Rui Coelho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o compositor português, veja Ruy Coelho.
Rui Coelho
Nascimento 21 de dezembro de 1920
São Paulo
Morte 1990 (70 anos)
Cidadania Brasil
Filho(s) Sérgio Salvia Coelho
Ocupação antropólogo
Empregador Universidade de São Paulo

Rui Galvão de Andrada Coelho (São Paulo, dezembro de 19201990) foi um antropólogo brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ingressou em 1927 na Escola Modelo Caetano de Campos, e ao completar o curso primário transferiu-se para o Liceu Rio Branco.

Em 1941 formou-se pela Universidade de São Paulo em Filosofia e em Ciências Sociais no ano seguinte (à época era possível graduar-se de forma continuada em mais de um curso). Em 1943 cursava a Faculdade de Direito de São Paulo, como seu pai, mas não chegou a finalizar o curso.

Após ter se formado em Ciências Sociais foi para os Estados Unidos estudar Antropologia na Northwestern University, onde defendeu a tese sobre "Os Caraíbas Negros de Honduras". Durante a pesquisa em Honduras, Rui mantinha um caderno de campo que acabou sendo publicado em livro com o título "Dias em Trujillo: Um Antropólogo Brasileiro em Honduras" editado pela Editora Perspectiva.

Entre 1950 e 1952 foi antropólogo da UNESCO em Paris. De volta ao Brasil, foi nomeado assistente da cadeira de Sociologia I da Universidade de São Paulo, em cujos quadros seguiu carreira de docente e, em 1980, a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas o elegeu para o cargo de diretor. Mesmo com tal cargo, Rui não se afastou das instituições acadêmicas estrangeiras, tendo sido professor em Aix-en-Provence, França, durante exílio político entre 1974 e 1976 e, em Coimbra, nos anos 1980.

No seu retorno, retomou as atividades de ensino na FFLCH até sua morte em 1990. Além da vida acadêmica, Rui Coelho participou da Folha da Noite – levado por seu companheiro Lourival Gomes Machado - foi crítico de cinema do Diário de S. Paulo e colaborou na revista Clima, fundada em 1941, a qual já trouxe um excelente ensaio do jovem escritor que acabara de completar vinte anos: "Marcel Proust e o Nosso Tempo".