Rubens de Azevedo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rubens de Azevedo

Rubens de Azevedo (Fortaleza, 30 de outubro de 1921 — Fortaleza, 17 de janeiro de 2008) foi um astrônomo e escritor brasileiro.

Foi o criador, em 1947 da primeira associação amadora de astronomia do Brasil, a Sociedade Brasileira dos Amigos da Astronomia (SBAA), e em 1948 foi o fundador do primeiro observatório popular brasileiro, o Observatório Popular Flammarion, e também, da Sociedade Brasileira de Selenografia, em São Paulo.

Foi professor assistente de Astronomia e Astronáutica da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba e professor de Geografia Astronômica na Universidade Estadual do Ceará e membro do Instituto do Ceará.

Filho do pintor Otacílio de Azevedo e da poetisa Teresa Almeida de Azevedo, é casado com a escritora Jandira Carvalho.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Grande estudioso da Lua, no ano de 1948 desenhou o primeiro mapa lunar brasileiro, com 80 cm, que se encontra exposto no Museu de Astronomia e Ciências Afins, Museu do Eclipse, em Sobral. É autor de vários livros sobre astronomia e artes, como Uma viagem Sideral (Fortaleza-1949), O Desenho sem Mestre (São Paulo-8 edições, sendo a primeira edição em 1954), Selene - A Lua ao Alcance de Todos (São Paulo-1959), Lua - Degrau para o Infinito (São Paulo-1942), A Bandeira Nacional (São Paulo-1967), Na Era da Astronáutica (São Paulo - 1967 a 1980 - 8 edições), No Mundo da Estelândia (São Paulo-1970) e O Homem descobre o Mundo (São Paulo-1981), entre outros.

Colaborou também com vários artigos em outros livros e revistas como Atlas Geográfico Melhoramentos, Pequeno Atlas Geográfico Melhoramentos, Novo Dicionário Brasileiro Melhoramentos, A Geologia Aplicada à Selenografia (In Revista a Escola de Minas - Ouro Preto, MG - Vol. 31, nº 6), entre outros. Participou de vários encontros, congressos e simpósios sobre Educação, Pedagogia, Geografia, Astronáutica e Astronomia no nordeste, no sul do país, e até em outros países como a Argentina.

Recebeu várias condecorações, presidiu e foi membro de várias instituições além da SBAA, como o Instituto Histórico e Antropológico do Ceará, do qual foi presidente. Foi membro do Instituto de Genealogia e Heráldica da Paraíba, membro da União Brasileira de Escritores (seção Amazonas), diretor da Casa de Cultura Raimundo Sela, diretor do Observatório da Paraíba e presidente da União Brasileira de Astronomia (UBA). Foi também professor e coordenador do curso de Licenciatura em Geografia da Universidade Estadual do Ceará (Uece) e idealizador da criação de um Planetário para Fortaleza, idéia esta que culminou com criação do planetário que leva o seu nome no Centro Cultural Dragão do Mar de Arte e Cultura.

Descobriu um fenômeno lunar transitório na Cratera Aristarco, que foi confirmado pelo astronauta Edwin Aldrin quando em órbita lunar.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Uma viagem sideral
  • O Desenho sem Mestre
  • Selene, a lua ao alcance de todos
  • Lua, degrau para o infinito
  • No mundo da Estelândia
  • Na era da Astronáutica
  • Lenda feita de pedra
  • Bandeira Nacional
  • O Homem descobre o mundo
  • Temas Astronômicos - volume II