Sérgio Sant'Anna

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sérgio Sant'Anna
Nascimento 30 de outubro de 1941 (76 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Morte
Residência Laranjeiras, Rio de Janeiro
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Filho(s) André Sant'Anna
Ocupação Escritor
Principais trabalhos O sobrevivente: conto
Prémios Prémio Jabuti 1983

Prémio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (2003, 2011, 2014)
Prêmio Literário da Fundação Biblioteca Nacional (2011)

Sérgio Sant'Anna (Rio de Janeiro, 30 de outubro de 1941) é um escritor brasileiro.

Embora já tenha publicado poesia, peças de teatro, novelas e romances, ele se considera primeiramente um contista.

Obra[editar | editar código-fonte]

A obra de Sérgio Sant'Anna é notória pelo caráter experimental, abordando temas urbanos de várias formas diferentes, algumas bastante transgressivas.

Seu romance mais célebre é As Confissões de Ralfo, publicado em 1975. O livro é a história de um escritor que decide escrever uma "autobiografia imaginária", narrando vários fatos extraordinários numa sucessão inverossímil. O livro satiriza vários estilos consagrados: o diário de bordo, o filme de ação, o discurso utópico e, até mesmo, no auge da ditadura militar brasileira, os relatos de tortura. Em uma das cenas mais famosas do livro, o protagonista é preso por mendicagem e posto num interrogatório em que as perguntas são do tipo que se faz na escola ("Quem descobriu o Brasil?", etc...).

Dentre seus contos mais famosos incluem-se Um discurso sobre o método, Marieta e Ferdinando, A mulher-cobra, Estranhos e O vôo da madrugada. O autor já ganhou por duas vezes o prêmio Jabuti e, também por duas vezes, foi agraciado com o prêmio Status de Literatura, além de ter traduções de sua obra lançadas na Alemanha e na Itália.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

O conto A senhorita Simpson, contida no livro homônimo, foi adaptada para o cinema por Bruno Barreto, sob o título de Bossa Nova. Esse filme, no entanto, é considerado pela crítica e pelo autor como infiel à obra que o inspirou, sendo pouco mais que um cartão-postal da cidade do Rio de Janeiro[1]

Uma adaptação mais fiel foi a de Beto Brant em Crime Delicado, feita em 2005, baseada no romance de 1997[2].

Um Romance de Geração deu origem ao filme homônimo, dirigido por David França Mendes em 2008, com Isaac Bernat, Nina Morena, Suzana Ribeiro e Lorena da Silva[3].

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Charles Kiefer
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Contos / Crônicas / Novelas
1986
Sucedido por
Precedido por
João Gilberto Noll
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Romance
1998
Sucedido por
Carlos Nascimento Silva, Sônia Coutinho e Modesto Carone


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. PORTO, Ana Paula Teixeira. A Senhorita Simpson, de Sérgio Sant’Anna, e Bossa nova, de Bruno Barreto: diálogos entre literatura e cinema. Recorte – revista eletrônica ISSN 1807-8591 Mestrado em Letras: Linguagem, Cultura e Discurso / UNINCOR V. 12 - N.º 1 (janeiro-junho - 2015)
  2. A representação violada. Revista Cinética
  3. Um Romance de Geração. Cineplayers
  4. http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2015/11/1704831-chico-buarque-e-glauco-mattoso-sao-finalistas-do-premio-oceanos-veja-lista.shtml