Romeu Correia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Romeu Correia
Romeu Correia.
Nome completo Romeu Henrique Correia
Nascimento 17 de novembro de 1917
Almada, Portugal
Morte 12 de junho de 1996 (78 anos)
Almada, Portugal
Nacionalidade Portugal Português
Cônjuge Almerinda Correia
Ocupação Escritor, dramaturgo e desportista
Prémios Prémio da Crítica (1962)

Prémio Casa da Imprensa (1962)
Prémio Ricardo Malheiros (1976)
Prémio de Teatro 25 de Abril (1984)

Magnum opus Vagabundo das Mãos de Oiro

Romeu Henrique Correia (Cacilhas, Almada, 17 de Novembro de 1917 - Almada, Almada, 12 de Junho de 1996) foi um escritor, dramaturgo e desportista português. Em Almada, cidade onde nasceu e viveu, existe o Fórum Municipal Romeu Correia, espaço cultural inaugurado em 1997 onde se concentram a Biblioteca Municipal e o Auditório Fernando Lopes-Graça. Na freguesia de Feijó, existe a Escola Secundária Romeu Correia e no Núcleo Histórico de Almada (Rua Leonel Duarte Ferreira, Almada Velha) pode ser encontrado um painel em azulejo alusivo à sua obra literária da autoria de Louro Artur.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Romeu Correia foi escritor e dramaturgo autodidacta. Colaborou em várias publicações, das quais se destacam o Suplemento Cultural de O Comércio do Porto, Vértice, Sílex ,Jornal Record entre outras.

Destacou-se como ficcionista e dramaturgo, inserindo-se inicialmente na corrente Neorrealista. As suas obras são marcadas por uma forte ligação às fontes da literatura oral popular e decorrem frequentemente em ambientes como os do circo, das feiras, do teatro de fantoches ou outros grupos marginais à sociedade. A estas características aliam-se, porém, técnicas dramáticas do teatro de vanguarda. Foi, nos últimos anos da sua vida, o dramaturgo mais representado por grupos amadores de teatro em Portugal.

Além da carreira literária, Romeu Correia foi atleta de competição em atletismo e campeão de boxe amador. Casou em outubro de 1942 com Almerinda Correia, uma futura campeã nacional de Atletismo, da qual foi treinador. Sob o seu treino, na década de 40, Almerinda Correia chegou a ser, por cinco vezes, campeã nacional e, por outras seis, campeã da região de Lisboa em atletismo, nas modalidades de lançamento do peso, disco e dardo.

A sua obra foi distinguida com alguns prémios literários, entre os quais o Prémio da Crítica (1962), pela peça Vagabundo das Mãos de Oiro, o Prémio da Casa da Imprensa - Óscares da Imprensa (1963 e 1972), pelas peças Vagabundo das Mãos de Oiro e Roberta, respetivamente, o Prémio de Teatro da Imprensa Regional (1965), pela peça Bocage, o Prémio Académico Ricardo Malheiros pela Academia das Ciências de Lisboa (1976), pelo livro de contos Um Passo em Frente, e o Prémio de Teatro 25 de Abril da Associação Portuguesa de Críticos de Teatro (1984). Em 1972, numa atitude de coragem, Romeu Correia recusou o Prémio Alfredo Cortês conferido pelo S.N.I (Secretariado Nacional de Informação).

De todos os seus romances, como Trapo Azul (1948), Calamento (1950), Gandaia (1952), Desporto Rei (1955), Tritão (1982) ou Cais do Ginjal (1989), é Bonecos de Luz (1961) o seu romance mais consagrado, incluído por diversas vezes em manuais escolares do 1.º e 2.º ciclos, chegou a ser obra de leitura recomendada para o liceu, e foi alvo de adaptações para cinema que não chegaram a se concretizar. Em 2017, Bonecos de Luz foi adaptado para teatro pela Companhia de Teatro de Almada, com encenação de Rodrigo Francisco.

Escreveu contos, romances e biografias mas foi no teatro que deixou a maior marca. Casaco de Fogo (1953), levado à cena pelo Teatro Nacional, Céu da Minha Rua[ligação inativa] (1955); Laurinda (1956), Sol na Floresta (1957), Bocage (1965); Jangada (1966), Amor de Perdição (1966), a partir do romance de Camilo Castelo Branco, O Vagabundo das Mãos de Ouro (1960), encenado pelo Teatro Experimental do Porto, O Cravo Espanhol (1970), levado à cena pelo Teatro Nacional, Roberta (1971), Grito no Outono (1982), O Andarilho das Sete Partidas (1983) e A Palmatória (1995) são os grandes destaques na dramaturgia de Romeu Correia. Algumas das suas peças foram transmitidas na RTP, com destaque para Céu da Minha Rua[ligação inativa] , a 4 de novembro de 1958, que contou com Amália Rodrigues a estrear como atriz na televisão.

A sua peça Tempos Difíceis (1982), originalmente intitulada Rectaguarda, foi encenada por Joaquim Benite no início dos anos 80 e levada ao palco pela Companhia de Teatro de Almada (antigo Grupo de Teatro de Campolide), com mais de cem representações. Fizeram parte do elenco nomes como Canto e Castro, Ema Paul e António Assunção. Em maio de 2016, a peça O Cravo Espanhol foi levada à cena pelo grupo Teatro da Terra, em Ponte Sor, com encenação de Maria João Luís.

O livro biográfico José Bento Pessoa (biografia,1974) foi reeditado em 2008, e posteriormente em 2013, com os apoios do Casino Figueira e do Arquivo Histórico do Ginásio Clube Figueirense.

Algumas das obras de Romeu Correia foram traduzidas para chinês, húngaro, checo, alemão, russo, polaco e italiano. A peça Vagabundo das Mãos de Oiro (1960) está traduzida em alemão, húngaro e italiano. O conto A Relva e o Ovo (integrado no livro de contos Um Passo em Frente, de 1976, e pelo qual o escritor recebeu o Prémio Ricardo Malheiros) está traduzido para russo assim como a peça Casaco de Fogo (1953).

Antologia teatral em italiano com a tradução da peça O Vagabundo das Mãos de Ouro.

A farsa poético-política O Vagabundo das Mãos de Oiro (1960) foi traduzida para alemão em 1978, integrando a antologia teatral Dialog Stücke aus Portugal: Santareno, Coutinho, Rebello, Correia (Berlim, 1978). Em 1980, foi a vez de uma tradução húngara desta peça, incluída na antologia teatral Az ​aranykezű csavargó - Mai portugál drámák. Considerada por muitos a obra prima do autor, a mesma peça recebeu em 2001 uma tradução para italiano com inclusão na antologia Teatro Portoghese del XX Secolo, autoria de Sebastiana Fadda e com publicação pela Bulzoni Editore.

A sua obra foi por algumas vezes alvo de estudo académico, como são exemplos a Universidade de Cardiff - Reino Unido ou Universidade de Paris-Sorbonne. Também em 1996, na Universidade de Grenoble (França) foi concluída uma tese sobre a sua obra. Durante a sua vida, Romeu Correia foi sócio honorário de várias colectividades de cultura e recreio, um pouco por todo o país.

A sua biografia pode ser encontrada em vários dicionários de autores internacionais como The International Authors and Writers Who's Who (Cambridge-Inglaterra); Who's who in the World (Chicago- Estados Unidos); Who's Who in Europe (Amesterdão - Holanda); ou Dictionary of International Biography (Cambridge - Inglaterra).

Antologia teatral em alemão com a tradução da peça O Vagabundo das Mãos de Ouro.
Antologia teatral em húngaro com a tradução da peça O Vagabundo das Mãos de Ouro.

Destaques Desportivos[editar | editar código-fonte]

1936 - Campeão de Lisboa no Lançamento do Peso (principiantes - marca: 13,51m)

1936 - Campeão Nacional de Lançamento do Peso (Juniores)

1937 - Campeão Escolar no Lançamento do Peso

1938 - Vencedor da Estafeta Olímpica 300 X 400 X 200 X 100 metros

1940 - Campeão de Lisboa no Lançamento do Peso

1943 - Campeão Regional de Lançamento do Peso (marca: 13,66 m)

1943 - Campeão Nacional de Lançamento do Peso (marca: 13,67 m)

1943 - Campeão Nacional de Lançamento do Dardo

1944 - Campeão de Lisboa no Lançamento do Peso

1945 - Campeão Nacional de Lançamento do Peso

1945 - Campeão Nacional de Lançamento do Dardo

Durante três anos, Romeu Correia fez pugilismo no Clube Desportivo Lisgás. Disputou 18 combates e venceu 17, oito deles por KO.

Nota: Em 1938 o atleta António Calado foi selecionado para representar Portugal nos Campeonatos da Europa de Atletismo, em Paris. Para ajudar o colega a angariar dinheiro para as deslocações, Romeu Correia fez várias exibições de cultura física e boxe num circo ambulante.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Os Gregos (conto, 1942);
  • Sábado sem Sol (contos, 1947);
  • Trapo Azul (romance, 1948);
  • Calamento (romance, 1950);
  • Gandaia (romance, 1952);
  • Casaco de Fogo (teatro, 1953);
  • Desporto-Rei (romance, 1955);
  • Céu da minha rua (Isaura) (teatro, 1955);
  • Sol na Floresta (teatro, 1957);
  • O Vagabundo das Mãos de Oiro (teatro, 1960);
  • Bonecos de Luz (romance, 1961);
  • Laurinda (teatro, 1964);
  • Bocage (teatro, 1965);
  • Jangada (teatro, 1966);
  • Amor de Perdição (teatro, 1966)
  • 3 Peças de Romeu Correia: Laurinda, Sol na Floresta e Céu da minha rua (teatro, 1968);
  • O Cravo Espanhol (1970);
  • Roberta (1971);
  • Francisco Stromp (biografia, 1973);
  • José Bento Pessoa (biografia, 1974);
  • Um Passo em Frente (contos, 1976);
  • Os Tanoeiros (nova versão de Gandaia) (romance, 1976);
  • Homens e Mulheres Vinculados às Terras de Almada - nas artes nas letras e nas ciências (monografia histórica, 1978);
  • As Quatro Estações (teatro, 1981)
  • Jorge Vieira e o Futebol do seu tempo (biografia, 1981)
  • Tempos Difíceis (teatro, 1982);
  • O Tritão (romance, 1982);
  • Grito no Outono (teatro, 1982);
  • O Andarilho das 7 Partidas (teatro, 1983);
  • O Passado e Presente do Movimento Associativo (ensaio, 1984);
  • O Arrobas (conto, 1985);
  • O 23 de Julho (narrativa/ensaio histórico, 1986)
  • Portugueses na V Olimpíada (ensaio, 1988);
  • Cais do Ginjal (novela, 1989);
  • Academia Almadense: Memória de 100 Anos (monografia histórica, 1995);
  • Palmatória (1995);
  • Comédia de Maus Costumes (teatro, 2017).


Em 2021, sob a chancela da Editora Colibri, foram reeditadas duas obras suas com os apoios da Câmara Municipal de Almada e da Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo: Cais do Ginjal, novela originalmente lançada em 1989, e Calamento, um romance editado em 1950.

Obras (não editadas)[editar | editar código-fonte]

  • As Cinco Vogais (teatro, 1951) – A peça foi publicada na revista de arte moderna «Sul», de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, em 1951;
  • Desporto-Rei (teatro, 1951);
  • Esta Lisboa que eu Amo (teatro de revista em colaboração com Bernardo Santareno, 1958);
  • A Gula (teatro, 1969) ;
  • Rosa do Adro (adaptação para teatro, 1971) ;
  • A Vaga (teatro, 1977) - A peça foi publicada na revista «Vértice», vol. 37, n.º 392-93, janeiro-fevereiro, pp. 56-67, em 1977.
  • Tempos Difíceis (teatro, 1982).

Obras sobre Romeu Correia[editar | editar código-fonte]

  • Romeu Correia, O Homem e o Escritor / de Alexandre Flores (biografia, 1987);
  • Romeu Correia, Memória Viva de Almada / de Alexandre Castanheira (ensaio, 1992);
  • Anais de Almada n.º1, Câmara Municipal de Almada, (1998);
  • Passeio Mágico com Romeu Correia / de Luís Milheiro (biografia, ficção, ensaio, 2017);
  • Romeu Correia: Antologia Temática e Abordagem à sua Obra Literária / de Edite Condeixa (antologia, ensaio, 2017).

Prémios Literários

  • Prémio Jogos Florais Acelistas - Torres Vedras (1942) - pelo conto Os Gregos
  • Prémio da Crítica (1962) - pela peça Vagabundo das Mãos de Oiro
  • Prémio de Honra Óscares da Imprensa (1963) - pela peça Vagabundo das Mãos de Oiro
  • Prémio de Teatro das Páginas Culturais da Imprensa Regional (1965) - pela peça Bocage
  • Prémio de Teatro Óscares da Imprensa - Casa da Imprensa (1972) - pela peça Roberta
  • Prémio Académico Ricardo Malheiros da Academia das Ciências de Lisboa (1976) - pelo livro de contos Um Passo em Frente
  • Prémio de Teatro 25 de Abril da Associação de Críticos de Teatro (1984)

Nota: Romeu Correia recusou em 1972 o Prémio Alfredo Cortez conferido pelo S.N.I.

Outras Informações

Uma fotografia de Romeu Correia e da esposa Almerinda Correia, durante um treino desportivo, pode ser encontrada na capa e no booklet do álbum Tascabeat - O Sonho Português pelo grupo OqueStrada (1.ª edição, 2009).

Romeu Correia, fotografado em 1949 por Fernando Lemos, é um dos elementos da exposição «Fernando Lemos: Para um retrato coletivo em Portugal, no fim dos anos 40», patente no Centro Cultural de Belém de 26 de outubro de 2016 a 2 de abril de 2017, com curadoria de Pedro Lapa.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]