Ruth de Souza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ruth de Souza
Ruth de Souza em 1968
Nome completo Ruth Pinto de Souza
Nascimento 12 de maio de 1921
Rio de Janeiro, DF
Nacionalidade brasileira
Morte 28 de julho de 2019 (98 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Ocupação atriz
Atividade 1945–2018
Outros prêmios
Lista
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Ruth Roberta de Souza.

Ruth Pinto de Souza (Rio de Janeiro, 12 de maio de 1921Rio de Janeiro, 28 de julho de 2019) foi uma atriz brasileira. Considerada uma das grandes damas da dramaturgia brasileira e a primeira grande referência para artistas negros na televisão por seus papéis notáveis.[1]

Ruth destacou-se por ser a primeira atriz negra a protagonizar uma telenovela na Rede Globo em A Cabana do Pai Tomás (1969) — e a segunda na televisão brasileira, após Yolanda Braga, em A Cor da Sua Pele (1965) na TV Tupi — além da primeira artista brasileira indicada ao prêmio de melhor atriz em um festival internacional de cinema, por seu trabalho em Sinhá Moça (1954) no Festival de Veneza.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância[editar | editar código-fonte]

Ruth de Souza nasceu no subúrbio carioca, no bairro do Engenho de Dentro. Mudou-se para uma fazenda em Porto do Marinho, em Minas Gerais onde viveu até os nove anos de idade.[3] Com a morte do pai, ela e a mãe voltaram a morar no Rio, em uma vila no bairro de Copacabana.[3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ruth de Souza interessou-se pelo teatro ainda na infância. Em 1945 adentrou ao grupo Teatro Experimental do Negro (TEN), liderado por Abdias do Nascimento,[3][4] abrindo caminho para o artista negro no Brasil, participando, ao lado de outras mulheres negras, sendo em 1945 o primeiro grupo de teatro negro a subir ao palco do Teatro Municipal do Rio de Janeiro com a peça O Imperador Jones, de Eugênio O'Neill.[3][4]

Em 1959, viveu outro momento especial no palco, ao protagonizar Oração para uma Negra, de William Faulkner, com Nydia Lícia e Sérgio Cardoso, no Teatro Bela Vista, em São Paulo.[5]

Em 1948 ganhou uma bolsa de estudos da Fundação Rockefeller, por indicação de Paschoal Carlos Magno, passando um ano nos Estados Unidos, estudando na Universidade Howard, em Washington, na escola de teatro Karamu House, Cleveland,[6] e também na Academia Nacional do Teatro, em Nova Iorque.[3][6] No mesmo ano estreou no cinema, no filme Terra Violenta, baseado no romance Terras do Sem-Fim, de Jorge Amado. Participou de inúmeras produções, tais como Falta Alguém no Manicômio (1948), Também Somos Irmãos (1949), Ângela (1951) e Terra É Sempre Terra (1952). Em 1953, conquistou reconhecimento nacional por sua participação no filme Sinhá Moça, que impulsionou sua carreira de atriz cinematográfica,[7] que resultou em ser a primeira artista brasileira indicada a um prêmio internacional de cinema, no Festival de Veneza de 1954, na categoria de Melhor Atriz.[8]

Na década de 1950, começa a participar de radionovelas e a atuar nos teleteatros da TV Tupi e teatros. Por sua atuação em 1959 na peça "Oração para uma Negra", de William Faulkner com o grupo Nydia LíciaSérgio Cardoso. recebeu os principais prêmios da temporada.[4] Na década seguinte, alcança o sucesso na televisão com a telenovela A Deusa Vencida, de Ivani Ribeiro, na TV Excelsior. Em 1969 se tornou a primeira atriz negra a protagonizar uma telenovela na Rede Globo em A Cabana do Pai Tomás — e a segunda na televisão brasileira, após Yolanda Braga, em A Cor da Sua Pele (1965) na TV Tupi.[9][10][11]

Em 2016, a atriz foi homenageada no Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília.[4] Em 2019 foi novamente homenageada, agora no carnaval carioca pela escola de samba Acadêmicos de Santa Cruz, com o enredo Ruth de Souza – Senhora Liberdade. Abre as Asas Sobre Nós.[12]

Morte[editar | editar código-fonte]

A atriz faleceu em 28 de julho de 2019, aos 98 anos, quando internada no centro de Tratamento Intensivo do Hospital Copa D'Or, em Copacabana, na Zona Sul do Rio, em tratamento de uma pneumonia.[13][6]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Notas
1951–55 Grande Teatro Tupi Várias personagens
1965 A Deusa Vencida Narcisa[14]
1968 Passo dos Ventos Mãe Tuiá[15]
1969 A Cabana do Pai Tomás Cloé[16]
Verão Vermelho Clementina[17]
1970 Assim na Terra Como no Céu Isabel[18]
Pigmalião 70 [19]
1971 O Homem Que Deve Morrer Maria das Dores[20]
1972 Bicho do Mato Zilda da Conceição[21]
1973 O Bem Amado Chiquinha do Parto[22]
Os Ossos do Barão Elisa[23]
1974 O Rebu Lurdes[24]
1975 Helena Madalena[25]
O Grito Albertina[26]
1976 Duas Vidas Elisa[27]
1977 Sinhazinha Flô Justa[28]
1978 Sinal de Alerta Adelaide Santiago[29]
1980 Olhai os Lírios do Campo Mariana[30]
1982 Sétimo Sentido Jerusa Bueno[31]
1983–84 Caso Verdade
1984 Corpo a Corpo Jurema Nascimento Rangel[32]
1986 Sinhá Moça Balbina[33]
Cambalacho Mãe Aparecida[34]
Os Trapalhões Mãe do Mussum
1987 Mandala Maria José Barbosa (Zezé)[35]
Expresso Brasil Chiquinha do Parto
1988 Fera Radical Cecília[36]
1989 Pacto de Sangue Mãe Quitinha[37]
1990 Rainha da Sucata Juíza Elizabeth[38]
1992 De Corpo e Alma Amiga de Calu[39]
1993 Você Decide Episódio: "A Cor do Amor"
1994 Memorial de Maria Moura Siá Mena[40]
1995 Você Decide 2 episódios
1996 Quem É Você? Isolina Barroso[41]
1997 Você Decide Episódio: "Enrascada"
2000 Isaura Episódio: "A Mãe Preta"
2001 O Clone Mocinha da Silva[42]
2004 Senhora do Destino Marina Cazarredo[43] Episódio: "28 de junho "
2006 Sinhá Moça Mãe Maria[44]
2007 Amazônia, de Galvez a Chico Mendes Madrinha Entrevada[45]
Duas Caras Tia Nena[46]
2008 Faça Sua História Passageira[47] Episódio: "Super-Mamãe Suzete"
2010 Na Forma da Lei Velha Oxalá[48]
2018 Mister Brau Ela mesma[49] Episódio: "1 de maio"
Se Eu Fechar os Olhos Agora Madalena dos Santos[50][51]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem
1948 Terra Violenta Empregada
Falta Alguém no Manicômio Júlia
1949 Também Somos Irmãos Rosália
1950 A Sombra da Outra
Aglaia
1951 Ângela Divina[52]
Terra É sempre Terra Bastiana
1953 Sinhá Moça Balbina
1954 Candinho Dona Manuela
1956 Quem Matou Anabela?
1957 Osso, Amor e Papagaios Benedita
1958 Ravina Mariana[53]
1959 Fronteiras do Inferno
1960 Mistério da Ilha de Vênus Mama Rata
Favela
1961 Bruma Seca Luísa[54]
A Morte Comanda o Cangaço Rezadeira
1962 O Assalto ao Trem Pagador Judith
1963 O Cabeleira Jovina[55]
Gimba, o Presidente dos Valentes Chica[56]
1968 O Homem Nu Testemunha de Jeová
1974 Pureza Proibida Mãe Cotinha
1975 Ana, a Libertina Empregada[57]
1976 Um Homem Célebre
1977 Quem Matou Pacífico?
Ladrões de Cinema Rainha Louca[58]
1980 Fruto do Amor Ana Maria
1987 Jubiabá
1994 Boca Srª. Esteban
1999 Um Copo de Cólera
2000 A Negação do Brasil Ela mesma
2003 O Aleijadinho: Paixão, Glória e Suplício Joana Lopes
2004 As Filhas do Vento Maria Aparecida[59]
Domingo Maria[60]
2005 Durvalino Senhora[61]
2015 O Vendedor de Passados Dona Célia
2022 Primavera (póstuma) Josephina / Matilda / Madre Amélia[62]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Ano Título
1945 O Imperador Jones
1946 Todos os Filhos de Deus têm Asas
O Moleque Sonhador
1947 O Filho Pródigo
Terras do Sem-Fim
1948 Recital Castro Alves
A Família e a Festa na Roça
1949 Aruanda
Filhos de Santo
1950 Calígula
1958 Vestido de Noiva
1959–60 Oração Para uma Negra
1961 Quarto de Despejo
1964 Vereda da Salvação
1967 O Milagre de Anne Sullivan
1978 A Revolução dos Patos
1980 Passageiros da Estrela
1983 Requiém para uma Negra
1994 Anjo Negro

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Premiação Categoria Trabalho Resultado Ref.
1954 Festival Internacional de Cinema de Veneza Leão de Ouro Sinhá Moça Indicada [63][8]
1976 Troféu APCA Melhor Atriz Coadjuvante Pureza Proibida Venceu
2004 Festival de Gramado Melhor Atriz As Filhas do Vento Venceu [64]
2006 Prêmio Contigo! de Cinema Nacional Melhor Atriz (júri) Indicada [65]
2016 Prêmio Guarani de Cinema Brasileiro Guarani Honorário
Conjunto da Obra
Venceu
2018 5º Festival Brasil de Cinema Internacional Melhor Atriz Coadjuvante Primavera Venceu [66]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

  • 2013: Homenageada pelo Grande Prêmio do Cinema Brasileiro de 2013[67] pelo Conjunto da Obra.[68]
  • 2017: Prêmio Dandara da ALERJ (premiação dedicada à pessoas que contribuem para a valorização da mulher negra no Rio).[69]
  • 2019: Homenageada pela escola de samba carioca Acadêmicos de Santa Cruz no Carnaval daquele ano, com o enredo "Ruth de Souza – Senhora liberdade. Abre as asas sobre nós".[70]
  • 2021: No dia 12 de março, data do centésimo ano de nascimento de Ruth Souza, o Google homenageou a atriz através de seu doodle.[71]

Referências

  1. Hanuska, Bertoia (10 de maio de 2021). «Conheça a história de Ruth de Souza no cinema». Agora São Paulo. Consultado em 12 de maio de 2021 
  2. «Wálter Negrão - Teledramaturgia». Teledramaturgia. Consultado em 6 de janeiro de 2013. Arquivado do original em 5 de agosto de 2014 
  3. a b c d e http://www.funarte.gov.br, Funarte-. «Biografia de Ruth de Souza». Fundação Nacional de Artes - Funarte. Brasil Memória das Artes. Consultado em 12 de maio de 2021 
  4. a b c d «Conheça dez maravilhosas damas dos palcos e das telas brasileiras». Metrópoles. Consultado em 3 de fevereiro de 2017. Arquivado do original em 8 de setembro de 2020 
  5. «Ruth de Souza». Memória Globo. Consultado em 12 de maio de 2020 
  6. a b c «Morre Ruth de Souza, aos 98 anos». Revista Quem. Consultado em 28 de julho de 2019 
  7. Xavier, Nilson. «A TV deveu grandes papeis a Ruth de Souza, sempre escalada para coadjuvantes». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  8. a b «Ruth de Souza: Doodle do Google homenageia 100º aniversário da atriz». TechTudo. Consultado em 12 de maio de 2021 
  9. Junqueira, Cristiane. «Biografia de Ruth de Souza». Fundação Nacional de Artes. Brasil Memória das Artes. Consultado em 8 de abril de 2016. Ruth Pinto de Souza nasce no Rio de Janeiro em 12 de maio de 1921. 
  10. G1 (28 de julho de 2019). «Atriz Ruth de Souza morre no Rio aos 98 anos». Globo.com. Consultado em 28 de julho de 2019 
  11. Xavier, Nilson. «A Cor da Sua Pele». Teledramaturgia. seção Bastidores. Consultado em 7 de agosto de 2019 
  12. Gomes, Laís (2 de março de 2019). «Ruth de Souza, homenageada da Santa Cruz: "Medo de a chuva estragar tudo"». UOL. Consultado em 12 de maio de 2020 
  13. «Atriz Ruth de Souza morre no Rio aos 98 anos». G1. Consultado em 28 de julho de 2019 
  14. Xavier, Nilson. «A Deusa Vencida». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  15. Xavier, Nilson. «Passo dos Ventos». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  16. Xavier, Nilson. «A Cabana do pai Tomás». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  17. Xavier, Nilson. «Verão Vermelho». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  18. Xavier, Nilson. «Assim na Terra Como no Céu». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  19. «Pigmalião 70». memoriaglobo.com. Consultado em 6 de abril de 2018 
  20. Xavier, Nilson. «O Homem Que Deve Morrer». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  21. Xavier, Nilson. «Bicho do Mato». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  22. Xavier, Nilson. «O Bem Amado». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  23. Xavier, Nilson. «Os Ossos do Barão». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  24. Xavier, Nilson. «O Rebu». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  25. Xavier, Nilson. «Helena». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  26. Xavier, Nilson. «O Grito». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  27. Xavier, Nilson. «Duas Vidas». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  28. Xavier, Nilson. «Sinhazinha Flô». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  29. Xavier, Nilson. «Sinal de Alerta». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  30. Xavier, Nilson. «Olhai os Lírios do Campo». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  31. Xavier, Nilson. «Sétimo Sentido». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  32. Xavier, Nilson. «Corpo a Corpo». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  33. Xavier, Nilson. «Sinhá Moça». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  34. Xavier, Nilson. «Cambalacho». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  35. Xavier, Nilson. «Mandala». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  36. Xavier, Nilson. «Fera Radical». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  37. Xavier, Nilson. «Pacto de Sangue». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  38. Xavier, Nilson. «Rainha da Sucata». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  39. Xavier, Nilson. «De Corpo e Alma». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  40. Xavier, Nilson. «Memorial de Maria Moura». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  41. Xavier, Nilson. «Quem É Você?». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  42. Xavier, Nilson. «O Clone». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  43. Xavier, Nilson. «Senhora do Destino». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  44. Xavier, Nilson. «Sinhá Moça». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  45. Xavier, Nilson. «Amazônia, de Galvez a Chico Mendes». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  46. «Duas Caras». memoriaglobo.com. Consultado em 6 de abril de 2018 
  47. «Faça Sua História». memoriaglobo.com. Consultado em 6 de abril de 2018 
  48. Xavier, Nilson. «Na Forma da Lei». Teledramaturgia. Consultado em 12 de maio de 2020 
  49. «Ruth de Souza participará de episódio de 'Mister Brau'». O Globo. Consultado em 1 de maio de 2018 
  50. «Aos 96 anos, Ruth de Souza voltará à TV em próxima minissérie da Globo». NaTelinha. Consultado em 2 de abril de 2018 
  51. Douglas Pinto (26 de janeiro de 2018). «Globo escala atriz Ruth de Souza, de 96 anos, para nova minissérie de Ricardo Linhares». A Hora News. Consultado em 4 de novembro de 2018 
  52. «Ângela». Cinemateca Brasileira. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  53. «Ravina». Cinemateca Brasileira. Consultado em 25 de fevereiro de 2017 
  54. «Bruma Seca». Cinemateca Brasileira. Consultado em 2 de março de 2017 
  55. «O Cabeleira». Cinemateca Brasileira. Consultado em 2 de março de 2017 
  56. «Gimba». Cinemateca Brasileira. Consultado em 2 de março de 2017 
  57. «Ana, a Libertina». Cinemateca Brasileira. Consultado em 2 de março de 2017 
  58. «Ladrões de Cinema». Cinemateca Brasileira. Consultado em 6 de abril de 2018 
  59. «Mulheres do Cinema Brasileiro: Ruth de Souza». Mulheres do Cinema Brasileiro. Consultado em 2 de março de 2017 
  60. «Domingo». Porta Curtas. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  61. «Durvalino». Porta Curtas. Consultado em 14 de setembro de 2020 
  62. ZAGOLIN, Uiara (7 de março de 2018). «Filme Primavera estreia em Festival português». namidia.net.br. Consultado em 5 de junho de 2018 
  63. jornalmulier.com.br/ Cinema brasileiro homenageia Ruth de Souza, a primeira atriz brasileira indicada a um prêmio internacional de cinema e a primeira atriz negra protagonista de uma novela no Brasil
  64. revistaquem.globo.com/ Festival de Gramado premia Vida de menina e Filhas do vento
  65. clickpb.com.br/ 2 Filhos de Francisco se consagra no Prêmio Contigo! de Cinema
  66. namidia.net.br/ Premiação do 5º Festival Brasil de Cinema Internacional
  67. g1.globo.com/ Grande Prêmio do Cinema Brasileiro anuncia finalistas e votação popular
  68. ocafe.com.br/ Ruth de Souza, uma das maiores divas do cinema e do teatro brasileiro
  69. oglobo.globo.com/ Ruth de Souza ganha o Prêmio Dandara da Alerj
  70. «Carnaval 2019». GRES Acadêmicos de Santa Cruz. Consultado em 12 de maio de 2020 
  71. «Quem é Ruth de Souza, a homenageada de hoje do doodle do Google». www.uol.com.br. Consultado em 12 de maio de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Laurent Desbois: L´Odyssée du cinéma brésilien, de l´Atlantide à la Cité de Dieu (Editions L´Harmattan, Paris 2010)
  • Laurent Desbois: La renaissance du cinéma brésilien (Editions L´Harmattan, Paris 2010)
  • Laurent Desbois: A Odisseia do Cinema Brasileiro : da Atlântida à Cidade de Deus (Companhia das Letras, 2016)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]