Ron Klain

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ronald Klain
Chefe de Gabinete da Casa Branca
Período 20 de janeiro de 2021 até a atualidade
Presidente Joe Biden
Antecessor(a) Mark Meadows
Coordenador de Resposta à Ebola da Casa Branca
Período 22 de outubro de 2014
a 15 de fevereiro de 2015
Presidente Barack Obama
Chefe de Gabinete do Vice-presidente dos Estados Unidos
Período 20 de janeiro de 2009
a 14 de janeiro de 2011
Vice-Presidente Joe Biden
Antecessor(a) David Addington
Sucessor(a) Bruce Reed
Dados pessoais
Nome completo Ronald A. Klain
Nascimento 8 de agosto de 1961 (61 anos)
Indianapolis, Estados Unidos
Alma mater Universidade Georgetown
Universidade Harvard
Esposa Monica Medina
Filhos 3
Partido Democrata

Ronald A. Klain (8 de agosto de 1961) é um consultor político americano, ex-lobista, político e advogado. Membro do Partido Democrata, foi chefe de gabinete de dois vice-presidentes dos Estados Unidos: Al Gore (1995–1999) e Joe Biden (2009–2011). Depois de casos relatados do vírus Ébola nos Estados Unidos, ele foi nomeado por Barack Obama para servir como Coordenador de Resposta ao Ébola da Casa Branca no final de 2014, atuando no início de 2015.[1]

No início de 2020, ele juntou-se à campanha presidencial de Biden como conselheiro sénior. Após a vitória, o presidente eleito Joe Biden anunciou que Ron Klain serviria como Chefe de Gabinete da Casa Branca em 12 de novembro.[2][3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Escriturário e Capitol Hill[editar | editar código-fonte]

Klain foi um caixeiro de lei para a Suprema Corte de Justiça Byron White durante os 1987 e 1988 termos. De 1989 a 1992, ele atuou como Conselheiro Chefe do Comité Judiciário do Senado dos Estados Unidos, supervisionando o trabalho da equipe jurídica em questões de direito constitucional, direito penal, e nomeações para a Suprema Corte, incluindo a de 1991 de Clarence Thomas para a Suprema Corte. Ele atuou como diretor legislativo dos EUA Ed Markey (D – MA).[4] Em 1995, o senador Tom Daschle o nomeou Diretor de Equipe do Comité de Liderança Democrática do Senado.[5]

Administração Clinton[editar | editar código-fonte]

Klain ingressou na campanha Clinton-Gore em 1992 onde esteve envolvido em ambas as campanhas presidenciais de Bill Clinton.[6] Ele supervisionou as nomeações judiciais de Clinton. Na Casa Branca, Klain foi Conselheiro Associado do Presidente, direcionando esforços das seleções judiciais e liderar a equipe para a confirmação da Suprema Corte de Justiça Ruth Bader Ginsburg. Em 1994, ele tornou-se chefe de gabinete e conselheiro da procuradora-geral Janet Reno e, em 1995, chefe de gabinete de Al Gore.[7]

Administração Obama 2008–2015[editar | editar código-fonte]

Em 12 de novembro de 2008, Roll Call anunciou que Klain havia sido escolhido para servir como Chefe de Gabinete do Vice-Presidente Joe Biden , a mesma função que ele serviu para Gore.[8][9]

Klain havia trabalhado com Biden, tendo atuado como advogado no Comité do Senado dos Estados Unidos sobre o Judiciário, enquanto Biden presidia o comité e auxiliava a equipe de redação dos discursos de Biden durante a campanha presidencial de 1988.

Klain foi mencionado como um possível substituto para o chefe de gabinete da Casa Branca, Rahm Emanuel,[10] mas optou por deixar a Casa Branca, por um cargo no setor privado em janeiro de 2011.[11]

Em 2011, a meio de preocupações sobre se a agora extinta empresa de painéis solares Solyndra era viável, Klain aprovou uma visita de Obama, afirmando: "A realidade é que se POTUS visitou 10 desses lugares nos próximos 10 meses, provavelmente alguns serão barriga -up até o dia das eleições de 2012."[12] Em 17 de outubro de 2014, Klain foi nomeado o " coordenador da resposta ao Ebola ", às vezes referido como "czar" do Ébola. Embora Klain, de acordo com Julie Hirschfeld Davis escrevendo no The New York Times, não tivesse "nenhum registro ou experiência em Ébola, ou mesmo, especificamente em saúde pública no modo geral", a escolha foi elogiada por Ezra Kleinpor sua experiência burocrática com agências de coordenação.[13][14] O seu mandato como coordenador de resposta ao Ébola terminou em fevereiro de 2015.

Desde que deixou a administração Obama, Klain trabalhou como consultor externo para o Fundo de Ameaças Globais da Skoll Foundation,  e é vice-presidente executivo e conselheiro geral da empresa de investimentos Revolution LLC.

Administração Biden[editar | editar código-fonte]

Durante a campanha de Biden de 2020, Klain atuou como consultor na pandemia de Covid-19.[15] Em abril de 2020, ele disse à Wired: "Se vamos fazer o Covid-19 desaparecer, precisaremos de uma taxa de vacinação muito alta. O desafio número um da saúde pública de 2021 será levar as pessoas tomar a vacina".[15]  A 11 de novembro de 2020, foi anunciado que o presidente eleito Joe Biden havia selecionado Klain para ser o Chefe de Gabinete da Casa Branca.[16][17]

Klain recebeu elogios pelas suas habilidades organizacionais e pela sua capacidade de resposta ao servir como chefe de gabinete do presidente Biden, ao mesmo tempo em que recebeu críticas por estar excessivamente preocupado com a opinião da elite, como refletido na sua presença ativa no Twitter, e por estar muito alinhado com o bloco mais à esquerda do seu partido. Durante o primeiro ano no cargo, Klain usou o Twitter, dizendo: "Acho que estar no Twitter é útil como um sistema de alerta antecipado de coisas que, para ser honesto, os repórteres estão falando". Também usa a plataforma para mirar nos críticos e divulgar mensagens pró-Biden.[18]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

É casado com Monica Medina, advogada, consultora e cofundadora do Our Daily Planet, uma plataforma de notícias ambientais. Eles eram namorados no tempo da faculdade em Georgetown e em fevereiro de 2019 ele twittou que estavam comemorando o seu 40º Dia dos Namorados juntos. Eles têm três filhos adultos, Hannah, Michael e Daniel.[19][20]

Em divulgações financeiras, Klain relatou possuir ativos no valor entre 4,4 milhões de dólares e 12,2 milhões de dólares em 2021, em comparação com1,4 milhão e 3,5 milhões de dólares em 2009. Ele recebeu um salário de quase 2 milhões de dólares em 2020 da empresa de capital de risco Revolution LLC, onde atuou como advogado-geral e vice-presidente executivo.[21][22] Em 2009, relatou ganhar um salário de 1 milhão de dólares.[21]

Klain mora no que o New York Times chama de "enclave verdejante do poder" de Chevy Chase, Maryland, com vizinhos que incluem o presidente do Supremo Tribunal John Roberts e o juiz Brett Kavanaugh. Referiu-se à sua grande casa como “a casa que O'Melveny construiu”, depois do seu tempo lucrativo no escritório de advocacia internacional O'Melveny & Myers.[23]

Referências

  1. School, Harvard Law. «hls.harvard.edu/faculty/directory/». Harvard Law School (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  2. Shear, Michael D.; Glueck, Katie; Haberman, Maggie; Kaplan, Thomas (12 de novembro de 2020). «Biden Names Ron Klain as White House Chief of Staff». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  3. «President-elect Joe Biden Names Ron Klain as White House Chief of Staff». President-Elect Joe Biden (em inglês). 12 de novembro de 2020. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  4. An, Priya. «Ron Klain». POLITICO (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  5. «Ron Klain - GU Politics». web.archive.org. 16 de agosto de 2016. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  6. «Ron Klain - The Washington Post». web.archive.org. 8 de janeiro de 2019. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  7. «What Happened to the 'Future Leaders' of the 1990s?». Time. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  8. Allen, Mike. «Klain accepts job as Biden chief of staff». POLITICO (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  9. Cooper, Helene (4 de janeiro de 2011). «Ron Klain Leaving Vice President's Staff». The Caucus (em inglês). Consultado em 30 de novembro de 2020 
  10. «Who might replace Rahm Emanuel? - CNN». web.archive.org. 10 de setembro de 2010. Consultado em 30 de novembro de 2020 
  11. Cooper, Helene (4 de janeiro de 2011). «Ron Klain Leaving Vice President's Staff». The Caucus (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  12. «E-mails show White House worried about Solyndra deal». USATODAY.COM. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  13. Klein, Ezra (17 de outubro de 2014). «Ron Klain is a great choice for Ebola czar». Vox (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  14. «The Brief — But Busy — Reign of the Ebola Czar». Intelligencer (em inglês). Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  15. a b Levy, Steven. «Obama's Ebola Czar on What Strong Federal Response Looks Like». Wired (em inglês). ISSN 1059-1028. Consultado em 30 de junho de 2022 
  16. Shear, Michael D.; Glueck, Katie; Haberman, Maggie; Kaplan, Thomas (12 de novembro de 2020). «Biden Names Ron Klain as White House Chief of Staff». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  17. «The New Team - Politics - The New York Times». www.nytimes.com. Consultado em 1 de dezembro de 2020 
  18. «Ron Klain had the perfect résumé. His first year showed the limits of that experience.». Washington Post (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 30 de junho de 2022 
  19. «NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration - Mary M. Glackin». web.archive.org. 28 de dezembro de 2010. Consultado em 30 de junho de 2022 
  20. «The New Team - Politics - The New York Times». www.nytimes.com. Consultado em 30 de junho de 2022 
  21. a b «Obama-era officials return to White House under Biden after getting very rich in the interim». The Independent (em inglês). 21 de março de 2021. Consultado em 30 de junho de 2022 
  22. Schwartz, Brian (20 de março de 2021). «Biden's closest advisors have ties to big business and Wall Street with some making millions». CNBC (em inglês). Consultado em 30 de junho de 2022 
  23. Leibovich, Mark (18 de julho de 2021). «The Ascension of Ron Klain». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 30 de junho de 2022