Ruth Guimarães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ruth Guimarães
Nascimento 13 de junho de 1920
Cachoeira Paulista
Morte 21 de maio de 2014 (93 anos)
Cidadania Brasil
Alma mater Universidade de São Paulo
Ocupação poetisa, cronista, jornalista, escritora, romancista

Ruth Guimarães Botelho (Cachoeira Paulista, 13 de junho de 1920 - Cachoeira Paulista, 21 de maio de 2014) foi uma poetisa, cronista, romancista, contista e tradutora brasileira[1].

Foi a primeira escritora brasileira negra que conseguiu projetar-se nacionalmente desde o lançamento do seu primeiro livro, o romance Água Funda, em 1946.

Com dez anos de idade, publicou os seus primeiros poemas em jornais da terra natal. Com 18 anos mudou-se para a cidade de São Paulo e já com 19 anos consegue publicar "Caboclo[2]", seu primeiro poema impresso em jornal da capital. Alguns anos depois, formou-se em Filosofia pela USP. Profissionalizou-se como jornalista e colaborou assiduamente na imprensa paulista e carioca, além da seção permanente que manteve durante vários anos na Revista do Globo, de Porto Alegre. Escreveu crônicas para grandes jornais como Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo. Tinha uma coluna semanal de crônicas no jornal Valeparaibano, de São José dos Campos. Ruth Guimarães foi eleita no dia 5 de junho de 2008 para ocupar a cadeira número 22 da Academia Paulista de Letras[3]. Em 1972 Ruth Guimarães fundou e presidiu em Cachoeira Paulista a Academia Cachoeirense de Letras (atual Academia Cachoeirense de Letras e Artes, ACLA), primeira academia de letras da região valeparaibana. Era madrinha da Academia de Letras de Lorena, dando posse aos membros em 16 de agosto de 2009.

Bibliografia parcial[editar | editar código-fonte]

  • Água Funda. Porto Alegre, Edição da Livraria do Globo, 1946
  • Os Filhos do Medo. Porto Alegre, Editora Globo, 1950
  • Mulheres Célebres. São Paulo, Editora Cultrix, 1960
  • As Mães na Lenda e na História. São Paulo, Editora Cultrix,1960
  • Líderes Religiosos. SãoPaulo, Editora Cultrix, 1961
  • Lendas e Fábulas do Brasil. São Paulo, Editora Cultrix, 1972
  • Dicionário de Mitologia Grega. São Paulo, Editora Cultrix, 1972
  • O Mundo Caboclo de Valdomiro Silveira. Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora/Secretaria de Cultura, Esportes e Turismo do Estado de São Paulo/Instituto Nacional do Livro,1974
  • Grandes Enigmas da História. São Paulo, Editora Cultrix,1975
  • Medicina Mágica: as simpatias. São Paulo, Global Editora,1986
  • Lendas e Fábulas do Brasil. SãoPaulo, Círculo do Livro,1989
  • Crônicas Valeparaibanas. São Paulo, Centro Educacional Objetivo/Fundação Nacional do Tropeirismo,1992
  • Contos de Cidadezinha. Lorena,Centro Cultural “Teresa D’Ávila”, 1996
  • Calidoscópio – A Saga de Pedro Malazarte. São José dos Campos, JAC Editora, 2006.
  • Histórias de Onça. São Bernardo do Campo, Usina de Idéias Editora, 2008. Volume I do Projeto Macunaíma.
  • Histórias de Jabuti. São Bernardo do Campos: Usina de Idéias Editora, 2008. Volume II do Projeto Macunaíma.
  • Colaboração na revista luso-brasileira Atlântico [4].

Traduções[editar | editar código-fonte]

  • O asno de ouro. Introdução e tradução direta do latim. São Paulo, Cultrix, 1963.
  • Histórias Fascinantes, de Honoré de Balzac: seleção, tradução e prefácio – São Paulo, Editora Cultrix, 1960
  • Os Mais Brilhantes Contos de Dostoievski, de Fiodor Dostoievski. Introdução, seleção e tradução. Rio de Janeiro, Edições de Ouro, 1966
  • Contos de Dostoievski. Introdução, seleção e tradução. São Paulo, Editora Cultrix, 1985
  • Contos de Alphonse Daudet. Seleção e prefácio. Tradução: Ruth Guimarães e Rolando Roque da Silva. São Paulo, Editora Cultrix, 1986
  • Contos de Balzac. Seleção, tradução e prefácio. São Paulo, Editora Cultrix,1986;
  • Os Melhores Contos de Alphonse Daudet. Seleção e prefácio. Tradução: Ruth Guimarães e Rolando Roque da Silva. São Paulo, Círculo do Livro,1987
  • Os Melhores Contos de F. Dostoievski. Tradução, seleção e introdução. São Paulo, Círculo do Livro, 1987
  • Os Melhores Contos de Balzac. Seleção, tradução e prefácio. São Paulo, Círculo do Livro, 1988
  • Buda e Jesus, diálogos. Tradução: Ruth Guimarães e Joaquim Maria. São Paulo: Cultrix, 1989.

Referências

  1. Morre a escritora Ruth Guimarães Estadão
  2. D'Onofrio, Silvio Tamaso (1 de janeiro de 2020). «Ruth Guimarães: uma romancista negra na imprensa brasileira dos anos 1940». Rio de Janeiro, v. 33, n. 1, p. 189-203, jan./abr. 2020. "Acervo - Revista do Arquivo Nacional". Consultado em 1 de maio de 2020 
  3. «Academia Paulista de Letras - Acadêmicos Anteriores». Academia Paulista de Letras - APL. Consultado em 8 de outubro de 2020 
  4. Helena Roldão (12 de Outubro de 2012). «Ficha histórica:Atlântico: revista luso-brasileira (1942-1950)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 25 de Novembro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.