representações', como os sujeitos produtores e receptores de cultura circulariam entre estes dois pólos, que de certo modo corresponderiam respectivamente aos ‘modos de fazer’ e aos ‘modos de ver’"[3] Por fim, uma terceira noção importante desenvolvida por Roger Chartier foi o conceito de "apropriação", que formulou as bases para uma Nova História Cultural.[3]

O conceito de representação[editar | editar código-fonte]

Dentro do campo da história, uma das contribuições de Roger Chartier foi a sua formulação do conceito de representação. O historiador ofereceu uma nova maneira de interpretar os processos históricos que ficou conhecida como "história cultural do social". Produzir uma história cultural dos fenômenos sociais significa, segundo Chartier, realizar uma investigação sobre as formas pelas quais os indivíduos e grupos constroem um sentido para os fatos históricos e, de uma maneira geral, para o mundo, a realidade.[4][5][6]

Para Chartier, a representação é o instrumento pelo qual um indivíduo, ou um grupo de indivíduos, constroem significados para o mundo social. É um processo de significação intencional, carregado de interesses, que corresponde a uma determinada estratégia de um agente social ou de um grupo social. Construir representações é tanto uma prática cultural, quanto sociopolítica. A representação, de acordo com essa teoria, é um componente essencial dos discursos. Tais discursos nunca são neutros ou isentos: são práticas sociais dotadas de intencionalidade e correspondem a interesses específicos.[4][5][6]

A relação entre a representação (imagem ou significado construída/o) e o referente (a realidade, o mundo social) comporta uma equivalência admitida pelo indivíduo ou grupo social que efetua este processo de significação. Afinal, o objetivo de criar uma representação é fazer que algo ou alguém seja conhecido tal como ele é ou foi. Ou seja, há nesta relação uma pretensão de atingir e de trazer à luz a verdade. Entretanto, Chartier não considera a representação como um retrato fiel da realidade, mas sim resultado de um processo social de construção das representações.[4][5][6]

A disputa pelo sentido de determinado fato ou personagem histórico pode ocasionar, segundo Chartier, lutas de representações. Estas lutas não apenas culturais, mas também políticas, giram em torno da busca pela legitimação de determinado significado.[4][5][6]

Distinções[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • 1990: Prêmio da Associação Americana de História da Imprensa.
  • 1992: Prêmio Gobert da Academia Francesa.[1]

Títulos[editar | editar código-fonte]

  • Fellow da Academia Britânica
  • Doutor Honoris Causa da Universidade Carlos-III de Madrid, Espanha.
  • Presidente do Conselho Científico da Biblioteca Nacional da França.
  • Doutor Honoris Causa da Universidade de Santiago do Chile.[1]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h College de France. «Roger Chartier - Biographie». www.college-de-france.fr (em francês). Consultado em 24 de maio de 2021 
  2. a b Díaz, Manuel Peña (2010). Entrevista con Roger Chartier. Álabe - Revista de la Red de Universidades Lectoras. (em português)
  3. a b Barros, José D’Assunção (1 de janeiro de 2005). «História cultural e história das idéias». Cultura (vol. 21): 259–286. ISSN 0870-4546. doi:10.4000/cultura.3353. Consultado em 24 de maio de 2021 
  4. a b c d CARVALHO, Francismar Alex Lopes de. O conceito de representações coletivas segundo Roger Chartier. Diálogos, Maringá, v. 9, n. 1, p. 143-165, 2005.
  5. a b c d MACHADO, Franciele. Roger Chartier e a noção de representação: definições, diálogos e contexto historiográfico francês no século XX. In: Anais do 8º Seminário Brasileiro de História da Historiografia - Variedades do discurso histórico: possibilidades para além do texto. Ouro Preto: EDUFOP, 2014.
  6. a b c d SANTOS, Dominique Vieira Coelho dos. Acerca do conceito de representação. Revista de Teoria da História, Goiás, ano 3, n. 6, p. 27-53, Dez./2011.