Rust (jogo eletrônico)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Rust
Desenvolvedora(s) Facepunch Studios
Publicadora(s) Facepunch Studios
Motor Unity
Plataforma(s) Microsoft Windows
Linux
macOS
PlayStation 4
Xbox One
Lançamento Microsoft Windows, Linux & macOS
11 de dezembro de 2013 (acesso antecipado)
8 de fevereiro de 2018 (lançamento oficial)
PlayStation 4 & Xbox One
2020
Gênero(s) Ação-aventura, sobrevivência
Modos de jogo Multijogador

Rust é um jogo eletrônico de ação-aventura e sobrevivência online desenvolvido e publicado pela Facepunch Studios. Lançado pela primeira vez em dezembro de 2013 como um título de acesso antecipado, o jogo obteve um lançamento completo em fevereiro de 2018. Rust está disponível para Microsoft Windows, macOS e Linux. As versões para os consoles PlayStation 4 e Xbox One foram anunciadas para lançamento em 2020.[1] Rust foi criado inicialmente como um clone de DayZ, um mod popular para ARMA 2, com elementos de crafting semelhantes aos de Minecraft. O objetivo de Rust é sobreviver numa ilha desértica, usando materiais recolhidos ou roubados. Os jogadores devem gerenciar com sucesso sua fome, sede e saúde ou correr o risco de morte. Apesar da ameaça iminente de ursos e lobos, a principal ameaça são os outros jogadores, devido ao fato do jogo ser multiplayer. O combate é realizado através de armas de fogo e armas primitivas, como arcos. Além disso, veículos controlados por personagens não-jogáveis (NPCs) ocasionalmente vagam, atacando jogadores fortemente armados. Estes podem ser derrotados com persistência. Rust apresenta elementos de construção, embora inicialmente limitada até a descoberta de itens específicos no mundo aberto do jogo. Para se manter protegido, os jogadores devem construir bases ou se juntar a clãs para melhorar suas chances de sobrevivência. Um ataque a bases de outros jogadores inimigos é um aspecto importante em Rust e é realizada com mais frequência por grandes clãs.

Rust foi lançado pela primeira vez em dezembro de 2013 para o programa Steam Early Access; esse estado de acesso antecipado agora é conhecido como Rust Legacy. Mais adiante em seu desenvolvimento, a jogabilidade foi alterada significativamente. A vida selvagem perigosa substituiu os zumbis como a principal ameaça ambiental e várias revisões fundamentais do sistema de criação foram lançadas. Em 2014, o jogo foi transportado para o motor gráfico Unity 5, fornecendo mudanças gráficas significativas. Nessa época, Rust havia introduzido cores de skins predeterminadas e o sexo do personagem vinculados aos detalhes da conta dos jogadores na Steam. Apesar de totalmente lançado, o jogo continua recebendo atualizações.

Ao longo da versão alfa de Rust, ele recebeu críticas mistas do público e da crítica, com muitas comparações feitas com outros jogos de sobrevivência. Rust era comumente comparado como sendo uma mistura de DayZ e Minecraft. Durante esse período, os revisores frequentemente observavam a natureza inacabada do jogo. Durante sua fase de pré-lançamento, os críticos elogiaram o conceito e a jogabilidade e, em março de 2017, Rust havia vendido mais de cinco milhões de cópias. Depois de deixar de ser um título de acesso antecipado, ele continuou recebendo críticas mistas dos críticos. Os aspectos de combate e sobrevivência PvP foram destacados por aqueles que gostaram do jogo, embora os críticos tenham criticado a necessidade constante de grinding, juntamente com a dura experiência para iniciantes.

Jogabilidade[editar | editar código-fonte]

Se tratando de um jogo eletrônico somente multiplayer,[2] Rust coloca os jogadores um contra o outro em um ambiente hostil e de mundo aberto, com o único objetivo de sobrevivência. Animais, como lobos e ursos, agem como uma ameaça iminente, mas o principal perigo vem de outros jogadores.[2] A maioria dos mapas são gerados proceduralmente,[3] com exceção da Ilha Hapis, um mapa pré-construído.[3] O combate jogador contra jogador (PvP) é realizado com arcos, armas brancas e armas fabricáveis.[4] Balas e outros projéteis viajam em uma trajetória balística, ao invés de serem diretamente atingidos.[5][6] Existem vários tipos diferentes de balas para cada arma, incluindo alta velocidade e explosivos,[7] permitindo assim uma estratégia mais diversificada.[8] O rastreamento de acertos calcula o dano;[5] tiros na cabeça são mais prejudiciais do que tiros em outras partes do corpo.[9][10] O uso de acessórios para armas, como holosights, fornece uma vantagem sobre os oponentes.[11] Para sobreviver, o jogador deve criar ferramentas, construir bases e se unir a outros jogadores.[12]

Ao começar, um jogador só tem uma pedra e uma tocha. A pedra pode cortar árvores e quebrar rochas. Roupas e comidas podem ser recolhidos matando animais; a mineração fornece pedra, minério de metal e minério de enxofre; e derrubar árvores fornece madeira.[13] Para sobreviver no mundo, o jogador deve reunir recursos e usá-los para criar ferramentas, armas e outros equipamentos.[14] Para criar itens, o jogador deve ter uma quantidade suficiente de todos os materiais necessários,[15] com itens avançados que precisam de componentes mais obscuros espalhados pelo mapa.[16] Existem limitações impostas à quantidade de itens fabricáveis, com projetos que permitem a criação de itens mais avançados.[15] Um elemento importante em Rust é o abastecimento aéreo.[17] Trata-se de paletes de suprimentos equipados com paraquedas, entregues por um avião de apoio. Eles podem ser vistos em distâncias extremamente longas, às vezes resultando em jogadores correndo em direção ao abastecimento aéreo.[10] Também existem outras entidades que lançam pilhagem avançada, incluindo um helicóptero de ataque[8] e o CH-47 Chinook. Ambos viajam aleatoriamente pelo mapa e tentam matar jogadores. Além disso, o Chinook viaja para um monumento escolhido aleatoriamente encontrado no mundo do jogo e solta uma caixa de suprimentos trancada que abre após um período de tempo, convidando interações PvP.[18] Existem veículos operáveis ​​por jogadores em Rust. Os barcos são usados ​​para percorrer longas distâncias através da água e alcançar itens valiosos.[19] Alguns veículos aéreos, como balões de ar quente, também podem ser usados ​​para explorar o mapa rapidamente. Esses veículos controlados por jogadores, ao contrário das entidades ofensivas da IA, podem ser destruídos por mísseis superfície-ar que os jogadores podem posicionar fora das bases.[20][21]

O jogador deve permanecer bem alimentado ou morrerá de fome. Existem outros desafios que o jogador deve superar durante o jogo, como afogamentos, hipotermia e ataques à vida selvagem - principalmente ursos e lobos.[22] Locais específicos ao redor do mapa são radioativos. Existem quatro níveis de radiação: menor, baixo, médio e alto. A armadura ou a roupa correta deve ser usada para entrar nessas áreas; não fazer isso pode resultar em morte.[23] Após a morte, uma tela com a opção de reaparecer em um local aleatório ou em um saco de dormir colocado antes aparece. O reaparecimento redefine o inventário do jogador com a pedra e a tocha. O principal conceito de Rust é formar um clã. Os clãs geralmente criam moradias para seus membros, dão itens e suprimentos uns aos outros e participam de ataques e saques organizados .[24][25][26] As zonas seguras, chamadas de Compounds, oferecem aos jogadores um lugar para trocar recursos, negligenciados por torres automáticas de alto dano automatizadas que disparam contra qualquer pessoa que sacar uma arma, desencorajando a traição. Além disso, esses jogadores traiçoeiros serão marcados como hostis por um período de tempo predeterminado.[27]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Em acesso antecipado[editar | editar código-fonte]

Rust recebeu críticas mistas após o lançamento de sua versão alfa, com muitos revisores denotando a natureza inacabada do jogo e a sua falta de polimento.[28][29] Andy Chalk, da PC Gamer, disse que Rust era um ótimo uso do acesso antecipado e, embora os desenvolvedores "estejam longe de terminá-lo", ele está "pronto para ser jogado".[30] Shaun McInnis, da GameSpot, disse que a versão inicial de 2014 era "áspera" e "cheia de bugs", mas "divertida" e que "tinha potencial".[29] Matthew Cox, da Rock, Paper, Shotgun, disse que foi inteligente da parte dos desenvolvedores mudarem para o motor gráfico Unity no final de 2014 devido à instabilidade do jogo. Na revisão de Cox, ele observou muitas falhas na versão final de 2014, incluindo animais que não respondiam, problemas de framerate e servidores instáveis.[3] Mitch Dyer, da IGN, não gostou do combate, chamando Rust de um jogo "semi-quebrado" onde ele se sentia "incapaz de recomendar".[31]

Outros jogos como The Forest, Just Survive, ARK: Survival Evolved[32] e 7 Days to Die foram comparados a Rust por conta de seus aspectos de sobrevivência em mundo aberto, além de terem uma mecânica de criação semelhante ao de Rust.[33] Luke Plunkett, da Kotaku, observou as semelhanças, dizendo que parecia que alguém havia pensado em um jogo pelo qual DayZ e Minecraft poderiam ser jogados simultaneamente.[34] Dyer, da IGN, ao criticar Rust devido aos seus bugs, chamou partes da experiência de "totalmente inesquecíveis" e muitas vezes "imprevisíveis".[31]

A incapacidade de escolher e projetar o personagem foi elogiada e criticada. O canal no Youtube Extra Credits, elogiou Rust por promover a diversidade ao selecionar aleatoriamente a cor de um jogador no jogo. Interligar a cor e o sexo do personagem ao ID da Steam forçou os jogadores a experimentar o jogo de uma maneira diferente da que normalmente poderiam experimentá-lo, talvez promovendo empatia por alguém de uma etnia diferente.[35] David Craddock, da Shacknews, criticou a falta de comunicação entre a Facepunch e a comunidade quando eles adicionaram modelos femininos.[36] Em resposta a essas críticas, Garry Newman comentou que sentiu um certo receio em adicionar a característica racial, temendo que ela pudesse ser vista como o modelo de personagem original "enegrecido". Ele enfatizou que a etnia escolhida era permanente - "assim como na vida real, você é quem você é."[37] Newman discutiu o raciocínio por trás de não fornecer a opção de escolher o gênero e a raça de seus personagens em um artigo no The Guardian, dizendo que Rust é sobre sobrevivência, não sobre caracterização e identidade. "Queríamos que a aparência dos jogadores fosse consistente ao longo do tempo. Eles deveriam ser reconhecidos de maneira consistente e a longo prazo."[38] As vendas aumentaram 74% logo após a adição de modelos femininos.[39][40]

Vendas[editar | editar código-fonte]

Nas primeiras duas semanas da versão alfa de Rust, o jogo vendeu mais de 150.000 cópias,[41] em comparação com as 34.000 cópias de Garry's Mod vendidos na primeira semana.[42] As vendas de Rust atingiram um milhão de cópias depois de ser um título de acesso antecipado por apenas dois meses,[43] e durante fevereiro de 2014, o jogo ultrapassou Garry's Mod em termos de vendas, perfazendo mais de US$ 30 milhões.[44] Até o final de 2015, três milhões de cópias haviam sido vendidas.[45] Em março de 2017, o jogo havia vendido mais de 5,2 milhões de unidades, com mais de 1,2 milhão de skins vendidas.[46]

Lançamento completo[editar | editar código-fonte]

 Recepção
Resenha crítica
Publicação Nota
Destructoid 8/10[47]
Game Informer 6.5/10[48]
GameSpot 3/10[49]
IGN 7/10[15]
PC Gamer 80/100[24]
GameStar 69/100[50]
Pontuação global
Publicação Nota média
Metacritic 69/100[51]

Após o seu lançamento completo, Rust recebeu críticas "mistas ou medianas" de acordo com o agregador de resenhas Metacritic.[51] Os críticos elogiaram os aspectos de combate, dificuldade e sobrevivência de PvP, enquanto a moagem e a experiência elevada de novos jogadores sofreram críticas.[50][52][24]

Muitos críticos notaram que, embora começar de novo fosse frustrante, o combate era gratificante. Por exemplo, Luke Winkie, da PC Gamer, resumiu o jogo dizendo: "Acorde nu, corra pela sua vida, faça coisas horríveis entre si. Não há narrativa, mito ou condição de vitória".[24] Ele descreveu a experiência como iniciante de "bastante espinhosa", mas continuou a elogiar o combate, brincando dizendo que "conectar [um] machado com a cabeça de um idiota é ótimo". Gloria Manderfeld, escritora da revista alemã GameStar, ecoou essas opiniões, acrescentando que havia pouco jogo final além do PvP. No entanto, ela opinou que o PvP em si era "eficaz".[50] Ray Porreca, da Destructoid, descreveu o combate como a "carne" do jogo. No entanto, ele escreveu que a experiência variaria dependendo do desejo de lutar. "Se você pode olhar para além de uma comunidade que tende a ser tóxica, as vastas planícies e marcos tombados de Rust são um excelente cenário para contar histórias dirigidas por jogadores e momentos dramáticos".[47] Em uma análise negativa, Alessandro Barbosa, da GameSpot, disse que toda a experiência foi insatisfatória. Ele descreveu o jogo como "faltando certos recursos criativos", como a capacidade de redesenhar facilmente as bases.[49]

O desdém em relação à experiência como um novo jogador foi observado em conjunto com a necessidade de grinding e com o quão isso se tornou repetitivo. Na crítica da IGN, o jogo foi descrito como "esperando o jogador a gastar todo o seu tempo de jogo, temendo que, caso contrário, resultará em sendo invadido e necessitando começar novamente."[15] Javy Gwaltney, da Game Informer, reiterou isso, explicando que foi desmotivador quando eles morreram apenas porque entraram em contato com alguém mais experiente.[48] Concordando com a descrição de Manderfeld,[50] em uma revisão atualizada, Cox disse que sua paciência se esgotou depois de um tempo. Ele disse que, embora manter as barras de saúde pode ter sido uma vez agradável, ele recusou tal possibilidade em 2018.[52]

No entanto, alguns críticos elogiaram a dificuldade do jogo mencionando a satisfação que sentiram após conseguir sobreviver com sucesso. Porreca recomendou o jogo para aqueles que desejam dedicar tempo, dizendo que o jogo oferece "um sandbox social e um sistema de crafting profundo e funcional".[47] Winkie manifestou interesse na necessidade de gerenciar a fome, a sede e a saúde enquanto aprendia mais e descobria itens melhores. Ele também expressou um sentimento de apreço pelos dedicados ao jogo, mencionando os vídeos do YouTube de grandes ataques de múltiplos clãs. Ele concluiu sua revisão dizendo que todos deveriam experimentar Rust devido à sua diferença em relação a outros jogos.[24] Cox concordou em observar que a brutalidade do jogo apenas aumentou a gratificação que um jogador sentiu quando conseguiu ter sucesso.[52]

A recepção para os gráficos foi mista. Os críticos elogiaram o ambiente, mas criticaram as animações e os modelos dos personagens.[48] Barbosa descreveu as animações como "rígidas e não naturais" e os modelos "feios e sem graça".[49] Além disso, a maneira como Rust usa o som foi elogiada por Gwaltney, que o explicou como "convincente" devido à maneira como os jogadores precisam ouvir os outros para sobreviverem.[48]

Referências

  1. Good, Owen S. (14 de novembro de 2019). «Rust comes to PS4 and Xbox One next year». Polygon. Consultado em 17 de novembro de 2019 
  2. a b «5 Video Games to Play if You Like 'Minecraft'». CheatSheet. 30 de junho de 2015. p. 4. Consultado em 1 de julho de 2015 
  3. a b c Cox, Matthew (26 de novembro de 2014). «Impressions: Rust's New Version». Rock, Paper, Shotgun. Consultado em 28 de junho de 2016 
  4. Caldwell, Brendan (28 de março de 2014). «To Hell With Other People: Nine Lives in Rust». Rock, Paper, Shotgun. Consultado em 22 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2016 
  5. a b Chalk, Andy (5 de junho de 2017). «A new Rust update promises to make the gunplay feel more like a 'traditional' FPS». PC Gamer. Future plc. Consultado em 16 de junho de 2017. Cópia arquivada em 16 de junho 2017 
  6. «Devblog 163». Facepunch Studios. 7 de junho de 2017. Consultado em 1 de setembro de 2018. Cópia arquivada em 1 de setembro de 2018 
  7. Newman, Garry; Berry, Maurino; Straubmeier, André; Agust, Petur; Butters, Thomas; Mayeur, Vincent; Bradley, Paul; Teixeira, Diogo; Rehberg, Alex (4 de junho de 2015). «Devblog 63». Facepunch. Consultado em 29 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 29 de agosto de 2018 
  8. a b Zacny, Rob (7 de março de 2016). «Premature Evaluation: Rust». Rock, Paper, Shotgun. Consultado em 28 de junho de 2016. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2016 
  9. O'Connor, Alice (17 de agosto de 2015). «Lubed: Rust Tackles Its Creaky Gunplay». Rock, Paper, Shotgun. Consultado em 31 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2018 
  10. a b Stanton, Rich (7 de janeiro de 2014). «Impressions: Rust». Rock, Paper, Shotgun. Consultado em 22 de outubro de 2016 
  11. Prescott, Shaun (21 de setembro de 2015). «Streaming Rust just got safer with new Streamer Mode». PC Gamer. Future plc. Consultado em 22 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2016 
  12. Livingston, Christopher (26 de março de 2014). «Rust diary, part 2: "It's hard to kill a naked jumping man"». PC Gamer. Future plc. Consultado em 1 de julho de 2015 
  13. Chalk, Andy (23 de janeiro de 2014). «Rust guide: Surviving your first day». PC Gamer. Future plc. Consultado em 1 de julho de 2015 
  14. MacDonald, Keza (8 de janeiro de 2014). «In Rust, Your Best Friend is a Rock». IGN. Consultado em 1 de julho de 2015. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2016 
  15. a b c d GB Burford (28 de fevereiro de 2018). «Rust Review». IGN. Ziff Davis. Consultado em 10 de março de 2018 
  16. Paget, Mat (7 de novembro de 2016). «Latest Rust update removes XP and levelling». PC Gamer. Future plc. Consultado em 7 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2016 
  17. Pearson, Dan (20 de janeiro de 2014). «"Rust has made about 40% of what GMod made in 9 years"». GamesIndustry. Gamer Network. Consultado em 30 de dezembro de 2017 
  18. O'Connor, Alice (6 de abril de 2018). «Rust adds boats, improves forests, deploys choppers». Rock, Paper, Shotgun. Consultado em 25 de junho de 2018 
  19. Livingston, Christopher (7 de abril de 2018). «Rust's first player-controlled vehicle has arrived, and it's a boat». PC Gamer. Future plc. Consultado em 25 de junho de 2018 
  20. Livingston, Christopher (3 de novembro de 2018). «Rust now has hot air balloons and missiles that can shoot them down». PC Gamer. Future plc. Consultado em 8 de novembro de 2018 
  21. «The Air Power Update». Facepunch (em inglês). 7 de fevereiro de 2019. Consultado em 9 de maio de 2019 
  22. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Tips1
  23. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome devblog134
  24. a b c d e Winkie, Luke (19 de fevereiro de 2018). «Rust Review». PC Gamer. Future plc. Consultado em 27 de junho de 2018 
  25. Dyer, Mitch; Elliott, Shawn (19 de fevereiro de 2014). «Rust Letters: On Deception, Destruction, Grief, and Griefing». IGN. Ziff Davis. Consultado em 31 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2018 
  26. Pearson, Dan (20 de janeiro de 2014). «"Rust has made about 40% of what GMod made in 9 years"». Gamesindustry.biz. Gamer Network. Consultado em 31 de agosto de 2018. Cópia arquivada em 31 de agosto de 2018 
  27. Chalk, Andy (4 de maio de 2018). «Rust gets a safe zone in the new Compound Update». PC Gamer. Future plc. Consultado em 25 de junho de 2018. Cópia arquivada em 6 de maio de 2018 
  28. Purslow, Matt (16 de janeiro de 2015). «Rust Early Access review: one year on». PCGamesN. Network N. Consultado em 2 de julho de 2015. Cópia arquivada em 2 de julho de 2015 
  29. a b McInnis, Shaun (28 de janeiro de 2014). «Rust Early Access Review». GameSpot. Consultado em 28 de junho de 2016. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  30. Chalk, Andy (10 de janeiro de 2014). «Rust alpha review». PC Gamer. Future plc. Consultado em 2 de julho de 2015. Cópia arquivada em 2 de julho de 2015 
  31. a b Dyer, Mitch (20 de dezembro de 2013). «Rust: The Terrifying Minecraft + DayZ Open World Survival Sim». IGN. Consultado em 28 de junho de 2016 
  32. Chalk, Andy (2 de julho de 2015). «Ark: Survival Evolved sells one million copies in less than a month». PC Gamer. Future plc. Consultado em 6 de julho de 2015 
  33. Ross, Andrew (8 de maio de 2014). «Rust, H1Z1, and the emerging 'survival MMO' genre». Engadget. AOL. Consultado em 10 de junho de 2015. Cópia arquivada em 30 de junho de 2015 
  34. Plunkett, Luke (9 de janeiro de 2014). «Rust Is DayZ vs Minecraft, And It Will Kick Your Ass». Kotaku. Gawker Media. Consultado em 28 de junho de 2016. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2016 
  35. Extra Credits (27 de maio de 2015). «Rust - Representing Race in Games - Extra Credits». YouTube. Consultado em 31 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2015 
  36. Craddock, David (18 de abril de 2016). «Opinion: How Facepunch failed to communicate gender assignment in Rust». Shacknews. Consultado em 14 de junho de 2016. Cópia arquivada em 14 de junho de 2016 
  37. Starkey, Daniel (26 de março de 2015). «Rust Experiments With Racial Empathy, Randomly Assigns Skin Color». GameSpot. Consultado em 2 de novembro de 2015. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2016 
  38. Newman, Garry (14 de abril de 2016). «Why my videogame chooses your character's race and gender for you». The Guardian. Consultado em 14 de junho de 2016 
  39. Seppala, Timothy (23 de abril de 2016). «Sales skyrocketed after 'Rust' added female character models». Engadget (em inglês). AOL. Consultado em 28 de junho de 2016. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2016 
  40. Grayson, Nathan (22 de abril de 2016). «Rust's Controversial Random Gender Update Has Led To More Players». Kotaku (em inglês). Gawker Media. Consultado em 28 de junho de 2016 
  41. Wawro, Alex (3 de janeiro de 2014). «Garry's Mod creator finds unexpected success with new game Rust». Gamasutra. UBM TechWeb. Consultado em 5 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2016 
  42. Newman, Garry (3 de janeiro de 2014). «GMod vs Rust Launch». Facepunch. Consultado em 12 de fevereiro de 2016 
  43. Petitte, Omri (11 de fevereiro de 2014). «Rust hits 1 million sales after two months». PC Gamer. Future plc. Consultado em 11 de fevereiro de 2014 
  44. Sarkar, Samit (21 de fevereiro de 2014). «Garry's Mod sales hit $30M, Rust eclipses it». Polygon. Vox Media. Consultado em 2 de julho de 2015 
  45. Sykes, Tom (24 de dezembro de 2015). «Rust sales pass the three million mark». PC Gamer. Future plc. Consultado em 3 de janeiro de 2015. Cópia arquivada em 21 de setembro de 2016 
  46. «Community Update 127». 14 de março de 2017. Consultado em 3 de julho de 2017. Cópia arquivada em 4 de julho de 2017 
  47. a b c Porreca, Ray (19 de fevereiro de 2018). «Review: Rust». Destructoid. Consultado em 17 de junho de 2018. Cópia arquivada em 25 de junho de 2018 
  48. a b c d Gwaltney, Javy (13 de fevereiro de 2018). «More Rough Than Diamond - Rust - PC». Game Informer. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  49. a b c Barbosa, Alessandro (17 de fevereiro de 2018). «Rust Review: Life Is Fleeting». GameSpot. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 
  50. a b c d Maderfeld, Gloria (1 de março de 2018). «Rust im Test - Zwischen Steinzeit und menschlichen Abgründen». GameStar (em alemão). Webedia. Consultado em 27 de junho de 2018. Cópia arquivada em 30 de março de 2018 
  51. a b «Rust for PC Reviews». Metacritic. CBS Interactive. Consultado em 17 de junho de 2018. Cópia arquivada em 17 de junho de 2018 
  52. a b c Cox, Matt (12 de fevereiro de 2018). «Wot I Think: Rust». Rock, Paper, Shotgun. Consultado em 13 de fevereiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]