Rubia peregrina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Como ler uma infocaixa de taxonomiaRubia peregrina
R. peregrina
R. peregrina
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Plantae
Sub-reino: Tracheobionta
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Subclasse: Asteridae
Ordem: Gentianales
Família: Rubiaceae
Subfamília: Rubioideae
Tribo: Rubieae
Género: Rubia
Espécie: R. peregrina
Nome binomial
Rubia peregrina
L.
R. peregrina.

Rubia peregrina L. é uma espécie herbácea trepadora pertencente à família das rubiáceas. É uma pequena liana que ocorre em zonas de bosque e matagal esclerófilo, sobre todo o tipo de substratos, incluso no solo sobre pedregais.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A espécie R. peregrina apresenta caules com aspecto característico, abundantemente ramificados, de secção quadrada, com nervura bem marcadas em cada vértice.

As folhas são de coloração verde brilhante a verde claro, agrupadas em verticilos em torno do caule, em número de 4 a 6 em cada verticilo. São simples, sentadas, de forma elíptica a linear lanceolada, com pequenos ressaltos em forma de gancho no bordo que lhes confere uma aparente rugosidade e permite que se prenda a roupas ou à pelagem de animais, dando-lhe um aspecto de velcro. Os ganchos aparecem também na parte inferior da nervura central e em cada um dos quatro vértices da secção do caule.

As flores são hermafroditas, agrupadas em inflorescências terminais similares a panículas. Cada flor apresenta 4 a 6 pétalas soldadas em forma de tubo e 4 a 6 lóbulos de forma triangular a lanceolada, de coloração branca-amarelada.

O fruto é uma baga solitária, negra quando madura, com aspecto de uma diminuta uva, muito consumida pelos pássaros. As aves são o principal meio de dispersão da espécie.

Esta liana alcança 6 m de comprimento e 3 a 4 m de altura. A "ruiva brava" tem as folhas reunidas em verticilos, normalmente em número de cinco ou mais por cada verticilo. As folhas são maiores e mais largas que as de Rubia angustifolia. O hábito da planta é muito parecido com o da espécie Galium aparine, ou de outras espécies do género Galium, mas é diferenciado pelas folhas coreáceas das Rubia, que parecem não murchar após o corte da planta, que contrastam com as folhas tenras de Galium, de um verde claro que se enrugam rapidamente. Para além disso, Rubia apresenta frutos carnosos e Galium frutos secos. Floresce em Maio e Junho.

A espécie tem distribuição natural pela região do Mediterrâneo e nos arquipélagos da Macaronésia, com presença no sul e oeste da Europa e Ásia e norte de África. Em Espanha ocorre no Vale do Ebro, Andaluzia, Alicante, Barcelona, Castellón, Gerona, ilhas Baleares, Tarragona e Valência, regiões onde cresce em matagais, silvados, paredes e zonas forestadas.[1]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Rubia peregrina foi descrita por Carolus Linnaeus e publicado em Species Plantarum 1: 109, no ano de 1753.[2] Dada a sua ampla área de distribuição natural e variabilidade morfológica, a espécie tem uma rica sinonímia:[3][4][5]

  • Rubia anglica Huds. (1762).
  • Rubia angustifolia L. (1767).
  • Rubia lucida L. (1767).
  • Rubia bocconii Petagna (1787).
  • Rubia longifolia Poir. in J.B.A.M.de Lamarck (1812).
  • Rubia splendens Hoffmanns. & Link (1824).
  • Rubia requienii Duby (1830).
  • Rubia dalmatica Scheele (1844).
  • Rubia angustifolia var. requienii (Duby) Nyman (1879).
  • Rubia peregrina var. dalmatica (Scheele) Nyman (1879).
  • Rubia peregrina var. lucida (L.) Nyman (1879).
  • Rubia peregrina var. splendens (Hoffmanns. & Link) Nyman (1879).
  • Rubia erratica Bubani (1899).
  • Rubia reiseri Halácsy ex Hayek (1930).
  • Rubia peregrina subsp. longifolia (Poir.) O.Bolòs (1969).
  • Rubia peregrina var. requienii (Duby) Cardona (1974).
  • Rubia peregrina subsp. requienii (Duby) Cardona & Sierra (1980 publ. 1981).

A espécie apresenta numerosos nomes comuns, entre os quais língua-de-gato, garança-brava e ruiva.[3]

Notas

  1. Dados em Herbarivirtual
  2. Rubia peregrina em Trópicos
  3. a b «Rubia peregrina». Real Jardín Botánico: Proyecto Anthos. Consultado em 26 de novembro de 2009. Arquivado do original em 14 de setembro de 2011 
  4. Sinónimos em Kew
  5. Rubia peregrina en PlantList/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Rubia peregrina
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Rubia peregrina