Romance de costumes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O romancista francês Honoré de Balzac foi um fundador do realismo literário, de qual o romance de costumes é um subgênero.

Um romance de costumes é uma obra de ficção que recria um mundo social, levando com minuciosa observação detalhada aos costumes, valores, e morais de uma sociedade complexa e altamente desenvolvida.

As convenções para a sociedade dominam a história, e os personagens são diferenciados pelo degrau para o qual eles medem acima para o padrão uniforme, ou ideal, de comportamento ou queda diante disso. O escopo de um romance de costumes pode ser particular, como nas obras de Jane Austen, quais lidam com os assuntos domésticos da nobreza desembarcada inglesa do século XIX, ou geral, como nos romances de Balzac, quais espelham o século XIX nas histórias lidando com a vida parisiense, vida provincial, vida privada, vida pública, vida militar.

Escritores notáveis do romance de costumes do fim do século XIX para o século XX incluem Henry James, Evelyn Waugh, Edith Wharton, e John Marquand.[1]

Plano de fundo[editar | editar código-fonte]

As páginas-título ilustradas do volume II, Quarta Edição do romance Evelina: Or the History of a Young Lady's Entrance into the World (1779), por Frances Burney.

Livros e notas neste período, instruindo um como se comportar na sociedade são incontáveis. Em particular, as cartas de Lorde Chesterfield para seu filho são um excelente exemplo para qualquer um que se preocupa com a propriedade. Ele instrui seu filho para se engajar na sociedade de uma maneira agradável, qual inclui anular assuntos possivelmente ofensivos ou polêmicos, falando em tons pacíficos e adquirindo uma postura equilibrada, tudo em consideração para a companhia em que se encontra. Essa obsessão com a conduta social apropriada gerou uma onda de romances preocupados com esse tipo de comportamento. Em 1778, Frances Burney escreveu Evelina, um romance cujo enredo inovador e tratamento das maneiras contemporâneas fizeram disso um marco no desenvolvimento do romance de maneiras.[2] O comportamento social em contextos públicos e privados relata por muito do enredo de Evelina. Isso é refletido em outros romances que foram mais altamente popularizados no início do século XIX. Os romances de Jane Austen são talvez as obras mais reconhecíveis no gênero. Por causa das obras de Austen, o romance de maneiras está associado principalmente com o início do século XIX.

Relação à ficção gótica[editar | editar código-fonte]

A ascensão da importância do comportamento social não tinha ido despercebido por Horace Walpole, o inventor amplamente creditado da ficção gótica. O conhecimento de Walpole sobre Chesterfield e a importância das maneiras talvez influenciou não apenas seu trabalho, mas também foi transportado para os romances de outros autores apelidados de "góticos". Walpole escreveu o que geralmente é aceito como o primeiro romance gótico durante a vida de Chesterfield, O Castelo de Otranto, em 1764. É teorizado que o surgimento do romance de maneiras como um gênero completo estava em retaliação a ascensão da popularidade do romance gótico.

Essa emergência quase simultânea do romance de maneiras e do romance gótico levou para um cruzamento de características entre os gêneros. A principal ligação entre o romance de costumes e o romance gótico é a linguagem dos costumes. Em ambos os casos, as maneiras sociais e morais são fatores dominantes na estrutura do romance. No romance gótico, a diferença mais marcante é o sobrenatural ou a indicação de eventos sobrenaturais. Entretanto, muitos dos personagens costumam estar tão abaixo do nível aceito de comportamento social que isso é considerado horrível. Outra característica que difere do romance de maneiras é o resultado do romance. Na ficção gótica, o resultado não é sempre o reforço positivo da moral que o romance de maneiras oferece. Um exemplo desse final moralmente anticlimático seria o Zofloya de Charlotte Dacre.

Outra teoria para o surgimento e crescimento do romance de maneiras é que as mudanças tomando lugar na sociedade inglesa estavam corroendo os limites de classe. Mudanças na hierarquia social estavam tomando lugar devido aos saltos na tecnologia e o romance de maneiras era um caminho de comentar os desafios acima da ordem de classe tradicional. As diferentes classes representadas nos romances serviram para representar como as diferentes classes da sociedade deveriam se comportar em diferentes contextos. Isso inclui público versus privado, rural versus urbano e cenários em que havia homens versus mulheres. Esse contraste entre os sexos destaca o fato de que havia muito mais mulheres autoras de romances de maneiras do que homens. Isso trouxe o foco de muitos desses romances para as questões e convenções sociais que atormentavam as mulheres da época.

Obras notáveis[editar | editar código-fonte]

Romances de costumes em inglês incluem:

Século XVIII
Século XIX
Século XX

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Andrzej Diniejko (2004). Introduction to the Study of Literature. Kielce: Wydawnictwo Akademii Swietokrzyskiej 
  • Novel Beginnings: Experiments in 18th century English Fiction

Patricia Meyer Spacks Yale Guides to English Literature U.S. 2006

  • Lord Chesterfield's Letters

Lord Chesterfield, Introduction and Notes by David Roberts Oxford University Press Great Clarendon Street, Oxford 1992

  • The Castle of Otranto

Horace Walpole Oxford University Press Great Clarendon Street, Oxford 1996

  • Zofloya

Charlotte Dacre Oxford University Press Great Clarendon Street, Oxford 1997

  • Evelina

Frances Burney Oxford University Press Great Clarendon Street, Oxford 2006