Rui Costa (político)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rui Costa
Rui Costa dos Santos
51° Governador da Bahia Bahia
Período 1 de janeiro de 2015
atualidade
Vice-governador João Leão
Antecessor(a) Jaques Wagner
Secretário da Casa Civil da Bahia Bahia
Período 5 de janeiro de 2012
até 1 de abril de 2014
Governador(a) Jaques Wagner
Deputado federal pela Bahia Bahia
Período 1 de fevereiro de 2011
até 31 de dezembro de 2014
Secretário de Relações Institucionais da Bahia Bahia
Período 15 de janeiro de 2007
até 31 de dezembro de 2010
Governador(a) Jaques Wagner
Vereador por Bandeira de Salvador.svg Salvador
Período 1 de janeiro de 2001
até 31 de dezembro de 2008
Vida
Nascimento 18 de janeiro de 1963 (53 anos)
Dados pessoais
Cônjuge Aline Peixoto
Partido PT (1982-)[1]
Profissão Economista
linkWP:PPO#Brasil

Rui Costa dos Santos (Salvador, 18 de janeiro de 1963)[2] é um economista e político brasileiro, filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT).[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do metalúrgico Clóvis dos Santos e da dona de casa Maria Luzia Costa dos Santos, ambos falecidos, e irmão de Rose, Roberval e Robson, Rui Costa nasceu e cresceu na rua Major Cunha de Matos, em uma encosta na ladeira entre o bairro da Liberdade e a Baixa do Fiscal, em Salvador. D. Maria Luiza era doceira e fazia faxinas para complementar a renda da família, quando costumava levar Rui. Insatisfeita com a pobreza da comunidade onde vivia, ela organizava protestos e fundou uma creche para atender às crianças do bairro onde ela e a família moravam. Do contato direto com a realidade das pessoas pobres e seguindo o exemplo da mãe, nascia em Rui Costa o gosto pela política e pelas questões sociais.[carece de fontes?]

Rui sempre estudou em escolas públicas. Cursou o ginásio na escola Luiz Tarquínio, no bairro da Boa Viagem, na Cidade Baixa. Nessa época, costumava ir à praia da Pedra Furada pescar siri e catar mariscos para o almoço da família. Após concluir o curso de instrumentação da Escola Técnica Federal (atual IFBA), Rui ingressou no curso de Ciências Sociais da Universidade Federal da Bahia (UFBA), onde teve o primeiro contato com as teorias políticas e econômicas que embasariam a sua luta social. Mas não chegou a se formar, e acabou optando por ser economista, graduado também pela UFBA.

Em 1985, com 22 anos e trabalhando no Pólo Petroquímico de Camaçari, foi um dos líderes da primeira grande greve que paralisou o Pólo e perseguido pela luta social. Caminho que mais tarde, o levaria a se tornar diretor do Sindicato dos Químicos e Petroleiros da Bahia, entre 1984 e 2000, e diretor da Confederação Nacional dos Químicos, entre 1992 e 1998.[1]

Rui Costa é casado com a enfermeira Aline Peixoto e tem quatro filhos: Aline, Caio, Marina e a mais nova, Malu.[3]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

A liderança nas lutas do Pólo e entre os trabalhadores baianos levou Rui Costa à vida pública. Um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores na Bahia, elegeu-se vereador pela cidade de Salvador em 2000,[2] sendo reeleito em 2004[4] com o maior número de votos da bancada petista. Nesse período, assumiu uma das principais comissões da Câmara Municipal, a de Finanças, Orçamento e Fiscalização.[carece de fontes?]

Na Câmara Municipal, foi responsável pela MP da empregada doméstica, um, estímulo à regularização profissional destes trabalhadores, através da restituição no Imposto de Renda do valor pago a título de INSS pelo trabalhador doméstico.[carece de fontes?] Assinada pelo então presidente Lula, a indicação agora é Lei Federal.[5][6]

Junto com os movimentos de luta pela acessibilidade,[7] Rui Costa elaborou emendas ao substitutivo do projeto de Lei no 410/05, que estabelece medidas para tornar o transporte público adaptado às necessidades destas pessoas.

Rui também é autor do projeto de Lei no 119/04, que combate a fraude nos combustíveis em Salvador. Postos que cometem esse crime passaram a ter os alvarás de funcionamento cassados.[8] Criou-se, também uma salvaguarda para os trabalhadores, pois muitos dos produtos usados na adulteração de combustível são cancerígenos.

Em janeiro de 2007, convidado pelo governador Jaques Wagner, Rui Costa assumiu a Secretaria de Relações Institucionais (Serin), onde ficou até 2010. Na SERIN, Rui desenvolveu um novo modelo de integração entre o executivo e o legislativo estaduais com entes federativos e movimentos sociais. A iniciativa foi reforçada com o lançamento do Sistema de Relacionamento Institucional (SRI), projetado para agilizar o andamento de pleitos e uniformizar o atendimento.[9][10][11]

A gestão de Rui Costa na Serin também foi responsável pela criação de iniciativas voltadas para a juventude baiana, como o Programa Trilha, que capacita jovens trabalhadores para o mercado. Rui criou o Conselho Estadual da Juventude e o Plano Estadual da Juventude, duas iniciativas inéditas voltadas para a qualidade de vida dos jovens baianos.

Em 2010 deixou a secretaria e se elegeu deputado federal pelo PT, novamente com o maior número de votos da bancada petista.[2]

Em 2012 foi novamente convidado pelo governador Jaques Wagner, dessa vez para chefiar a Casa Civil do Governo da Bahia.

Rui Costa foi escolhido como candidato do PT ao Governo do Estado da Bahia nas eleições 2014,[12] e eleito no 1º turno com 54,53 % dos votos válidos, contra 37,39 % do seu principal adversário, Paulo Souto.[13] Souto era líder em todas as pesquisas de opinião, à exceção da realizada pelo IBOPE em 4 de outubro, um dia antes da eleição, segundo a qual Rui Costa e Paulo Souto estavam empatados com 46% das intenções de votos.[14]

Em 4 de outubro de 2016, a PF realizou através da Operação Hidra de Lerna uma investigação de um esquema de financiamento que foi usado na campanha eleitoral de Rui Costa ao governo do estado. A operação derivou de três colaborações de investigados na Operação Acrônimo, já homologadas pela Justiça e em contínuo processo de validação pela Polícia Federal, e tem como origem dois novos inquéritos em tramitação no STJ.[15]

Referências

  1. a b c Conheça os Deputados - Câmara dos Deputados
  2. a b c Biografia - Site da Casa Civil da Bahia
  3. «Rui Costa será pai novamente». Política Livre. 21 de novembro de 2014. Consultado em 24 de novembro de 2014. 
  4. Rui Costa (BA) - PT na Câmara
  5. «Medida Provisória nº 284, de 6 de março de 2006». Receita Federal. 
  6. «Lula aprova MP das Domésticas na íntegra». Correio do Brasil. 29/6/2006. 
  7. Jiovani Lucas (27 de julho de 2009). «Comissão de Transporte da Câmara de Salvador visita a UGPD». Bahia 24 horas. 
  8. «Medidas ampliam combate à adulteração de combustíveis». Liderança do PT Bahia. 04/07/2005. 
  9. «Serin coordena novo sistema de relacionamento institucional do governo». Liderança do PT Bahia. 20/07/2007. 
  10. «Estado propõe nova relação na esfera pública». Aratu Online. 
  11. «Sistema de Relacionamento Institucional ganha versão atualizada». Processamento de Dados do Estado da Bahia - Prodeb. 
  12. Samuel Celestino (27/06/2014). «Convenção do PT extrapola expectativa». Bahia Notícias. Consultado em 27/07/2014. 
  13. «Apuração de votos para governador na Bahia». G1. 05/10/2014. Consultado em 05/10/2014. 
  14. «Pesquisa Ibope». Exame. 04/10/2014. Consultado em 05/10/2014. 
  15. «Governador da BA e dois ex-ministros são investigados em operação da PF». G1 - Globo. 04/10/2016. Consultado em 04/10/2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Jaques Wagner
Governador da Bahia
2015 — presente
Sucedido por
-