São Marcos (Sintra)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
SNT.png São Marcos
  Povoação e antiga freguesia do Concelho de Sintra  
São Marcos. 10-18.jpg
Localização
País Portugal
Região Área Metropolitana de Lisboa
Concelho Sintra
Freguesia Cacém e São Marcos
História
Criação da freguesia 2001
Extinção 28 de janeiro de 2013
Características geográficas
Área total 2,28 km²
Outras informações
Orago São Marcos

São Marcos é uma antiga freguesia portuguesa do concelho de Sintra. População: 17 412 habitantes. Foi uma freguesia pertencente à cidade de Agualva-Cacém no concelho de Sintra. Em 2013, no âmbito da reforma administrativa, foi extinta, e integrada com a freguesia do Cacém, criando-se a União de Freguesias do Cacém e São Marcos.

Como o nome indica, tem por orago o evangelista São Marcos.

São Marcos, até 2001 era uma localidade pertencente à freguesia de Agualva-Cacém, do concelho de Sintra. Localizada no extremo sul da freguesia, e encostada ao limite concelhio (confrontando com a freguesia de Porto Salvo, do concelho de Oeiras).

Em Julho de 2001, a antiga freguesia de Agualva-Cacém foi desdobrada em quatro novas freguesias, entre as quais São Marcos. No mesmo mês, a vila de Agualva-Cacém foi elevada a cidade, ficando as quatro novas freguesias a constituir a nova cidade.

A antiga freguesia de São Marcos era a segunda maior da cidade de Agualva-Cacém, e a mais distante a nível geográfico do seu centro.

Os transportes urbanos são assegurados pela empresa Vimeca/Lisboa Transportes.

História[editar | editar código-fonte]

A história da pequena povoação de São Marcos teve início há muitos milhares de anos, quando grupos humanos de caçadores da Idade da Pedra ali começaram a estabelecer, temporariamente, os seus acampamentos.

A Comprovar essas remotas origens, têm sido encontrados em São Marcos diversos vestígios arqueológicos dos períodos Paleolítico Inferior e Médio, datáveis entre 00.000 a 30.000 a.c. aproximadamente.

Depois, quando as comunidades humanos iniciarem a prática da agricultura, as características desse lugar (fertilidade do solo e abundância de água) tornaram-no preferido para sucessivas ocupações de tipo sedentário, como testemunham vários achados do Período Neolítico (instrumentos de pedra polida, cerâmica, mós, etc.).

Na Idade do Ferro (sécs. VII a II a.c.) persistiu o aproveitamento agrícola dos férteis terrenos de cor castanha (natureza basáltica) das vizinhanças do lugar.

Entre a Encosta de São Marcos e o Cotão foram localizados, em 1972, vestígios que se supõe terem pertencido a um casal agrícola.

A vida rural de São Marcos continua no período romano, do qual existe uma importante estação arqueológica, cuja escavação se iniciou em 1979 tendo sido removidas terras para se detectar os seus limites. As construções já descobertas (muros, curral) e os materiais encontrados (moedas dos sécs. II a IV, fragmentos de ânfora, tijolos, etc.) não permitiram ainda esclarecer se trata de uma villa rústica ou de um vicus (grupo de casa dos servos e cultivadores da villa), mas apontam para a presença romana no local desde o séc. I a.c. até finais do séc. V.

A partir dessa época e até ao séc. XIII a história de São Marcos permanece, por enquanto, obscura.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Freguesias, integrado no Projecto Grande Lisboa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.