Rosa-do-deserto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a rocha, veja Rosa das areias.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaRosa do deserto
Adenium obesum
Adenium obesum
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Clado: asterídeas
Ordem: Gentianales
Família: Apocynaceae
Género: Adenium
Espécie: A. obesum
Nome binomial
Adenium obesum

Rosa-do-deserto ou lírio-impala é uma planta domesticada cujo nome científico é Adenium obesum Balf. f. da família Apocynaceae, necessita de polinização manual para sua reprodução, ou então deve-se adotar o método de mudas. Se adapta facilmente ao clima seco e quente e consegue viver em lugares ensolarados. Também encontrada na Tailândia, desertos e na África .[1] [2]

Sinnonímia botânica: Adenium coetaneum Stapf.

Regas: Ao contrário do que se pensa, as Rosas do Deserto (Adenium) toleram bem a água. O que elas não toleram é a terra encharcada. Por essa razão, é recomendado que a Adenium seja cultivada em substrato com alto nível de drenagem. Algumas pessoas tem receio de regar as rosas do deserto e acabam deixando elas sem rega por um período muito longo, cerca de 7 a 15 dias. Essas plantas com deficiência hídrica apresentam murcha do caudex por desidratação. O simples retorno da rega em frequência adequada faz com que o caudex volte ao normal em poucos dias.[1]

Germinação: Suas sementes germinam entre 3 a 5 dias. A germinação pode ser feita em papel toalha ou diretamente no substrato. A taxa de germinação varia de 85 a 90% e isso dependerá da espécie e da variedade que está sendo trabalhada.[2]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre asterídeas, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.