Rosa canina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Evolution-tasks.png
Atenção: Este artigo foi listado como um artigo com problemas.
Ajude-nos na discussão deste artigo. O motivo da marcação foi a seguinte: Texto confuso/absurdo, mal formatado, com erros ortográficos, resultado de má tradução automática.


Como ler uma caixa taxonómicaRosa canina
Flores da Rosa canina.

Flores da Rosa canina.
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: eudicotiledóneas
Clado: rosídeas
Divisão: Angiospermae
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Género: Rosa
Espécie: R. canina
Nome binomial
Rosa canina
L.
Ilustração mostrando os vários estágios de crescimento

Rosa canina é uma variedade da espécie nativa da Europa, do nordeste da África e da Ásia Ocidental conhecida pelos nomes de rosa-canina ou rosa-mosqueta.

Cultivo e utilização[editar | editar código-fonte]

A planta tem teor elevado em alguns antioxidantes. A fruta, conhecida pelo seu alto nível de vitamina C, é utilizada para fazer xarope, chá e marmelada. Tem sido estimulada no estado selvagem ou cultivada para a produção de vitamina C a partir dos frutos (muitas vezes como xarope de baga de rosa), especialmente em tempos de escassez ou de guerra. A espécie também foi introduzida noutras latitudes temperadas. Durante a Segunda Guerra Mundial, nos Estados Unidos, a rosa-canina era plantada nos chamados «jardins-vitória» e ainda ocorre espontaneamente por todo o país, em bermas de estradas e zonas húmidas e arenosas, acima e abaixo da orla costeira. Na Bulgária, onde abunda, as bagas são aproveitadas para fazer vinho doce e chá. Na medicina tradicional austríaca, utilizam-se para produzir uma infusão destinada ao tratamento de infeções virais e doenças dos rins e do trato urinário.

Por vezes, utilizam-se variedades desta planta em enxertia, quer como «cavalo» (o porta-enxerto das variedades cultivadas) quer como broto enxertado. A planta selvagem é utilizada no coberto vegetal ou como estabilizadora em programas especializados de recuperação de terras e paisagismo.

Referem-se numerosos cultivares, embora haja poucos comuns na prática. O cultivar Rosa canina assisiensis é o único sem espinhos. As bagas são usadas como aromatizante na cockta, uma bebida não-alcoólica eslovena.

Canina meiosis[editar | editar código-fonte]

A rosa-canina, a espécie canina do género Rosa (20-30 espécies e subespécies, que ocorrem principalmente na Europa do Norte e Central), exibe um tipo invulgar de meiose, por vezes chamada poliploidia ímpar permanente, embora possa ocorrer mesmo com a poliploidia (p. ex., em tetraploides ou hexaploides). Independentemente do nível de ploidia, formam-se apenas sete bivalentes, ficando os outros cromossomas como univalentes. Os univalentes surgem nos óvulos, mas não no pólen. Ocorrem processos similares noutros organismos. As rosas caninas são maioritariamente pentaploides, isto é, exibem cinco vezes o número básico de sete cromossomas do género Rosa, mas podem ser também tetraploides ou hexaploides.

Etmologia[editar | editar código-fonte]

Espécies invasivas[editar | editar código-fonte]

Rosa canina nas culturas[editar | editar código-fonte]

A rosa canina foi estilizada na heráldica europeia medieval. É também o emblema floral [1] do Hampshire.

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Referências

Leitura complementar[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Rosa canina
  • Flora Europaea: Rosa canina
  • Blamey, M. & Grey-Wilson, C. (1989). Flora of Britain and Northern Europe. Hodder & Stoughton. ISBN 0-340-40170-2.
  • Vedel, H. & Lange, J. (1960). Trees and bushes. Metheun, London.
  • Graham G.S. & Primavesi A.L. (1993). Roses of Great Britain and Ireland. B.S.B.I. Handbook No. 7. Botanical Society of the British Isles, London.