São Nunca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

São Nunca é um santo fictício utilizado na expressão idiomática «no dia de São Nunca». Esta expressão é usada quando alguém se quer referir a um acontecimento que é impossível, improvável ou que só acontecerá num futuro distante. É, grosso modo, uma das formas populares da expressão latina «ad kalendas græcas» («nas calendas gregas»), assim como (bater o pé), «quando os porcos voarem» ou «nem que a vaca tussa».[1]

Exemplo: "Só seríamos campeões do mundo no dia de São Nunca!"[2]

Equivalente em outras línguas[editar | editar código-fonte]

  • alemão: Sankt Nimmerlein ou Sankt Nimmerleinstag
  • francês: à la saint-Glinglin, aux calendes grecques, quand les poules auront des dents.
  • latim: ad kalendas græcas
  • neerlandês: Sint-juttemis
  • espanhol : cuando las ranas críen pelo.
  • inglês : never in a month of Sundays, and pigs might fly.

Teorias sobre a data de celebração[editar | editar código-fonte]

De acordo com várias comunidades na internet têm-se vindo a discutir a existência de um dia, e a luta pela atribuição de uma data de celebração tem sido constante. Uma das possíveis datas é o dia 1 de Novembro, assim como também é a mais aceite pelas comunidades uma vez que é Dia de Todos os Santos, São Nunca também estaria incluído.[3]

Outra teoria prende-se no facto de que por três vezes na história, houve períodos em que existiu a data 30 de Fevereiro. Esse dia, por não "existir" (da forma comum) é também chamado de "dia de São Nunca", um "santo" evidentemente fictício representando que esse dia "nunca vai chegar". – 30 de fevereiro . Em 1929, a ex-URSS, introduziu um calendário revolucionário no qual todos os meses tinham 30 dias, e os outros 5 ou 6 dias que sobravam eram feriados e não pertenciam em nenhum mês. Sendo assim, em 1930 e 1931 houve 30 de fevereiro, mas 1932 os meses voltaram ao normal. Outro caso, foi em 1295 em que Sacrobosco publicou no seu livro, a especulação de que o imperador César Augusto retirou um mês de fevereiro e o colocou em Agosto, assim nomeado em sua homenagem, para não ficar atrás dos 31 dias do mês de Julho, que possuía homenagem à Caio Júlio César. A criação do mês pelo imperador e seus dias estão corretos. Na especulação, Sacrobosco ainda diz que naquela época o mês de fevereiro tinha 29 dias e portanto os anos bissextos entre 45 a.C. e 8 d.C. tinham o dia 30 de fevereiro no seu calendário. O último caso, foi na Suécia em 1582 devido à implantação do calendário gregoriano.

Referências

  1. Calendários e o fluxo de tempo, por Oscar Matsuura, site www2.uol.com.br
  2. Frase colhida por Nélson Rodrigues (e contestada por ele) nas ruas, em 1958. Relatado por Aldo Rebelo em seu site
  3. http://www.adaobraga.com.br/o-dia-de-so-nunca/