Rui Reininho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Rui Reininho
Informação geral
Nome completo Rui Manuel Reininho Braga
Nascimento 28 de fevereiro de 1955 (66 anos)
Origem Porto
País Portugal Portugal
Gênero(s) Rock,
Instrumento(s) vocal, guitarra
Período em atividade 1981–actualmente
Página oficial http://www.myspace.com/ruireininho

Rui Manuel Reininho Braga[1] mais conhecido por Rui Reininho[2] (Porto, 28 de Fevereiro de 1955[1]) é um músico português, conhecido sobretudo como vocalista e a principal cara da banda pop rock GNR (Grupo Novo Rock).[3] Rui Reininho é um dos músicos e autores de letras mais respeitados de Portugal,[4] tendo sido descrito como "rei da pop-rock nacional".[5]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho único, nascido e criado no Bonfim, Porto. Na década de 1970, foi hippie, vestindo excentricamente, copiando o seu ídolo David Bowie. Grava em 1977, com Jorge Lima Barreto, no projecto Anar Band. Cria ou colabora nos projectos musicais Espelho e Atitudes.

Em 1981 tornou-se vocalista dos GNR, e depois, o seu principal mentor e figura mais destacada. Com os GNR, Rui Reininho criou uma série de canções que são o espelho da jovem geração burguesa dos anos 80, que cresceu e se tornou adulta a ouvi-los e a admirá-los ao longo de 30 anos: Dunas, Efectivamente, Bellevue, Pós-Modernos, Vídeo Maria, Pronúncia do Norte, Ana Lee ou Morte ao Sol. Efectuou mais de mil espetáculos na Europa, Brasil, EUA, Canadá e Macau. Obteve prémios Jornal Sete, Blitz e Nova Era.

Trabalhou com nomes como Manuela Moura Guedes, Mler Ife Dada, Três Tristes Tigres, Paulo Gonzo e Spray.

É autor dos livros Sífilis versus Bilitis pela '''& etc''' e Líricas Come on & Ana, publicado pela Palavra, onde reúne poemas e letras de canções. Sobre as letras dos GNR, há duas publicações, a biografia dos GNR Afectivamente (Assírio & Alvim) e o livro As letras como poesia (Objecto Cardíaco e Afrontamento) de Vitorino Almeida Ventura.

Em 2005 foi agraciado com a Medalha de Mérito Cultural do Estado Português.[6] Por ocasião do seu 50º aniversário e dos 25 anos dos GNR as Quintas de Leitura, no Teatro do Campo Alegre, no Porto, foram dedicadas à revisão de algumas letras do grupo e foi feito o espetáculo de homenagem intitulado "Egocentro" que teve a participação de Armando Teixeira com quem também colaborou em várias compilações.

Em 2008 lançou seu primeiro álbum a solo, Companhia das Índias.[7]

Em 2014 é lançado o livro "Chá, Café e Etc.", editado pela Tcharan, com ilustrações de Marta Madureira e que inclui um CD com os contributos de Rui Reininho e Armando Teixeira.[8]

Escreveu para os semanários Expresso, Mais Semanário, GQ, site Netparque e Jornal de Notícias. Trabalhou ocasionalmente como actor (por exemplo na série "Cláxon" e no telefilme "Amo-te Teresa") e criou música para teatro e cinema. Lecionou a disciplina de Música de Cinema na Universidade Moderna de Lisboa e a disciplina de Som e Imagem na Universidade Católica do Porto. Foi jurado dos programas A Voz De Portugal e Voice Portugal.[9]

Colaborações[editar | editar código-fonte]

  • Mler Ife Dada - Siô Djuzé (1987)
  • Paulo Gonzo - Coisas Soltas (1999)
  • Spray - Anoiteci... Sem Te Encontrar (1999)
  • O Homem Invisível - Viva Portugal 2000 (2000)
  • Rodrigo Leão - Pásion (2001)
  • Mesa - Luz Vaga (2004)
  • Armando Teixeira - Once In a Lifetime (2004)
  • Kussondulola - Reggae No Porto (2005)
  • A Banda de Poi - O Mapa do Tesouro (2005)
  • NBC - Benvindo Ao Passado (2006)
  • Vozes da Rádio - (2007)
  • Mesa - Bi.polar (UPA) (2008)
  • Armando Teixeira - O Estranho Caso Do Amante Preguiçoso (2008)
  • Vera E Os amigos - Girafo Apaixonado (2008)
  • Paulo Praça - Arquitetura da Ecologia (2010)
  • Tiago Guillul - Nabucodonosor (2010)
  • Enapá 2000 - Pernas Abertas Nas Desertas (2011)

Álbuns solo[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Garcia, Rita. «Rui Reininho: "As pessoas não sabem do sacana ardiloso que está cá dentro"». Observador. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  2. «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (PDF). IGAC/Ministério da Cultura. 25 de julho de 2007. Consultado em 9 de Janeiro de 2014. Arquivado do original (pdf) em 24 de dezembro de 2013 
  3. «Músico Rui Reininho revela a sua maior paixão no IndieJúnior - JN». www.jn.pt. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  4. «A escolha de... Rui Reininho». Caras. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  5. «Vida Extra | Há Casório de Rui Reininho com Duquesa no altar do Pérola Negra». Vida Extra. Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  6. Autores: revista da Sociedade Portuguesa de Autores, Edições 1-8, 2004, p. 210
  7. Portugal, Rádio e Televisão de. «Rui Reininho agora a solo à procura do inesperado em "Companhia das Índias"». Rui Reininho agora a solo à procura do inesperado em "Companhia das Índias". Consultado em 22 de fevereiro de 2020 
  8. «Rui Reininho e Armando Teixeira apresentam "Chá, Café e Etc." em Estarreja | MIP Música». madeinportugalmusica.pt. 25 de fevereiro de 2015. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 
  9. Novais, Vera. «Produtora diz Rui Reininho saiu do programa da RTP1 "porque estava cansado"». Observador. Consultado em 24 de fevereiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cantor é um esboço relacionado ao Projeto Música. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.