Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde abril de 2010). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Fevereiro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
1º Batalhão de Polícia de Choque
BrasãoROTA.png
Brasão da ROTA
País  Brasil
Estado  São Paulo
Corporação Polícia Militar do Estado de São Paulo
Subordinação CPChq - Comando de Policiamento de Choque
Missão Patrulhamento Ostensivo Motorizado
Sigla ROTA
Criação 1 de dezembro de 1891 (124 anos)[1]
Aniversários 15 de outubro
Patrono Rafael Tobias de Aguiar
Lema Dignidade Acima de Tudo
Cores Cinza e Preto
História
Guerras/batalhas Revolta da Armada
Campanha de Canudos
Levante do Forte de Copacabana
Revolução de 1932
Golpe Militar de 1964
• Campanha do Vale do Rio Ribeira do Iguape
Insígnias
LOGO PMESP Logo PMESP.png
Logo ROTA Logo da ROTA.svg
Comando
Tenente-Coronel PM Alencar
Sede
Sede São Paulo
Bairro Luz
Endereço Avenida Tiradentes, 440
Internet Página oficial
Mapa da área de atuação
Brazil State SaoPaulo.svg
Estado de São Paulo

A Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (ROTA) é uma tropa do Comando Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo, sendo ainda uma modalidade de policiamento do 1º Batalhão de Policiamento de Choque Tobias de Aguiar. Atualmente, é o maior batalhão de Polícia Militar do Brasil, possuindo cerca de 900 homens e 150 viaturas Hilux SW4.

Em 1851 o batalhão, com antigo nome de "Batalhão de Caçadores", foi batizado com o nome de Tobias de Aguiar, ficando então "Batalhão de Caçadores Tobias de Aguiar". O presidente da província Rafael Tobias de Aguiar, antigo nome dado ao então governador, ficou conhecido como o Patrono da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Constitui-se na Tropa de Elite da Polícia Militar do Estado de São Paulo, que visa possibilitar flexibilidade e capacidade de reação com o uso do policiamento motorizado. Utilizada na necessidade do controle de distúrbios civis através do agrupamento de viaturas, conforme o caso, Grupo de combate, Pelotão, Companhia ou Batalhão de Choque.

A história do Batalhão é defender as Instituições Republicanas. Após diversas denominações, passou a ostentar seu nome atual em 15 de Outubro de 1970.

Desde sua criação, o Batalhão teve seu efetivo presente em conflitos de roubo a banco, e diversos casos de grande perigo, e também participou de momentos marcantes na história do Brasil, podendo ser citados:

O quartel[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Quartel da Luz

O Batalhão Tobias de Aguiar, começou a ser construído em 1888 e terminou sua construção em 1892, mas no dia 1 de dezembro 1891 o prédio foi ocupado por tropas da polícia. O Batalhão Tobias de Aguiar, foi o terceiro Quartel construído no então Corpo Policial Permanente. Projeto de autoria do notável arquiteto Ramos de Azevedo e inspirado na arquitetura militar francesa, de estilo surgido na Europa, na primeira metade do século XIX, com o nome de “Estilo Pós-Napoleônico”. Teve como modelo um Quartel da Legião Estrangeira Francesa no Marrocos. Em seu subsolo há uma rede de túneis que faziam ligações com os quartéis vizinhos e com a estação ferroviária.

O material para sua construção veio de diversas partes do mundo: telhas da França, tijolos da Itália e pinho de Riga, na Letônia. Atualmente, o prédio é patrimônio histórico e está tombado pelo CONDEPHAAT. Além do túnel, há a chaminé, situada do lado externo, próximo ao prédio, que serviu de referencial, durante a Revolução de 1924, contando hoje com marcas de disparos de canhões em quatro pontos.

Brasão do 1º BPChq "Tobias de Aguiar"[editar | editar código-fonte]

BRASÃO ROTA.jpg

O brasão foi criado pelo decreto 20986 de 1º de dezembro de 1951. Seu escudo é bicudo em estilo francês esquartelado. E seu significado assim se explica:

  • Abreu (1.º Esquartelado Superior Esquerdo): Em goles (vermelho), que simboliza a audácia, grandeza e espírito de luta, cinco asas de águia em santor que é o símbolo da rapidez nas expedições militares, em ouro que simboliza o esplendor, a soberania e a constância.
  • Aguirre (2.º Esquartelado Superior Direito): Em ouro com duas faixas diminuídas que simboliza o cinto do cavaleiro, abaixo destas, três flores-de-lis de goles (vermelho), na parte inferior, um escudo em fundo branco que é a simbologia da pureza e do ideal, uma águia em sable (negro) e a direita outras três faixas em sinople (verde) que é a simbologia da vitória, honra e civilidade.
  • Leme (3.º Esquartelado Inferior Esquerdo): em ouro, cinco merletas em santor que simboliza a indicação dos inimigos vencidos em batalhas, em sable (negro) que é a simbologia da simplicidade, sabedoria, ciências e honestidade.
  • Aguiar(4.º Esquartelado Inferior Direito): em ouro, uma águia de goles (vermelho) e membrana de negro, que é a simbologia do poder, da vitória e da prosperidade, o que identifica o apelido dos AGUIARES e do 1.º Batalhão de Choque "TOBIAS DE AGUIAR".

Advento do formato atual[editar | editar código-fonte]

O então chamado Primeiro Batalhão Policial Militar “Tobias De Aguiar” adquiriu o formato atual, pautado na mobilidade e eficácia, a partir de 1970 quando, no contexto da ditadura militar, participou da operação de desmantelamento de um centro de treinamento de guerrilha da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) atuante no Vale do Ribeira.

Apesar de ter sido considerada bem-sucedida, os remanescentes do grupo conseguiram escapar, entre eles Carlos Lamarca e Yoshitane Fujimori, que continuaram a militância na capital de São Paulo e na Grande São Paulo; O grupo era acusado de terrorismo pelo regime militar. O Batalhão é reformulado visando o combate à guerrilha urbana. É instalada na sede do “Batalhão Tobias de Aguiar” a central de comunicações com a finalidade de apoiar as viaturas em serviço. As viaturas são equipadas com rádio transceptor para maior agilidade nas Operações da Polícia Militar com a Base Aguiar ou com as viaturas no policiamento; os policiais recebem a boina negra como marca característica. Sob o comando do Ten.-Cel.

Salvador D’Aquino o grupo passa a ter o papel de ronda bancária, patrulhamento urbano e tropa de choque para agir onde a polícia comum não tinha condições de fazê-lo. Em 15 de outubro de 1970, passa a denominar-se Rondas Ostensivas Tobias de AguiarROTA. Uma das primeiras vítimas da ROTA no combate a guerrilha urbana é o cabo PMESP Nelson Martinez Ponce, assassinado ao tentar salvar os passageiros de um ônibus em Vila Brasilândia que estavam sendo retirados sob ameaça de armas dos guerrilheiros do MOLIPO em 1 de novembro 1971.[3]

Policiais da Rota em uma viatura Toyota Hilux SW4.

Juramento de ROTA[editar | editar código-fonte]

Policiais da Rota após uma ocorrência de grande gravidade.
Incorporando-me às Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar,
prometo honrar este braçal e esta boina,
como símbolo de dignidade, moralidade e legalidade.
Na defesa da sociedade paulista,
nas tradições do batalhão Tobias de Aguiar e da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Companhias de ROTA[editar | editar código-fonte]

O 1ºBPChq Tobias de Aguiar, está subordinado ao Comando de Policiamento de Choque (CPChq), que por sua vez está subordinado ao Comando Geral da Polícia Militar, que está subordinado ao Secretário de Segurança Pública, que assim está subordinado ao Governador do Estado.

O patrulhamento tático da ROTA é divido em quatro Companhias de Policiamento de Choque (CiaPChq) Operacionais:

  • 1ºCIA (ROTA NOTURNA)
  • 2ºCIA (ROTA MATUTINA)
  • 3ºCIA e 4ºCIA (ROTA VESPERTINA)

Cada Companhia de ROTA contém seis pelotões sob o comando de um 1º ou 2ºTenente da PM. E cada Companhia é comandada por um Capitão da PM. Cada pelotão é composto por seis viaturas, sendo uma delas destinada ao comandante do pelotão.

Frota veicular[editar | editar código-fonte]

Viatura atual da Rota

Quando da criação da ROTA em 1970, as viaturas utilizadas eram pickups Chevrolet C-1504, caminhonetes sem capotas, que poderiam levar um efetivo de aproximadamente dez homens, sendo o motorista, o comandante de equipe e mais oito policiais que iam sentados na carroceria, em bancos de madeira.

Ainda em 1970, foram adquiridas viaturas Chevrolet C-14, quatro marchas, câmbio em cima (na coluna do volante), motor seis cilindros. Nos anos 80 as viaturas C-14 foram substituídas por Veraneios A-10, a álcool, câmbio baixo de quatro marchas e posteriormente cinco marchas, com motores de quatro ou seis cilindros.

Em 1988, chegaram as primeiras viaturas Chevrolet Veraneio Custom, A-10, que eram maiores e mais "quadradas". Por volta de 1997 as viaturas veraneios passaram a ser substituídas por viaturas Blazer, motor seis cilindros; em 2005 foram substituídas por viaturas Blazer, motor quatro cilindros.

Em 15 de abril de 2011, pela primeira vez na história da ROTA as viaturas Chevrolet foram substituídas por viaturas Toyota Hilux SW4 2012, motor de 4 cilindros 2.7 a gasolina.

Em 27 de Março de 2014, o Governo do Estado de São Paulo entrega 67 novas viaturas para a ROTA modelo Toyota Hilux SW4 2015, substituindo algumas Blazers que ainda eram usadas para patrulhamentos. Nesse mesmo mês a ROTA testa a nova viatura TrailBlazer 2014 da marca Chevrolet.

Policial da Rota usando o Fuzil Imbel IA2 calibre 556.

Armamento[editar | editar código-fonte]

Suspeitas de ataques forjados[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2010 foi amplamente divulgado na mídia que o quartel da ROTA teria sido alvo de ataque de criminosos que teriam atirado um coquetel molotov[4].

Todavia, após investigação da polícia civil, essa hipótese foi posta em xeque. Um documento confidencial da inteligência da polícia diz que "possivelmente, o atentado contra a mencionada sede miliciana seria para tirar o foco de práticas ilícitas envolvendo integrantes da Rota e martirizar os envolvidos."[5].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. http://www.policiamilitar.sp.gov.br/unidades/1bpchq/historico.htm
  2. [1] Veja
  3. Folha de Sao Paulo, 3 de Novembro de 1971, 1.º Caderno, página 3
  4. [2] Ultimo Segundo - IG
  5. [3] Folha de S.Paulo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.