Rui Tavares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rui Tavares
Membro do Grupo de Contacto do LIVRE
Período 31 de janeiro de 2014
- 20 de dezembro de 2015
Deputado ao Parlamento Europeu
Período 14 de julho de 2009
- 30 de junho de 2014
Dados pessoais
Nome completo Rui Miguel Marcelino Tavares Pereira
Nascimento 29 de julho de 1972 (48 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade portuguesa
Alma mater Universidade Nova de Lisboa
École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris
Partido LIVRE
Profissão escritor, tradutor, historiador e político
Website Site oficial

Rui Miguel Marcelino Tavares Pereira (Lisboa, 29 de julho de 1972) é um escritor, tradutor, historiador e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Embora natural de Lisboa, Rui Tavares passou parte da sua infância numa aldeia do Ribatejo[1]. Licenciou-se em História, variante de História da Arte, pela Universidade Nova de Lisboa, e doutorou-se em História, pela École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris[2].

É especialista em história e cultura do século XVIII.[3]

Colabora com o jornal Público,[3] a revista Blitz e é comentador residente no programa O Outro Lado na RTP3.

Foi um dos criadores do blogue Barnabé em conjunto com Daniel Oliveira, André Belo, Celso Martins e Pedro Aires Oliveira. Escreve atualmente no blogue pessoal ruitavares.net.

Foi eleito em 2009 deputado para o Parlamento Europeu como independente integrado na lista do Bloco de Esquerda.

Em 2011, Rui Tavares abandonou a delegação do Bloco de Esquerda ao Parlamento Europeu, acusando Francisco Louçã de promover uma “caça ao independente” e de ser incapaz de lidar com opiniões contrárias.[4]

Em junho de 2013, Rui Tavares foi mandatado pelo Parlamento Europeu para apresentar um relatório sobre as preocupações constitucionais húngaras. O Relatório Tavares instou as autoridades húngaras a "implementar o mais rapidamente possível todas as medidas que a Comissão Europeia como guardiã dos tratados julgar necessárias para cumprir plenamente o direito da UE ... [e com] as decisões do Tribunal Constitucional Húngaro. e ... as recomendações da Comissão de Veneza, do Conselho da Europa e de outros organismos internacionais ... "[5][6].

Rui Tavares é um dos fundadores do partido político LIVRE.[7]

Segundo um estudo realizado pela empresa de consultoria de comunicação Imago-Llorente & Cuenca, em parceria com a Universidade Católica Portuguesa, divulgado em março de 2015, Rui Tavares é o político mais influente da rede social Twitter, em Portugal.[8]

Obras[editar | editar código-fonte]

Publicou nas Edições tinta-da-china:

  • O Pequeno Livro do Grande Terramoto (2005, ensaio)[3]
  • Pobre e Mal Agradecido: A Educação Patalógica de Rui Tavares (2006)
  • O Arquitecto (2007, teatro)[3]
  • O Regicídio (2008, com Maria Alice Samara)
  • O Fiasco do Milénio (2009, crónicas)
  • A Ironia do Projeto Europeu (2014)
  • Esquerda e Direita: Guia Histórico para o Século XXI (2015)
  • O Censor Iluminado: Ensaio sobre o Sec. XVIII e a Revolução Cultural do Pombalismo (2018)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.