São José dos Salgados

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
São José dos Salgados
  Distrito do município de Carmo do Cajuru  
Igreja de São José.
Igreja de São José.
Localização
São José dos Salgados está localizado em: Minas Gerais
São José dos Salgados
Localização em Minas Gerais
Coordenadas 20° 5' 13" S 44° 46' 39" O
Nrasil  Brasil
Estado Minas Gerais
Município Carmo do Cajuru
Características geográficas
Altitude 850 m

São José dos Salgados é um distrito brasileiro do município de Carmo do Cajuru, estado de Minas Gerais.[1] Sua população é estimada em 5.000 habitantes e possui 1.700 eleitores (2010).

Geografia[editar | editar código-fonte]

Fica localizado na Região Centro Oeste do Estado de Minas Gerais, a cerca de 850m acima do nível do mar, às margens da Rodovia MG 050, ligado por estrada pavimentada a 100 km da capital mineira e de Furnas, a 12 km da sede do município, a 12 km de Divinópolis e a 20 km de Itaúna.

Localização geográfica: 20'05.220" Sul e 44'46.645" Oeste, limitando-se pelo Rio Pará, a partir da foz do Rio Itapecerica, daí rio acima até a foz do Corrégo da Mangonga, até sua nascente e no divisor de águas, até a nascente do Córrego Baraúnas (região da Pedra Negra-Igaratinga)), seguindo até o Ribeirão dos Morais e depois sobe até o Morro do Milagroso ou Morro dos Cajús, até o Alto do Pau Torto (próximo ao Posto Karrão), descendo pelas águas vertentes até o Rio Pará na foz do Rio Itapecerica. Limites geográficos: ao Sul- Carmo do Cajuru (sede do município), ao Leste - Itaúna e Igaratinga, ao Norte - São Gonçalo do Pará e ao Oeste - Divinópolis. Possui as cachoeiras: do Lão, do Gafanhoto, da Fina e do Macuco e é banhado pelo Rio Pará (afluente do Rio São Francisco), Córregos da Mangonga, dos Mangues, Areias, Fazenda Nova, Baraúnas e Ribeirão dos Morais. Os pontos mais altos: Serra do Mato Escuro e dos Mangues.

História[editar | editar código-fonte]

O Distrito de São José dos Salgados foi elevado à categoria de Distrito pela Lei Estadual nº 1.039, de 12 de dezembro de 1953,[2] e o nome remonta ao lugar denominado fazenda do "Salgado".

Quanto ao nome, há variações entre "São José do Salgado ou dos Salgados". Os primitivos povoadores foram os Alves Salgados, que deram o nome a fazenda de sua propriedade e, em 1785, já habitavam a região, desde as Três Barras e Pedra Negra (Igaratinga),até a Prata (São Gonçalo do Pará), perto do Rio Pará. Versão dos antigos, São José dos Salgados surgiu onde hoje é um antigo quintal, com velhas jabuticabeiras e outras espécies, que pertenceu a Joaquim Cordeiro, ao lado do Córrego Salgado, afluente do Ribeirão dos Morais, que ganha este nome ao cair na Córrego Fazenda Nova. Este local fora a antiga fazenda dos Alves Salgado, que era um local de troca de querosene e "sal", vindos do Rio de Janeiro ou de São Paulo, por produtos da terra, como rapadura, toucinho, farinha. Na Fazenda dos Alves, adquiria-se o "sal"; daí os "Alves do sal ou Alves dos Salgados e Alves Salgados, Salgados e hoje São José dos Salgados".

Entretanto os Alves Salgado descendem da família Salgado do reino da Galiza, Espanha, tronco da família de Francisco Alves Salgado e Maria Alves Ribeiro, onde fixaram residência e os descendentes deram-lhe o nome, de acordo com Salvador de Moya,[3] e onde se construiu a Capela de N. S. do Rosário, em meados de 1890, próximo do caminho para Belo Horizonte, e ao seu redor fixou-se o povoado, onde ainda hoje existem as antigas casas de famílias da época.

Posteriormente, foi construída a Igreja de São José - Padroeiro da Comunidade, onde o povoado sedimentou e experimenta desenvolvimento. O traçado da comunidade e a aparência da igreja foi do Sr. Vicente Luiz Quadros - o Buque, e sua construção deu-se pelo esforço popular e a liderança do Padre José de Queiróz; após cada celebração de missa, reunia os fiéis que extraíam pedras na região dos Mangues, transportadas em vários carros de boi, para o construção da igreja. Os fundadores do Distrito foram os Gomes Pinheiro e o Português Manoel José Quadros, doadores da gleba de terra. A primeira capela foi construída na década de 1890 e o primeiro batizado realizado em 3 de novembro de 1895 (no maior altar da capela do Rosário, no lado direito do piso, existe uma peça de madeira esculpida com a data do ano da sua construção).

O cemitério de muro de pedras teve o primeiro sepultamento em 7 de maio de 1914 e foi ampliado em 1986. A igreja de São José foi inaugurada em 10 de abril de 1946, sendo que até 2010 a cumieira da igreja era a mesma da época da sua construção, uma única peça de madeira doada por um fazendeiro da região denominada Mato Escuro. No mesmo ano foi realizada a 1ª Festa da Semana Santa, e a primeira Escola foi criada pela Lei Municipal de Itaúna, nº 11, de 20 de maio de 1903, mas a primeira Professora de Salgados foi nomeada apenas em 29 de maio de 1933; a Escola Rural foi criada em 6 de setembro de 1944 e a Escola Estadual, em 29 de maio de 1959; em 1998, foi criada a Escola Municipal São José. Possui cartório desde 1957, sendo o primeiro registro de nascimento datado de 15 de setembro de 1957; o primeiro óbito foi registrado em 24 de setembro de 1957 e o primeiro casamento em 4 de novembro de 1957. Possui banda de música da cidade desde 1959.

Em 1966 recebeu energia elétrica; Polícia Militar, desde 1981 e Posto de Saúde, desde 1992. Em 11 de novembro de 1988 foi inaugurado o Posto Telefônico "Pedro Capitão", que funcionou até receber a telefonia fixa residencial. Possui infraestrutura como linhas regulares de ônibus, telefones e Internet. Socialmente possui a Guarda Mirim, fundada em 27 de março de 2002, foram realizadas quatro edições da Gincana da Liberdade em 21 de abril; Festa de Natal, Passeio Ciclístico e Congado. Tem representação política desde 1953 na Câmara Municipal de Carmo do Cajuru.

Hoje conta com agência bancária, dois supermercados, duas padarias, dois açougues, lojas de eletrodomésticos e confecções, papelaria, bares, sorveteria, farmácia, uma empresa de ônibus de turismo, serviços de água tratada e esgoto, coleta de lixo. O distrito já contou com uma boate, já desativada, localizada em um galpão atingido em 2013 por forte tempestade e vento.[4]

O distrito mantém uma "Comissão Pró-emancipação", adiada com o PLS 98/02,do Senado Federal. Localizado às margens da estrada rodoviária MG 050, conta com mais de 600 residências, prédios públicos.

Apesar de contar com diversos tipos de profissionais, o distrito não comporta o exercício de atividades especializadas, sendo geralmente necessário o deslocamento da maioria desses profissionais a cidades próximas como Divinópolis, Itaúna, a sede Carmo do Cajuru, entre outras cidades[carece de fontes?]. Foi criada a ASAL - Academia Salgadense de Artes e Letras, idealizada pela Escritora Maria de Fátima Quadros, fundada em 19 de março de 2010, cuja formação está em andamento. O morador mais antigo do Distrito é o Sr. Antonio Batista Quadros, nascido em 13/06/1912, com 101 anos e foi destaque na Revista VIVER Brasil, na coluna Personagem, edição 105.[5]

Política[editar | editar código-fonte]

O Distrito foi sempre representado na Câmara Municipal de Carmo do Cajuru. Vereadores eleitos e empossados:

  • 1949 a 1952 - Luis Batista Quadros;
  • 1953 a 1955 - Joaquim Gomes Quirino e Valdevino Pereira Quadros;
  • 1956 a 1959 - Benedito José de Andrade e José Mourão;
  • 1960 a 1963 - José Batista dos Santos e Bernardino José de Andrade;
  • 1964 a 1967 - José Batista dos Santos;
  • 1968 a 1971 - José Alaerson da Silva e Quirino Batista Quadros;
  • 1972 a 1973 - Quirino Batista Quadros;
  • 1974 a 1977 - Concesso Pereira Gontijo;
  • 1978 a 1983 - Concesso Pereira Gontijo* e Alceu Pereira de Freitas;
  • 1984 a 1989 - Libério Batista Leite*, Roldão José de Andrade Vicente Luiz Quadros (falecido durante o mandato em 1986);
  • 1989 a 1992 - Libério Batista Leite* e João Batista Quadros;
  • 1993 a 1996 - Libério Batista Leite* e Sebastião de Faria Gomes;
  • 1997 a 2000 - Sebastião de Faria Gomes e Miguel Batista Quadros;
  • 2001 a 2004 - Sebastião de Faria Gomes* e Anjo Gontijo Silva;
  • 2005 a 2008 - Sebastião de Faria Gomes* e Anjo Gontijo Silva;
  • 2009 a 2012 - Sebastião de Faria Gomes e Anjo Gontijo Silva;
  • 2013 a 2016 - Sebastião de Faria Gomes e Pedro José Quadros.
  • 2017 a 2020 - Sebastião de Faria Gomes** e Anjo Gontijo Silva.
  • - Assumiram a Presidência do Legislativo *.
  • - Assumiu no decorrer da legislatura por ser 1° suplente do vereador cassado Carlos Henrique da rádio**

Referências

  1. «Emancipação - site do Município de Carmo do Cajuru». Consultado em 6 de novembro de 2014. Arquivado do original em 6 de novembro de 2014 
  2. Enciclopédia dos Municípios Brasileiros – Volume XXIV ano 1958, in Biblioteca do IBGE
  3. Diomar, Oswaldo (2004). Geneologia de Carmo do Cajuru. [S.l.: s.n.] 37 páginas 
  4. Silva, Anna Lúcia (24 de setembro de 2013). «Chuva destelha e destrói estrutura de galpão em São José dos Salgados». G1 Minas Gerais - Globo.com. Consultado em 11 de Novembro de 2014 
  5. Diomar, Oswaldo (2000). História de Carmo do Cajuru. [S.l.: s.n.] 244 páginas