Rui Zink

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Rui zink)
Ir para: navegação, pesquisa

nove

Rui Zink
Nome completo Rui Barreira Zink
Nascimento 16 de junho de 1961 (56 anos)
Lisboa,  Portugal
Prémios Prémio P.E.N. Clube Português de Novelística (2005)

Prix Utopiales Européen (2017)

Género literário Romance, conto
Movimento literário Pós-modernismo
Magnum opus O Livro Sagrado da Factologia

Rui Barreira Zink (Lisboa, 16 de Junho de 1961) é um escritor e professor universitário português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Enquanto escritor, é autor de vários livros, de entre os quais, ensaios e ficção, se salientam talvez os romances Hotel Lusitano (1987), Apocalipse Nau (1996), O Suplente (1999) e Os Surfistas (2001), e a novela O Anibaleitor (2006).

Colaborou ainda em jornais e revistas, entre os quais o semanário O Independente (1991) e a revista K (1992). Enquanto tradutor, traduziu obras de Matt Groening, Saul Bellow e Richard Zenith.

Rui Zink recebeu o Prémio do P.E.N. Clube Português pelo romance Dádiva Divina (2005), e representou Portugal em eventos como a Bienal de São Paulo, a Feira do Livro de Tóquio ou o Edimburgh Book Festival. Em 2011, foi monitor de dois seminários de escrita no Cairo e, nesse mesmo ano, a convite da organização, o escritor português presente no Parlamento Europeu de Escritores em Istambul.

Com António Jorge Gonçalves, criou os romances gráficos Rei e Arte Suprema.

Em 2012 publicou A Instalação do Medo (levada aos palcos em encenação de Jorge Listopad), livro segundo da tetralogia sobre crise e retórica do horror iniciada em 2008 com O Destino Turístico, continuada em 2014 com A Metamorfose e Outras Fermosas Morfoses e concluída em 2015 com a novela Osso. Em 2017, publicou O livro sagrado da Factologia.

Os Surfistas (2001) é o primeiro romance interactivo online português. A Arte Suprema (1997), com António Jorge Gonçalves, o primeiro romance gráfico português, tanto pelo formato como pelo conteúdo. E, como não há duas sem três, é ainda creditado como um dos pioneiros - ou o - dos cursos de «escrita criativa» em Portugal, no início da década de 90, primeiro na FCSH e depois na Aula do Risco. Hoje dá seminários ocasionais na Escola de Verão da FCSH-UNL ou em outros países.

Livros seus estão traduzidos em: alemão, bengali, croata, francês, hebraico, inglês, japonês, romeno, sérvio. Inseridos em antologias ou outras publicações: búlgaro, chinês, espanhol, finlandês, húngaro, italiano, russo.

Professor Auxiliar na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (desde 1997), licenciou-se na mesma Universidade em Estudos Portugueses (1984) e obteve os graus de Mestre em Cultura e Literatura Popular (com tese sobre José Vilhena em 1989) e de Doutor em Literatura Portuguesa (com uma tese sobre Banda Desenhada em 1997, sendo a primeira a ser apresentada em Portugal sobre o tema). Foi igualmente Professor do Ensino Secundário (1983-1987), Leitor de Língua Portuguesa na Universidade de Michigan (1989-1990), Professor Convidado na Universidade de Massachusetts, Dartmouth (2009-2010)e escritor residente na Escola de Português do Middlebury College, Vermont.

Obra[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • Hotel Lusitano (novela), 1987 ; 2011
  • A realidade agora a cores (contos), 1988
  • Homens-aranhas (novela), 1994
  • Apocalipse nau (novela), 1996
  • A espera (novela), 1998 ; 2007
  • A realidade agora a cores II (contos), 1998
  • O suplente (romance), 1999 ; 2004
  • Os surfistas (romance interativo), des. de Manuel João Ramos, 2001
  • Histórias para ler à sombra (contos) (em colaboração com vários), 2003
  • Até ao oriente & outros contos para Wenceslau de Moraes (contos) (org., vários autores), 2004
  • Dádiva divina (romance), 2004 ; 2007
  • O bicho da escrita (conto), 2004
  • A palavra mágica (contos), 2005
  • O Anibaleitor (novela), 2006
  • A Espera (novela), 2007
  • O destino turístico (romance), 2008
  • O amante é sempre o último a saber (romance), 2011
  • A instalação do medo (romance), 2012
  • A metametamorfose e outas fermosas morfoses (contos), 2014
  • Osso (novela), 2015
  • O livro sagrado da Factologia (romance), 2017

Banda Desenhada[editar | editar código-fonte]

  • A arte suprema (romance gráfico), com António Jorge Gonçalves, 1997 ; 2007
  • O halo casto (banda desenhada), com Luís Louro, 1999
  • Major Alverca (romance gráfico), com Manuel João Ramos, 2003
  • Rei  (romance gráfico), com António Jorge Gonçalves, 2007
  • O Grupo do Leão, com António Jorge Gonçalves

Ensaio, crónica[editar | editar código-fonte]

  • Literatura gráfica? (ensaio), 1999
  • O humor de bolso de José Vilhena (ensaio), 2000
  • José Vilhena - obra gráfica (org. e textos), 2002
  • Luto pela felicidade dos portugueses (crónicas), 2007
  • Os Senhores da Má Língua (diálogo),com Manuel Serrão e Miguel Esteves Cardoso, 2008

Literatura para crianças[editar | editar código-fonte]

  • O bébé que não gostava de televisão, com Manuel João Ramos, 2002
  • O bébé que não sabia quem era, com Manuel João Ramos, 2002
  • O bébé que fez uma birra, com Manuel João Ramos, 2003
  • Viagens na minha terra (versão para jovens), 2008.
  • O Bicho da Sida, com António Jorge Gonçalves, 2009
  • Que aventura ser Matilde, com Paula Delecave, 2015

Teatro e ópera

  • Anjinhos, enc. de Carlos Curto, Aveiro, 1998
  • Os Fugitivos, libreto para ópera de José Eduardo Rocha, Teatro da Trindade, 2002
  • Odionildeizelâve, com Carlos Curto, Teatro do Mar, Aljustrel, 2004
  • SubVersões, enc. de Carlos Curto), CITAC, Coimbra, 2004
  • Onde fica Auschwitz, enc. de Carlos Curto, TAS, Setúbal, 2006
  • Gelo, libreto para mini-ópera de Luís Soldado, S. Luiz, 2008
  • Alfa, mini-ópera de Luís Soldado, S. Luiz, 2009
  • Suite Hotel, ópera de câmara de Luís Soldado, Royal College of Music, Londres, 2011
  • Goldoni Terminus, peça a três mãos a partir de um esquisso de Goldoni, enc. Toni Caffiero, Veneza, 2011
  • Serei eu fugindo, ópera de comboio (Lisboa-Oeiras) de Luís Soldado, 2014
  • Pandora Boxe, enc. de Carlos Curto, TAS, Coimbra, 2014
  • A Instalação do Medo, enc. de Jorge Listopad, Teatro S. Luiz, 2015
  • A Última Ceia, enc. de João Branco, CCP, Mindelo, Cabo Verde,2010
  • Quotidiamo, peça a quatro mãos, enc. de João Branco, CCP, Cabo Verde, 2015
  • Der Installation der Angst, algures na Alemanha, 2016
  • Fuga, enc. Carlos Curto, TAS, Setúbal, 2017

Prémios de obra[editar | editar código-fonte]

  1. Prémio do Festival de BD da Amadora, pelo romance gráfico A arte suprema (1997), em coautoria com António Jorge Gonçalves.
  2. Em 2005, Prémio PEN Club Português de Novelística pela novela Dádiva divina (2004).
  3. Em 2009, Prémio Ciranda pelo romance O destino turístico (2008).
  4. O conto O bicho da escrita foi incluído na shorlist do Prémio Pushcart. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.