São Romão de Arões

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
 Portugal Arões (São Romão)  
—  Freguesia  —
Bandeira de Arões (São Romão)
Bandeira
Brasão de armas de Arões (São Romão)
Brasão de armas
Arões (São Romão) está localizado em: Portugal Continental
Arões (São Romão)
Localização de Arões (São Romão) em Portugal
Coordenadas 41° 27' 14" N 8° 12' 53" O
País  Portugal
Concelho FAF1.png Fafe
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Cláudia Sofia Pereira Castro (PS)
Área
 - Total 5,72 km²
População (2011)
 - Total 3 295
    • Densidade 576 hab./km²
Gentílico: Aronense
Código postal 4820 - 758
Orago São Romão
Sítio
Localização da Freguesia de Arões (São Romão)
Igreja Românica de Arões São Romão, Fafe

São Romão de Arões (oficialmente, Arões (São Romão)[1]) é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Fafe, com 5,72 km² de área[2] e 3 295 habitantes (2011)[3]. A sua densidade populacional é de 576 hab/km².

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Arões (São Romão) (1864 – 2011) [4]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
764 849 871 894 898 882 927 1 189 1 380 1 685 1 733 2 311 2 956 3 258 3 295

História[editar | editar código-fonte]

No ano de 1014 aparece pela primeira vez um documento que consta nos Vimaranis Munumenta Historica, que se refere à freguesia de Arões designando-a como mandamento de Arones. Há quem entenda que Arões deriva de Aron (do germânico ara, altar). Há ainda quem atribua o nome Arões a uma planta, o arão.

Porém, o entendimento é que tal planta apenas apareceu no século XVIII, quando no século XI já se conhecia Arones. Arões não é, no entanto, exclusivo de duas freguesias do concelho de Fafe, antes existe também nos concelhos (de então) de Macieira de Cambra e Vila do Conde. Nas de Fafe, existem os lugares de Torre, Quintã e outros, que bem denotam a existência de uma villa nos tempos da Idade Média.

É sabido que as villas eram em geral designadas pelo nome do proprietário-organizador em genitivo. É conhecido um magnate do século IX e X que muito bem pode ter sido o fundador da villa ou mandamento Arones ou Aronis. Filho de Fernando e de mãe desconhecida, chama-se Ero em documentos que vão de 899 a 926. Casou com Adosinda e foi avô de Hermenegildo Gonçalves, marido da célebre Mumadona Dias, fundadora do Mosteiro de Guimarães. É, sem dúvida, Ero o pai de Gundesinho - Gundesindus Eroni.

O genitivo Eroni em vez de Eronis, ou melhor, ao lado de Eronis, não surpreende ninguém, porque, como diz e mostra José Leite de Vasconcelos, na pág. 105 da Antroponímia Portuguesa, é encontradiço em nomes germânicos.

O étimo de Arões está, pois, em (villa) Eronis, herdade de Ero. Foi, pois, Ero Fernandes quem organizou o território de Arões e lhe conferiu o próprio nome. O primeiro dos Arões é D. Gil Guedes de Arões, filho de D. Guedes Gomes e de D. Urraca Henriques Portocarreiro.

A divisão de Arões em duas freguesias, São Romão de Arões e Santa Cristina de Arões, data já das primeiras Inquirições (1220), sendo então abade de São Romão, Gomes Martins.

Algumas das leiras de São Romão de Arões eram propriedade do Rei, mas a freguesia não era do padroado real. Não se sabe porém quem era o padroeiro. Nas Inquirições de D. Afonso III (1258), a respeito de São Romão de Arões, refere-se que uma quinta é de Martim Gil e da irmã dele.

Para além disso, a igreja Arões São Romão possuía um casal em São Lourenço de Golães, onde D. Martim Gil gozava de certos direitos de parceria com o Mosteiro de Santo Tirso.

Nas Inquirições de D. Dinis (1290), refere-se o seguinte: freguesia de sam Romaom darõoes. A quimtaam que chamam Arões que he de D. Domez e de Lourenço Ganso he prouado que o uiram honrrada dês que sse acordam as testemunhas e douuida de longe.

Foi com certeza nesse lugar que morou Ero Fernandes, organizador da herdade. Em 1290, ainda lá viviam os seus descendentes na posse de direitos imemoriais e no gozo de isenções devidas a pessoas de qualidade. Em 1301 D. Dinis mandou fazer outras Inquirições e diz Aparício Gonçalves, inquiridor de 1308: na ffreguisia de sam Romão darões achey que a quintaam que chamam de Darões e de Steuam Garso (Ganso) e de outros filhos dalgo que am a honrra.

É, pois, vasta a história da freguesia, que para além disso conta ainda com um monumento a sua Igreja Românica, cuja origem divide os estudiosos. O Tombo Paroquial mais antigo que se conhece data de 10 de fevereiro de 1549, tendo sido elaborado no lugar da Nogueira, sendo testemunhas desse ato João de Freitas, morador no lugar do Assento, Gonçalo Pires, de Requeixo, e Diogo da Nóbrega, capelão de São Romão de Arões, todos responsáveis pelas medições, apegações e outras coisas que lhe foram mostradas.

N' As Memórias Paroquiais de Arões (S. Romão) (datadas de 1758 e resultado de um inquérito ordenado e dirigido por Sebastião José de Carvalho Melo aos responsáveis de todas as paróquias, com o objetivo principal de conhecer os efeitos no território nacional do grande terramoto de 1755), é referido que a sede da paróquia está situada no meio da freguesia, fazendo-se ainda referência aos lugares de “Assento, Bouço, Tonteio, Campo, Torre, Subtorre Telhado, Pestana, Ribeira, Lage, Estrada, Portal, Penedo, Lameira, Costa, Tras o Laço, Quintão, Ciara, Cerdeira, Souto, Nogueira, Estrufães, Souto da Nogueira, Reguengo, Subaco, Vinha, Devesa, Prelada, Outeirinhos, Crespos, Cancela, Bouça, Outeiro, Boucinha, Venda, Regueiro, Ribeiral, Porto, Carvalhinho, Romada, Azebral, Corteiras, Prendal, Ferreiros, Carvalho, Fonte de Cima, Eirinha, Fonte de Baixo, Fonte do Meio, Casa Nova, Lugar, Lage, Serrado, Soutinho, Barroca, Vinha, Penoussos, Paulinho, Monte, Quinta sub Nogueiras e Carvalho de Lobo”. A maior parte desta toponímia sobreviveu ao tempo e chegou aos nossos dias, dando nome a lugares atuais da freguesia.

Arões São Romão fez parte do concelho de Guimarães até 1853, altura em que passou a integrar a comarca de Fafe, aquando da grande reforma administrativa do reino efectuada nesse ano.

Em 1874 possuía apenas 764 habitantes. No início do século XX já tinha 894, 1733 em 1970, 3258 no ano de 2001 e hoje ultrapassa os 4000 habitantes.

De uma aldeia estritamente ligada à agropecuária e ao artesanato, São Romão de Arões há muito que deu um salto para o sector terciário, tendo actualmente uma forte implantação no sector têxtil, mas também no calçado, mobiliário, mármore, construção civil, produção e exportação de vinhos de qualidade, assistência automóvel e outras.

Em 2009, a freguesia foi elevada à categoria de Vila, com a promulgação de Lei 43/ 2009, ficando na sua História a data de 20 de Julho desse ano, aquando da aprovação na Assembleia da República do Projecto de Lei 513/ IX. No mesmo ano, foi inaugurado pelo anterior executivo, liderado por José Carvalho Freitas, junto do edifício sede de Junta um monumento evocativo, evocando o desabrochar de uma flor, cuja haste robusta, em granito, e na intersecção de quatro caminhos, significa o caminho histórico das gentes de Arões e o nascer de uma nova época, a ligação às origens e a perspectiva do futuro.

Actualmente, o executivo da Junta é presidida por Cláudia Castro e conta com ainda com os vogais João Ricardo Lopes (secretário) e Joel Fernandes (tesoureiro).

Fontes: Tombo da freguesia de Arões (São Romão) (1549), Registo Geral, livro n.º 245, fls. 74-76v, do Arquivo Distrital de Braga. Projecto de Lei 513/IX de elevação a vila de São Romão de Arões (Assembleia da República).

Património[editar | editar código-fonte]

Grupo Folclórico da Casa do Povo de Arões[editar | editar código-fonte]

Arões São Romão é uma terra de cultura. Pontifica neste capítulo o Grupo Folclórico da Casa do Povo (fundando em 1979), única associação etnográfica do Concelho de Fafe federada e que conta no seu palmarés com inúmeras participações em festivais folclóricas em Portugal e no estrangeiro (particularmente em cidades e países com forte presença de emigrantes). Este Grupo é ainda responsável pela realização do Festival Nacional e Internacional de Folclore de Fafe, certame que decorre anualmente, no final de Julho. Entre os temas que compõem o seu repertório musical contam chulas, “Vira Corrido” ou a “Cana Verde das Espadeladas”.

Arões Sport Clube[editar | editar código-fonte]

É uma das maiores instituições da freguesia, fundado em Setembro de 1991. Este clube desportivo tem como principal actividade o futebol amador, contando, para além da equipa principal (sénior), com todos os escalões de formação. Na presente temporada (2015/2016), disputará o Campeonato Nacional de Seniores, ponto mais alto da sua história. O clube tem ainda uma equipa de futsal (sénior) a disputar o campeonato da Associação de Futsal de Fafe.

Lugares[editar | editar código-fonte]

Na freguesia encontram-se os lugares da Portela, Torre, Sub-Torre, Quintã, Lama, Bouçó, Porinhos, Agras, Penedo, Oleiros, Paul, Ferreiros, Pestana, Pinhoi, Picadouro, Teixeiras, Suvaco, Estalagem, Bouça, Prelada, Devesas, Lage, Lameiro, Requeixo e Sub-Nogueiras.

Arões São Romão actualmente[editar | editar código-fonte]

Arões São Romão é actualmente uma freguesia eminentemente industrial, sendo o sector têxtil e a prestação de serviços os principais eixos da sua actividade económica. Na área dos mármores e das bloqueiras também possui um forte incremento e, na área agrícola, especial destaque para a produção de vinho, do qual se destaca o da Quinta da Naíde, que já por diversas vezes foi premiado. Tem ainda uma forte componente de mão-de-obra na área da construção civil e no comércio.

A sua via estruturante principal é a EN 206 que liga Fafe a Guimarães e está a ser preparado o projecto pela EP para a construção do Nó de Arões para permitir o acesso à EENN 101 e 206/Ligação da Circular de Guimarães à Variante de Fafe.

Referências

  1. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Reorganização administrativa do território das freguesias, Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro, Anexo I. Acedido a 19/07/2013.
  2. Instituto Geográfico Português, Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2012.1
  3. «População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano)». Informação no separador "Q601_Norte". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 9 de Março de 2014.. Cópia arquivada em 4 de Dezembro de 2013 
  4. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]