São Caetano (Madalena)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Freguesia de São Caetano
 Portugal São Caetano  
—  Freguesia  —
Costa da região de São Caetano, mostrando áreas desabitadas da Terra de Pão, com a freguesia de São Caetano ao fundo.
Costa da região de São Caetano, mostrando áreas desabitadas da Terra de Pão, com a freguesia de São Caetano ao fundo.
Brasão de armas de São Caetano
Brasão de armas
São Caetano está localizado em: Açores
São Caetano
Localização de São Caetano nos Açores
Coordenadas 38° 28' 6" N 28° 23' 56" O
País  Portugal
Região Flag of the Azores.svg Açores
Concelho MAD.png Madalena
 - Tipo Junta de freguesia
Área
 - Total 24,36 km²
População (2011)
 - Total 480
    • Densidade 19,7/km2 
Código postal 9950-422 São Caetano MAD
Orago São Caetano

São Caetano é uma freguesia portuguesa do concelho da Madalena, com 24,36 km² de área e 480 habitantes (2011), uma densidade de 19,7 hab/km² e dista da cede do concelho 18.00 quilómetros.

Esta freguesia que tem como santo padroeiro São Caetano de Thiene é a mais jovem freguesia do concelho da Madalena do Pico, tendo sido elevada ao estatuto de freguesia em 2 de Outubro de 1880.

A sua posição geográfica coloca-a na costa sul do concelho e da ilha, entre as freguesias de São Mateus e os lugares da Ponte de São Macário e de Santa Margarida, junto a uma extraordinária baía onde assenta o Porto da Praínha do Galeão.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Evolução da População Entre 1890 e 2011[editar | editar código-fonte]

Evolução da  População  1890 / 2011; Variação da População  1890 / 2011;


Evolução dos Grupos Etários Entre 2001 e 2011[editar | editar código-fonte]

Nº de habitantes por grupos etários – 2001; Nº de habitantes por grupos etários –   2011;

São Caetano, paisagem.
São Caetano, porto picatório.
São Caetano, corrais de vinhas.
Adegas abandonadas nas vinhas de São Caetano.
São Caetano, adegas abandonadas nas vinhas de São Caetano.

Dada a proximidade desta localidade com a Montanha do Pico sofre a influência desta no clima, particularmente na pluviosidade causada pela condensação das neblinas que com os seus 2351 metros de altitude a montanha faz condensar.

A encosta da Montanha virada a esta localidade apresenta grandes e profundas ravinas, fortemente relacionadas com o declive acentuado da mesma e com a rápida descida das águas pluviais.

Mais uma vez, e devido à proximidade da Montanha, com quem está intimamente interligada, tem dentro dos seus 24,36 quilómetros quadrados várias elevações a ter em conta, nomeadamente o Cabeço da Prainha, o Queiró com 1487 metros de altitude, O Valagão com 679 metros de altitude e a Lomba de São Mateus com os seus 1474 metros.

Tendo em atenção as elevações aqui existentes esta freguesia apresenta vários cursos de água, nomeadamente a Ribeira da Calheta, a Ribeira da Prainha, a Ribeira Grande e a Ribeira Nova.

A nível de percursos pedestres, destacam-se os antigos trilhos, que na pratica eram acessos quase directos entre a baía e o seu porto, com o interior numa altura em que não havia estradas.

Estes trilhos situados entre o mar e a montanha, levam os caminhantes por paisagens idílicas perdidas entre as montanhas onde o estonteante verde das florestas da Laurissilva típicas da Macaronésia é uma constante.

Estas antigas veredas, algumas centenárias, são em si mesmas um património insofismável que levam o caminhante por entre um rico património paisagístico. De entre estes trilhos destacam-se o Trilho da Canada de São Caetano que tem início junto à Prainha do Galeão numa escadaria; O Trilho da Canada da Ribeira da Prainha, que fazia a ligação entre a Prainha do Galeão e a parte superior da freguesia de São Caetano e que era usado por pescadores e baleeiros; o Trilho do Largo das Fontes, que fazia a ligação da localidade com as pastagens de São Caetano e famoso pelas várias fontes que se encontram pelo caminho.

Localizada praticamente no sopé da Montanha do Pico, uma vez que a montanha nesta parte da ilha faz um cota de declive extremamente acentuado é a freguesia da ilha mais próxima da referida montanha.

Os primeiros povoadores das novas terras eram geralmente quem atribuía os nomes às terras que passavam a povoar, esta toponímia variava muito consoante os factores existentes. Neste caso esteve relacionado com a devoção da população com o santo católico São Caetano, sacerdote de Vicenza.

Este santo foi eleito como orago do novo povoado e foi Francisco Pires Flores quem mandou construir uma ermida em honra deste santo.

Igualmente foram os povoadores que atribuíram o nome à localidade da Prainha do Galeão, nome que recua ao Século XVI e assinala a memória do barco, possivelmente um galeão, que, neste século, Garcia Gonçalves Madruga, então Capitão-mor, mandou construir a expensas suas de forma a pagar uma dívida que tinha para com o rei D. João III de Portugal.[1]

Corria o ano de 1878 deu-se início à construção da Igreja de São Caetano, obra que teve algumas dificuldades, entre elas a falta de madeiras adequadas ao que se pretendia. Outro facto que causou substancial atraso na obra foi a ocorrência de uma tempestade que levou à destruição de muito do trabalho então em curso.

Por destino, ou não, reza a história que nessa altura aconteceu o naufrágio na Prainha do Galeão de uma embarcação proveniente Vicenza carregado de trigo cujas madeiras do casco forneceram a madeira que faltava para a finalização da obra.

Durante muitos séculos as actividades ligadas ao cultivo da terra foram as principais fontes de riqueza dos povos desta localidade, e apesar de a agro-pecuária e a pesca estarem ainda entre as principais fontes de riqueza dos povos de São Caetano, tem surgido outras actividades como a carpintaria, a panificação, o comércio e o turismo, que tem diversificado os modo de viver das populações.[2]

Aqui se localiza a Prainha do Galeão e o Porto da Praínha do Galeão também denominado na gíria como Porto de São Caetano.

Localidades da Freguesia[editar | editar código-fonte]

Património construído[editar | editar código-fonte]

Referências