Ruy Mesquita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ruy Mesquita
Em abril de 2004, na cerimônia de entrega do Prêmio Personalidades da Comunicação, no Centro de Convenções, em São Paulo.
Nascimento 16 de abril de 1925
São Paulo
Morte 21 de maio de 2013 (88 anos)
São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Jornalista

Ruy Mesquita (São Paulo, 16 de abril de 1925 — São Paulo, 21 de maio de 2013) foi um jornalista brasileiro.

Filho do jornalista Júlio de Mesquita Filho, Ruy Mesquita cursou a Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, mas acabou trocando os estudos jurídicos pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.[1]

Passou a trabalhar no jornal O Estado de S. Paulo em 1948 e tornou-se editor da seção internacional. Ao cabo da Revolução Cubana, foi o único jornalista brasileiro a entrevistar Fidel Castro, sendo homenageado pelo presidente daquele país no ano seguinte. Em 1966, assumiu a direção do recém-criado Jornal da Tarde, diário que revolucionou a linguagem do jornalismo brasileiro.

Após a morte de seu irmão Julio de Mesquita Neto, em 1996, assumiu a direção do Estadão.[1]

Morreu em 21 de maio de 2013, em decorrência de um câncer na base da língua.[2][1] Casado com Laura Maria Sampaio Lara Mesquita, teve os filhos Ruy, Fernão, Rodrigo e João, doze netos e um bisneto. Com velório em sua residência no Pacaembu, e com sepultamento no Cemitério da Consolação, ambos na capital paulista.[3]

Referências

  1. a b c «Morre o jornalista Ruy Mesquita, diretor de 'O Estado de S. Paulo'». G1. 21 de maio de 2013. Consultado em 21 de maio de 2013 
  2. «Morre Ruy Mesquita, diretor de 'O Estado de S. Paulo'». O Estado de S.Paulo. 21 de maio de 2013. Consultado em 21 de maio de 2013 
  3. «Corpo de Ruy Mesquita, diretor do "Estadão", é enterrado no Cemitério da Consolação». UOL. 22 de maio de 2013. Consultado em 24 de maio de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.