Rui Aguiar da Silva Leme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Rui Aguiar da Silva Leme (São Paulo, 1925 - 1997) foi um engenheiro civil, ligado à USP, onde atuou nas áres da Engenharia de Produção e na de Administração de Empresas. Foi presidente do Banco Central do Brasil.[1]

Carreira acadêmica[editar | editar código-fonte]

Formado em 1949 pela Escola Politécnicada Universidade de São Paulo, tendo atuado como professor assistente entre 1949 e 1953, professor interino em 1953, livre-docente em 1954, na Cadeira 19 - Economia Política, Estatística Aplicada e Organizações Administrativas - com a tese "Os extremos de amostras ocasionais e suas aplicações à Engenharia".

Fundador do curso de Engenharia de Produção em maio de 1958, com a aprovação pela Escola Politécnica, da instalação em nível de graduação como modalidade da Engenharia Mecânica. O curso teve início já no ano de 1959, formando sua primeira turma em 1960, permaneceu como opção da Engenharia Mecânica até 1970, com a aprovação pela Congregação da Escola Politécnica da USP da criação de uma graduação autônoma em Engenharia de Produção.

Foi eleito o primeiro chefe do Departamento de Engenharia de Produção da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo em 03 de abril de 1963.[2]

Liderou os professores do Departamento de Engenharia de Produção na criação da Fundação Carlos Alberto Vanzolini, durante a Primeira Semana de Engenharia de Produção, com o objetivo de publicar livros e oferecer cursos de extensão e de aperfeiçoamento, relacionados à Engenharia de Produção e à Administração de Empresas.

A partir de 1961, começa a lecionar como Professor Contratado no Departamento de Administração da Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas FEA da Universidade de São Paulo. Em 1965, ascende ao posto de Professor Catedrático. E, por duas vezes, foi Chefe de Departamento, primeiro entre 1973 e 1977 e depois entre 1981 e 1985. Na Universidade de São Paulo (USP), assumiu cargos de Pró-Reitor, Coordenador da Câmara de Graduação, Presidente do Conselho da Fuvest e Presidente da Comissão de Cooperação Internacional. Lecionou ainda na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) e na Escola de Engenharia de São Carlos, onde desempenhou também papel de Assessor da Reitoria.[3]

Vida pública[editar | editar código-fonte]

Trabalhou também nos governos federal e do estado de São Paulo. Foi Presidente do Banco Central do Brasil de março de 1967 a fevereiro de 1968 durante o Governo de Arthur da Costa e Silva. Entre os anos de 1966 e 1967, foi Diretor da Carteira de Expansão Econômica do Banco do Estado de São Paulo. Em 1966, participou da elaboração do Plano Decenal do Governo Castelo Branco. De 1959 a 1962, colaborou como membro do grupo de planejamento da elaboração dos 1º e 2º Planos de Ação do Governo Carvalho Pinto no Estado de São Paulo. E presidiu a comissão de Salário Mínimo do Estado de São Paulo de 1958 a 1959.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Do autor:

  • Curso De Estatística - Elementos, Editora Universidade de São Paulo - SP, 1958;
  • Controles na Produção , PIONEIRA, 1974;
  • Ecologia de Empresas - Um estudo do ambiente empresarialcom ZACARELLI, Sérgio B. e FISCHMANN, Adalberto A. ATLAS, 1980.

Referências


Precedido por
Dênio Chagas Nogueira
Presidente do Banco Central do Brasil
1967 — 1968
Sucedido por
Ernane Galvêas