São José da Laje

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de São José da Laje
"Princesa das Fronteiras"
Bandeira de São José da Laje
Brasão de São José da Laje
Bandeira Brasão
[[1]]
Aniversário 28 de julho
Fundação 28 de julho de 1876 (141 anos)
Gentílico lajense
Prefeito(a) Rodrigo Valença (PMDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de São José da Laje
Localização de São José da Laje em Alagoas
São José da Laje está localizado em: Brasil
São José da Laje
Localização de São José da Laje no Brasil
09° 00' 36" S 36° 03' 28" O09° 00' 36" S 36° 03' 28" O
Unidade federativa  Alagoas
Mesorregião Leste Alagoano IBGE/2008 [1]
Microrregião Serrana dos Quilombos IBGE/2008 [1]
Região metropolitana Zona da Mata
Municípios limítrofes Ibateguara, União dos Palmares, Santana do Mundaú e Canhotinho (PE).
Distância até a capital 97 km
Características geográficas
Área 264,674 km² [2]
População 22 689 hab. IBGE/2010[3]
Densidade 85,72 hab./km²
Altitude 256 m
Clima Tropical
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,668 médio PNUD/2000 [4]
PIB R$ 127 878,689 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 5 574,24 IBGE/2008[5]
Página oficial

São José da Laje é um município brasileiro localizado no estado de Alagoas. Pertencente à Mesorregião do Leste Alagoano e à Microrregião Serrana dos Quilombos, localiza-se a norte da capital do estado, distante cerca de 98 quilômetros e faz limite com as cidades Canhotinho ao norte, União dos Palmares ao Sul, Ibateguara a leste e Santana do Mundaú a oeste.  Sua população estimada foi estimada em 2015 pelo IBGE em 24.140 habitantes. Sendo uma das principais cidades da zona da mata Alagoana. Considerada a "Princesa da Fronteiras" por ser uma cidade organizada e acolhedora e também fazer divisa com o estado de pernambuco.

São José da Laje é uma cidade banhada pelo Rio Canhoto.

História[editar | editar código-fonte]

A origem do povoado de São José da Laje está ligada às primeiras expedições comerciais feitas entre Porto Calvo, Porto de Pedras e outros municípios situados no litoral norte, além de algumas cidades de Pernambuco como Rio Formoso, Cabo de Santo Agostinho e Serinhaém. Sua expansão, no entanto, deveu-se realmente a motivos religiosos. Em 1828, já havia uma doação feita por José Vicente de Lima e sua mulher, Angélica de Mendonça, a São José. Eles doaram 100 mil réis de terra. O casal era dono de um antigo engenho de açúcar onde mais tarde se instalou a fazenda Boa Esperança. O contorno das terras doadas não era bem definido mas citava o rio canhoto, no ponto onde está hoje a cidade. Em 28 de julho de 1876, o povoado era desenvolvido e se chamava Laje do Canhoto. A Assembléia Provincial o elevou à categoria de vila, com o título de São José da Laje.

Para a Laje foi, também, a sede do município de Imperatriz (hoje União dos Palmares), através da Lei 737, de 1876, que terminou não sendo cumprida. Pela resolução 896, de 1886, ficou criado o município de São José da Laje, com os mesmos limites da freguesia, mas judicialmente ligado a União dos Palmares. Só com a Constituição de 1935 é que o município teve assegurada a comarca.

Turismo[editar | editar código-fonte]

•Usina Serra Grande

Fundada em 1894 no engenho Serra Grande pelo Coronel Carlos Benigno Pereira de Lyra, é marco maior da economia municipal lajense.

Casa dos Signos

Conhecida também como Solar dos Pinheiros, teve sua construção iniciada em 1952, e concluída em junho de 1954; é estilo greco-romano.

Igreja Matriz de São Carlos / São José (estilo Barroco).

Construída em 17 de janeiro de 1923, pelo coronel Carlos Lyra, que veio a falecer em 11 de junho de 1924, deixando os trabalhos já bastante adiantados. Com sua morte a viúva D. Severina Lyra e seus filhos se comprometeram em dar continuidade da nova matriz, o que cumpriram, sendo a mesma inaugurada em 17 de abril de 1929.

Funções Administrativas[editar | editar código-fonte]

Distrito criado com a denominação de São José da laje, pela lei provincial nº 885, de 30-06-1882. Elevado à categoria de vila com denominação de São José da Laje, pela resolução provincial ou pela lei provincial nº 681, de 24-04-1875 e por lei provincial nº 737, de 0707-1876.

Suprimida pela lei provincial nº 956, de 13-07-1885

Restaurado pela lei nº 986, de 28-06-1886.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído do distrito sede.Elevado à categoria de cidade com a denominação de São José da Laje, pela lei estadual nº 681, de 16-06-1920.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído do distrito sede. Em divisão territorial datada de 31-XII-1936, o município aparece constituído de 3 distritos: São José da Laje, Canastra e Piquete. Em divisão territorial datada de 31-XII-1937, o município é constituído de 2 distritos: São José da Laje e Piquete. Não figurando o distrito de Canastra. Pelo decreto-lei estadual nº 2909, de 30-12-1943, o distrito de Piquete passou a denominar-se Ibateguara.

No quadro fixado para vigorar em 1949-1953, o município é constituído de 2 distritos: São José da Laje e Ibategura, ex Piquete. Pela lei estadual nº 2076, de 19-11-1957, desmembra do município de São José da Laje o distrito de Ibateguara. Elevado à categoria de município. Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído do distrito sede.

Atualmente o prefeito da cidade o é Bruno Rodrigo Valença de Araújo, eleito para o período 2016 a 2020.

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

O município conta atualmente com três Pousadas, seis restaurantes, Dois bancos federais, Um hospital, 29 escolas públicas municipais, Duas escolas públicas estaduais e ainda o Poló da Universidade Aberta do Brasil (UAB).

No transporte, o município é servido pelas rodovias federais, BR-104 e BR-416, estaduais: AL-110 e pela ferrovia através da antiga Rede Ferroviária Federal S/A, atual CFN (Companhia Ferroviária do Nordeste)

.Na comunicação, o município conta com a agência da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e emissora de rádio local (Laje FM).

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

  • Rio Canhoto
  • Rio Inhumas
  • Riacho Seco
  • Green Belt

Principais acessos[editar | editar código-fonte]

Dados complementares[editar | editar código-fonte]

  • Hospitais: 1
  • Postos de Saúde: 6
  • Escolas de Ensino Fundamental: 27
  • Escolas de Ensino Médio: 2
  • Agências Bancárias: 2

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 24 de outubro de 2011 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Alagoas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.