Rui Costa (político)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o político brasileiro. Para outras pessoas com o mesmo nome, veja Rui Costa (desambiguação).
Rui Costa
51° Governador da Bahia
Período 1 de janeiro de 2015
em exercício
Vice-governador João Leão
Antecessor(a) Jaques Wagner
Secretário da Casa Civil da Bahia
Período 5 de janeiro de 2012
até 1 de abril de 2014
Governador Jaques Wagner
Antecessor(a) Eva Chiavon
Sucessor(a) Bruno Dauster
Deputado federal pela Bahia
Período 1 de fevereiro de 2011
até 1 de janeiro de 2015
Secretário de Relações Institucionais da Bahia
Período 15 de janeiro de 2007
até 1 de janeiro de 2011
Governador Jaques Wagner
Sucessor(a) Emilson Piau
Vereador de Salvador
Período 1 de janeiro de 2005
até 1 de janeiro de 2009
Dados pessoais
Nome completo Rui Costa dos Santos
Nascimento 18 de janeiro de 1963 (58 anos)
Salvador, BA
Progenitores Mãe: Maria Luzia Costa dos Santos
Pai: Clóvis dos Santos
Alma mater Universidade Federal da Bahia
Partido PT (1980–presente)
Religião Católico Romano
Profissão economista
linkWP:PPO#Brasil

Rui Costa dos Santos (Salvador, 18 de janeiro de 1963) é um economista, e político brasileiro. Político de esquerda e filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT), é o atual governador do estado da Bahia. Foi eleito em 2014, e com grande apoio popular por causa do seu governo, foi reeleito no primeiro turno na eleição de 2018.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do metalúrgico Clóvis dos Santos e de Maria Luzia Costa dos Santos, ambos falecidos, Rui Costa é natural de Salvador, na Bahia.[2]

Durante a adolescência, cursou parte da educação básica na escola Luiz Tarquínio, no bairro da Boa Viagem, e realizou um curso de instrumentação industrial na Escola Técnica Federal (atual IFBA) da Bahia. Durante a mocidade, chegou a ingressar no curso de Ciências Sociais da Universidade Federal da Bahia (UFBA) mas não chegou a se formar. Ao invés disso, graduou-se em Economia pela mesma universidade.[2]

Aos 22 anos, iniciou sua carreira profissional trabalhando no Polo Petroquímico de Camaçari, onde teve seu primeiro contato com as atividades sindicais chegando a se tornar, mais tarde, diretor do Sindicato dos Químicos e Petroleiros da Bahia, entre os anos de 1984 e 2000, e diretor da Confederação Nacional dos Químicos, entre 1992 e 1998.[3]

Antes de ingressar na vida pública, Rui Costa chegou a trabalhar como técnico de instrumentação, desenhista projetista e projetista industrial nas empresas Copene Petroquímica do Nordeste, em Camaçari, Promon Engenharia e Natron Consultoria e Projetos, ambas em Salvador, e na Terra Passos Projetos, no município de Candeias.[2][3]

Além disso, Rui Costa é casado com a enfermeira Aline Peixoto e tem quatro filhos: Aline, Caio, Marina e Malu.[2][4]

Trajetória política[editar | editar código-fonte]

Rui Costa iniciou sua trajetória política no decorrer da década de 1980, quando participou da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT) na Bahia, ao lado do ex-governador do estado Jaques Wagner.[2]

Em 2000, concorreu pela primeira como vereador de Salvador, tornando-se suplente com 5.835 votos. Em 2004, conseguindo eleger-se ao cargo com 8.901 votos. Em 2006, buscou se eleger ao cargo de deputado federal, mas se tornou suplente com 38.020 votos. Em 2007, durante seu mandato na Câmara Municipal, interrompeu suas atividades para assumir a Secretaria de Relações Institucionais (SERIN) da Bahia a convite do então governador Jaques Wagner, onde permaneceu até 2010.[2][3] Durante o período em que permaneceu na SERIN, desenvolveu um novo modelo de integração entre o executivo e o legislativo estaduais com entes federativos e movimentos sociais. A iniciativa foi reforçada com o lançamento do Sistema de Relacionamento Institucional (SRI), projetado para agilizar o andamento de pleitos e uniformizar o atendimento.[5]

Nas eleições de 2010, Rui Costa concorreu ao cargo de deputado federal pelo PT e conseguiu ser eleito para a 54.ª legislatura com a soma de 212.157 votos.[2] Já na câmara dos deputados, atuou como membro titular das comissões permanentes de Defesa do Consumidor e de Finanças e Tributação. Além disso, também integrou a comissão especial de Segurança Pública e Combate ao Crime organizado (CSPCCO) e foi o relator do projeto de lei (PL) 7579 de 2010 que criou cargos na carreira de diplomata.[2][3]

Entre janeiro de 2012 e abril de 2014, licenciou-se da câmara para assumir como Secretário de Estado da Casa Civil da Bahia no segundo mandato de Jaques Wagner.[3] Durante o período em que permaneceu na Casa Civil, empenhou-se nas áreas de infraestrutura e logística, além de trabalhar em parceria com o governo federal para garantir a ampliação de políticas sociais na Bahia, como os programas de assistência Água para Todos, Luz para Todos e Minha Casa, Minha Vida.[2]

Governador da Bahia[editar | editar código-fonte]

Nas eleições de 2014[6], Rui Costa candidatou-se ao governo da Bahia pelo PT, contando com o apoio do ex-governador Jacques Wagner, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da então presidente da República Dilma Rousseff, à época candidata a reeleição.[7] Ainda no primeiro turno, Rui Costa foi eleito com 54,53% dos votos válidos, derrotando seu principal adversário Paulo Souto do Democratas (DEM), com 37,39% dos votos,[8] e Lídice da Mata, candidata do Partido Socialista Brasileiro (PSB), com 6,62% dos votos.[9]

Nas eleições de 2018 na Bahia, Rui Costa foi novamente eleito governador do estado no primeiro turno com 75,71% dos votos válidos, derrotando José Ronaldo de Carvalho do Democratas (DEM).[10]

Em 2020, a Assembleia Legislativa da Bahia aprovou a reforma da previdência proposta por Rui Costa por 45-9 votos, ela aumenta a idade mínima de aposentadoria dos servidores públicos estaduais para 64 anos e 61 anos dependendo do gênero, com idades especiais aos professores, junto com o aumento da alíquota de contribuição para servidores públicos que ganhem mais de 3 mil reais. As mudanças foram criticados por sindicatos dos servidores públicos e grupos de esquerda que compararam a reforma da previdência com a Reforma da Previdência do governo Jair Bolsonaro, porém Rui Costa defendeu a sua proposta afirmando que era essencial para a salubridade das contas públicas baianas.[11][12][13]

Gabinete[editar | editar código-fonte]

Na posse de seu primeiro governo, o gabinete de Rui Costa foi composto dos seguinte secretários:[14][15]

      PT (10) /       Independente (6) /       PP (2) /       PDT (2) /       PCdoB (2) /       PSB (1) /       PSD (1)

Secretários de Rui Costa
Pasta Incumbente Partido Mandato
Administração Edelvino da Silva Góes Filho   Independente 1 de janeiro de 2015 -
Administração Penitenciária Nestor Duarte   Partido Democrático Trabalhista 1 de janeiro de 2015 -
Agricultura Fernanda Ferreira Mendonça   Partido Democrático Trabalhista 1 de janeiro de 2015 -
Casa Civil Bruno Dauster   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Ciência e Tecnologia Manoel Gomes de Mendonça Neto   Partido Socialista Brasileiro 1 de janeiro de 2015 -
Comunicações André Curvello   Independente 1 de janeiro de 2015 -
Cultura Jorge Portugal   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Desenvolvimento Urbano Carlos Martins   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Desenvolvimento Econômico James Correia   Independente 1 de janeiro de 2015 -
Desenvolvimento Rural Jerônimo Rodrigues   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Direitos Humanos Geraldo Reis   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Educação Osvaldo Barreto   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Fazenda Manoel Vitório   Independente 1 de janeiro de 2015 -
Infraestrutura Marcus Cavalcanti   Partido Social Democrático 1 de janeiro de 2015 -
Infraestrutura Hídrica e Saneamento Cássio Peixoto   Progressistas 1 de janeiro de 2015 -
Meio Ambiente Eugênio Spengler   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Planejamento João Leão   Progressistas 1 de janeiro de 2015 -
Procuradoria Geral Paulo Moreno   Independente 1 de janeiro de 2015 -
Promoção da Igualdade Vera Lúcia Barbosa   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Políticas para Mulheres Olívia Santana   Partido Comunista do Brasil 1 de janeiro de 2015 -
Relações Institucionais Josias Gomes   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Saúde Fábio Vilas-Boas   Independente 1 de janeiro de 2015 -
Segurança Pública Maurício Barbosa   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Turismo Nelson Pelegrino   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2015 -
Trabalho Álvaro Gomes   Partido Comunista do Brasil 1 de janeiro de 2015 -

Na posse de seu segundo governo, o gabinete de Rui Costa foi composto dos seguinte secretários:[16][17][18]

      PT (8) /       Independente (6) /       PP (2) /       PSD (2) /       PCdoB (2) /       PSB (2) /       PDT (1) /       PL (1)

Secretários de Rui Costa
Pasta Incumbente Partido Mandato
Administração Edelvino da Silva Góes Filho   Independente 1 de janeiro de 2019 - presente
Administração Penitenciária Nestor Duarte   Partido Socialista Brasileiro 1 de janeiro de 2019 - presente
Agricultura Lucas Costa   Partido Democrático Trabalhista 1 de janeiro de 2019 - presente
Casa Civil Bruno Dauster   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2019 - presente
Ciência e Tecnologia Manoel Gomes de Mendonça Neto   Partido Socialista Brasileiro 1 de janeiro de 2019 - presente
Comunicações André Curvello   Independente 1 de janeiro de 2019 - presente
Cultura Arany Santana   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2019 - presente
Desenvolvimento Urbano Sérgio Brito   Partido Social Democrático 1 de janeiro de 2019 - presente
Desenvolvimento Econômico João Leão   Progressistas 1 de janeiro de 2019 - presente
Desenvolvimento Rural Josias Gomes   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2019 - presente
Educação Jerônimo Rodrigues   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2019 - presente
Fazenda Manoel Vitório   Independente 1 de janeiro de 2019 - presente
Infraestrutura Marcus Cavalcanti   Partido Social Democrático 1 de janeiro de 2019 - presente
Infraestrutura Hídrica e Saneamento Leonardo Goes   Progressistas 1 de janeiro de 2019 - presente
Justiça Carlos Martins   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2019 - presente
Meio Ambiente João Carlos Oliveira   Partido Socialista Brasileiro 1 de janeiro de 2019 - presente
Planejamento Walter Pinheiro   Independente 1 de janeiro de 2019 - presente
Procuradoria Geral Paulo Moreno   Independente 1 de janeiro de 2019 - presente
Promoção da Igualdade Fabya Reis   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2019 - presente
Políticas para Mulheres Julieta Palmeira   Partido Comunista do Brasil 1 de janeiro de 2019 - presente
Relações Institucionais Cibele Carvalho   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2019 - presente
Saúde Fábio Vilas-Boas   Independente 1 de janeiro de 2019 - presente
Segurança Pública Maurício Barbosa   Partido dos Trabalhadores 1 de janeiro de 2019 - presente
Turismo Fausto Franco   Partido Liberal 1 de janeiro de 2019 - presente
Trabalho Davidson Magalhães   Partido Comunista do Brasil 1 de janeiro de 2019 - presente

Desempenho em eleições[editar | editar código-fonte]

Ano Eleição Candidato a Partido Coligação Suplentes/Vice Votos Resultado
2000 Municipal de Salvador Vereador PT (PT/PCdoB/PPS/PV/PCB) 5.835 Suplente[19]
2004 Municipal de Salvador (PT/PV/PCdoB) 8.901 Eleito[20]
2006 Estaduais na Bahia Deputado Federal Para Bahia Seguir Mudando

(PRB/PP/PDT/PT/ PHS/PSB/PCdoB)

38.020 Suplente[21]
2010 Estaduais na Bahia Para Bahia Seguir Mudando

(PRB/PP/PDT/PT/PHS/PSB/PCdoB)

212.157 Eleito[22]
2014 Estaduais na Bahia Governador Pra Bahia Mudar Mais

(PCdoB/PMN/PR/PDT/PT/PP/PSD/PTB)

João Leão

(PP)

3.558.975 Eleito[23]

1º turno

2018 Estaduais na Bahia Mais trabalho por toda Bahia

(PT/PP/PDT/PSD/PSB/PCdoB/PR/PRP/PMB/PODE/AVANTE/PMN/PROS/PTC)

5.096.062 Eleito[24]

1º turno

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Investigações sobre sua campanha eleitoral[editar | editar código-fonte]

Em 4 de outubro de 2016, a Polícia Federal realizou uma investigação de um esquema de financiamento ilegal de campanhas políticas na Bahia chamada Operação Hidra de Lerna, e que investigou a campanha eleitoral de Rui Costa ao governo do estado. A operação derivou de três colaborações de investigados na Operação Acrônimo, já homologadas pela justiça e em contínuo processo de validação pela Polícia Federal, e que tinha como origem dois novos inquéritos do Superior Tribunal de Justiça (STJ).[25]

Presença da PM em evento com Bolsonaro[editar | editar código-fonte]

Em 23 de julho de 2019, o Presidente Jair Bolsonaro foi a um evento no município de Vitória da Conquista na Bahia com o objetivo de inaugurar um novo aeroporto no município. Antes de chegar, o Presidente escreveu em uma rede social: "- Estou de partida para Vitória da Conquista para inauguração de aeroporto. Lamentável a decisão do governador da Bahia que não autorizou a presença da Polícia Militar para a nossa segurança. Pior ainda, passou a responsabilidade de tal negativa ao seu Comandante Geral."[26] O governador disse que não permitiu a presença da Policia Militar porque ela é uma força estadual e não federal, o porta-voz da presidência rebateu sua fala e afirmou que o decreto que trata da segurança presidencial prevê também o uso das forças de segurança estaduais em eventos locais que envolvam o presidente.[27] O acontecimento ocorreu em meio a criticas do Presidente em quanto aos governadores nordestinos e muitos especularam que o ocorrido foi um ato de retaliação por parte do Governador Rui Costa.[28]

Referências

  1. Carlos Madeiro (7 de outubro de 2018). «Rui Costa é reeleito governador da Bahia; PT ganha 4º mandato seguido». UOL. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  2. a b c d e f g h i FGV 2017.
  3. a b c d e Câmara dos Deputados.
  4. Política Livre 2014.
  5. PRODEB 2019.
  6. Bahia Notícias 2014.
  7. BA, Henrique MendesDo G1 (27 de junho de 2014). «Em Salvador, convenção oficializa candidatura de Rui Costa ao governo». Eleições 2014 na Bahia. Consultado em 29 de julho de 2019 
  8. G1 2014.
  9. «Rui Costa surpreende, vence no 1º turno e mantém PT no poder na BA». UOL Eleições 2014. Consultado em 29 de julho de 2019 
  10. «Rui Costa, do PT, é reeleito governador da Bahia». G1. 7 de outubro de 2018. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  11. «Reforma da Previdência estadual é aprovada na Bahia após invasão de manifestantes». G1. 31 de janeiro de 2020. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  12. Mário Bittencourt (3 de fevereiro de 2020). «Saiba como votaram os deputados baianos na PEC da Previdência». Jornal CORREIO. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  13. Matheus Simoni e Juliana Almirante (27 de janeiro de 2020). «Rui defende reforma da previdência estadual: 'Governador não pode imprimir dinheiro'». Metro 1. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  14. «Rui Costa anuncia primeira lista de secretários estaduais | Política Livre» (em inglês) 
  15. BA, Ruan MeloDo G1 (1 de janeiro de 2015). «Rui Costa é empossado como novo governador da Bahia» 
  16. Alexandre Galvão e Clara Rellstab (29 de janeiro de 2019). «Rui Costa anuncia novo secretariado; confira nomes». Metro 1. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  17. «Rui Costa anuncia quatro novos secretários para o governo». Jornal CORREIO. 18 de fevereiro de 2019. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  18. «Atendimento e contatos das Secretarias e Órgãos | Governo do Estado da Bahia» 
  19. «Resultado da Eleição 2000» 
  20. «Resultado da eleição 2004» 
  21. «A Justiça Eleitoral» 
  22. «Apuração de votos e candidatos eleitos (1º turno) - UOL Eleições 2010» 
  23. «Tribunal Superior Eleitoral» 
  24. «TSE - Divulgação de Resultados de Eleições» 
  25. G1 BA 2016.
  26. «Bolsonaro e governador da Bahia trocam acusações sobre segurança em inauguração de aeroporto». G1. 23 de julho de 2019. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  27. «Bolsonaro diz que governador da Bahia vetou PM em inauguração de aeroporto». Extra Online. Consultado em 29 de julho de 2019 
  28. «Governador da Bahia nega Polícia Militar a Bolsonaro». VEJA. 23 de julho de 2019. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Jaques Wagner
Governador da Bahia
2015 — presente
Sucedido por
-