Rosinha Garotinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade.
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rosinha Garotinho
Rosinha Garotinho
Prefeita de Campos dos Goytacazes Bandeira de Campos dos Goytacazes.png
Período 1º de janeiro de 2009
até a atualidade
Vice-prefeito Dr. Chicão
Antecessor(a) Alexandre Mocaiber
60.º Governadora do Rio de Janeiro Rio de Janeiro
Período 1º de janeiro de 2003
a 1º de janeiro de 2007
Vice-governador Luiz Paulo Conde
Antecessor(a) Benedita da Silva
Sucessor(a) Sérgio Cabral Filho
Primeira-dama do Rio de Janeiro Rio de Janeiro
Período 1º de janeiro de 1999
a 6 de abril de 2002
Governador Anthony Garotinho
Antecessor(a) Célia Alencar
Sucessor(a) Antonio Pitanga
Vida
Nome completo Rosângela Barros Assed Matheus de Oliveira
Nascimento 6 de abril de 1962 (54 anos)
Itaperuna, Rio de Janeiro
Dados pessoais
Primeiro-cavalheiro Anthony Garotinho
Partido PDT (1985–2000)
PSB (2000–2004)
PMDB (2004–2009)
PR (2010–presente)
Religião Presbiterianismo
Profissão Radialista

Rosângela Barros Assed Matheus de Oliveira (Itaperuna, 6 de abril de 1963) é uma política, radialista e apresentadora de TV brasileira, casada com o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, e mãe da deputada federal Clarissa Garotinho.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Foi a primeira mulher a ser eleita governadora do estado do Rio de Janeiro. Eleita em 2002, sucessora de Benedita da Silva (PT), que estava exercendo o cargo devido à renúncia do então governador Anthony Garotinho, marido de Rosinha, que se afastou do cargo para concorrer à Presidência da República. Durante a campanha usou o nome Rosinha Garotinho, para ter sua imagem associada à do marido, que na época possuía mais de 80% de aprovação popular. Garotinho é o apelido que seu marido usa e que consequentemente ela utilizou, não sendo um sobrenome.

Filha do ferroviário Gandur Assed e da professora primária Wilmar Barros Assed, nasceu em Itaperuna, tradicional reduto de descendentes de árabes. Moradora de Campos desde a juventude, Rosinha sempre foi apaixonada por peças teatrais. Atuou no teatro amador desde os quatro anos e foi até os 26. Aos dezesseis anos, durante o ensaio de uma peça, ela conheceu Garotinho, com quem se casou em 1981.

Formou-se professora pelo Colégio Batista Fluminense e trabalhou como radialista em Campos, nas rádios Difusora, Continental, Cultura e Litoral.

Durante o governo de seu marido foi secretária de Ação Social e Cidadania.

Ela e Garotinho tiveram quatro filhos: Clarissa, Wladimir, Anthony e Clara. O casal ainda adotou outros cinco filhos: Aparecida, Altamir, Amanda, Wanderson e David.

A filha do casal, Clarissa Garotinho, foi eleita deputada estadual em 2010, e foi vereadora de 2009 a 2010 pela cidade do Rio de Janeiro. Rosinha assume publicamente a sua religião (presbiteriana), e tem nos evangélicos uma parte importante de sua base eleitoral.

Governadora do Estado do Rio de Janeiro (2003-2007)[editar | editar código-fonte]

Como governadora, Rosinha homologou lei que instituía o ensino religioso nas escolas publicas, lei essa de iniciativa do deputado estadual Carlos Dias.

Durante seu governo a estação Cantagalo da Linha 1 do Metrô do Rio de Janeiro foi inaugurada. Recuperou a arquibancada do estádio do Maracanã.

Recuperou a pecuária leiteira do estado, intervindo na Parmalat para salvar empregos. Na área Social foi criado o programa Paif (Programa de Atendimento Integral à Família).

No interior do estado, ajudou a criar um Polo da Cederj e um Polo Têxtil no município de Rio das Flores. Trouxe o Porto do Açu para São João da Barra. Realizou melhoras no saneamento e nas estradas no interior.

Prefeita de Campos dos Goytacazes (2009-2017)[editar | editar código-fonte]

Entre as grandes cidades do estado, Campos foi a primeira em gestão fiscal, segundo índice da FIRJAN. Campos é a segunda cidade em investimentos relacionandos à infraestrutra, só perdendo para a capital Rio de Janeiro, Campos também tem o maior investimento per capita do sudeste. O principal desafio da prefeita é a educação, que apesar te ter melhorado em seu governo, ainda é a pior do estado. No dia 7 de outubro a prefeita foi reeleita com quase 70% dos votos válidos. Rosinha teve 11 minutos contra 19 dos seus 4 adversários no programa eleitoral, foi duramente atacada em debates, ganhou o candidato do PT, apoiado por Lula, Dilma, Cabral e Lindberg. Em pesquisa relizada em setembro de 2012 o governo da prefeita Rosinha foi aprovado por 77% dos campistas, segundo o IBOPE.

Em 24 de outubro de 2016, o TRE-RJ cassou o mandato de Rosinha e de seu vice-prefeito, Dr. Chicão, por uso da máquina pública para se reeleger em 2012, porém em razão de estar em sede de recurso, ela permanece no cargo.

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Durante o seu governo, estabeleceu-se um debate público sobre a relação polêmica entre religião e estado, especialmente no que se refere a orientações educativas.

Um de seus primeiros atos foi renovar os contratos de prestação de serviços com a FIA.

Precedido por
Benedita da Silva
Governadora do Rio de Janeiro
20032007
Sucedido por
Sérgio Cabral Filho
Precedido por
Alexandre Mocaiber
Prefeita de Campos dos Goytacazes
2009atualidade
Sucedido por
-