Rui Mário Gonçalves

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rui Mário Gonçalves
Rui Mário Gonçalves, 2013
Nascimento 12 de outubro de 1934
Abragão, Penafiel
Morte 2 de maio de 2014 (79 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Crítico de arte; historiador de arte

Rui Mário Gonçalves (Abragão, Penafiel, 12 de outubro de 1934 — Lisboa, 2 de maio de 2014) foi um professor, crítico e historiador de arte português.[1]

Biografia / Obra[editar | editar código-fonte]

Irmão de Eurico Gonçalves. Licenciado em Ciências Físico-Químicas pela Universidade de Lisboa, Rui Mário Gonçalves interessou-se desde muito cedo pelas artes plásticas, tendo promovido, no âmbito das associações académicas, diversas exposições didáticas e exposições coletivas de artistas portugueses, entre as quais a Primeira Retrospetiva da Pintura Não-Figurativa Portuguesa (1958).[1]

Iniciou atividade como crítico de arte em 1961. Em 1963 a Fundação Calouste Gulbenkian atribuiu-lhe o Prémio Gulbenkian de Crítica de Arte; nesse mesmo ano partiu para Paris como bolseiro dessa fundação, tendo estudado com Pierre Francastel e outros mestres de renome internacional, regressando a Portugal três anos mais tarde. Desde então desenvolveu diversas atividades de promoção e divulgação de artes plásticas, entre as quais: participação na organização de numerosas exposições de arte moderna, elaboração de catálogos, redação de prefácios e ensaios, colaboração em vários órgãos de comunicação social. Colaborou em jornais como A Capital; Expresso; Diário de Notícias; Jornal de Letras, Artes e Ideias; e em revistas da especialidade, nomeadamente: Arquitetura; Colóquio; Colóquio/Artes. Manteve dois programas quinzenais na RDP (Antena 2): As Cores e as Formas (l980-89); A Dádiva das Formas (l995-2000).[2]

Lecionou no Curso de Formação Artística da Sociedade Nacional de Belas Artes entre 1967 e 1986. Foi docente nas Escolas de Teatro e de Cinema do Conservatório Nacional de Lisboa entre 1972 e 1977. Professor Catedrático Jubilado da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde iniciou atividade docente em 1974, no Departamento de Literaturas Românicas.

Rui Mário Gonçalves Pintura e escultura em Portugal 1940-1980.jpg

Foi membro do Conselho Técnico da Cooperativa Gravura, vice-presidente da Sociedade Nacional de Belas Artes e presidente da secção portuguesa da AICA (Associação Internacional de Críticos de Arte). No final da década de 1960 dirigiu a galeria de arte da Livraria Buchholz, Lisboa. Proferiu inúmeras palestras e conferências, dentro e fora do país; assinou trabalhos em dicionários e enciclopédias; traduziu obras de diversos historiadores de arte; foi autor de vários livros de História da Arte e de monografias sobre artistas.

Entre as suas obras podem destacar-se: Pintura e Escultura em Portugal, l940-1980 (1980); O Imaginário da Cidade de Lisboa (1985); Dez Anos de Artes Plásticas e Arquitetura – 1974-84 (em colaboração com Francisco da Silva Dias, 1985); O Fantástico na Arte Portuguesa Contemporânea (1986); Pioneiros da Modernidade (1986); De 1945 à Atualidade (1986); Cem Pintores Portugueses do Século XX (1986); Arte Portuguesa em 1992 (1992); Arte Portuguesa nos Anos 50 (1996); O Que Há de Português na Arte Moderna Portuguesa (1998); A Arte Portuguesa do Século XX (1998); Vontade de Mudança (2004). Entre as suas monografias sobre artistas plásticos portugueses destacam-se: António Dacosta (1983), Almada Negreiros (2005), Amadeo de Souza-Cardoso (2006), Cruzeiro Seixas (2007).[3]

Rui Mário Gonçalves tinha não apenas um vasto conhecimento mas também uma invulgar capacidade de comunicação, "uma qualidade de presença rara e entusiástica. Em público ou em privado [...] tinha um raro condão, entusiasmava-se e entusiasmava, na rua ou no café, em intermináveis conversas ao falar de pintura e de artistas, as figuras do passado [...] estavam ali connosco, [...] porque elas faziam parte do seu viver e passavam imediatamente a fazer parte do nosso".[4]

Morreu a 2 de Maio de 2014 aos 79 anos de idade.[5]

Referências

  1. a b Biografia de Rui Mário Gonçalves. In: Gonçalves, Rui Mário. Almada Negreiros: O menino de olhos de gigante. Lisboa: Caminho, 2005. ISBN 972-21-1689-4
  2. «Rui Mário Gonçalves». Direção Geral do Livro e das Bibliotecas. Consultado em 2 de maio de 2014 
  3. «Rui Mário Gonçalves». Centro Mário Dionísio. Consultado em 2 de maio de 2014 
  4. Porfírio, José Luís – "Rui Mário 1934-2014", Expresso, 10-05-2014
  5. «Morreu Rui Mário Gonçalves, decano dos críticos de arte contemporânea». Jornal Público. Consultado em 2 de maio de 2014