Sérvia (Grécia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o sítio arqueológico homônimo, veja Sérvia (sítio arqueológico). Para o país, veja Sérvia.
Grécia Sérvia

Σέρβια

Sérbia

 
  Localidade  
Do topo esquerdo: O lago Polífito e a parada da associação cultural de Sérvia. A prefeitura de Sérvia. A ponte Polífito. A igreja bizantina de São Demétrio. A garganta de Sérvia. O interior da Igreja dos Santos Anárgiros, a igreja-caverna dos Santos Teodoros e a Montanha Canvúnia.
Do topo esquerdo: O lago Polífito e a parada da associação cultural de Sérvia. A prefeitura de Sérvia. A ponte Polífito. A igreja bizantina de São Demétrio. A garganta de Sérvia. O interior da Igreja dos Santos Anárgiros, a igreja-caverna dos Santos Teodoros e a Montanha Canvúnia.
Sérvia está localizado em: Grécia
Sérvia
Localização de Sérvia na Grécia
Coordenadas 40° 11' 09" N 22° 0' 10" E
Região Macedônia Ocidental
Unidade regional Cozani
Município Sérvia-Velventós
Unidade municipal Sérvia
Altitude [1] 435 m
População (2011) [2]
 - Total 2 946
Código postal 50500
Prefixo telefónico +3024640

Sérvia ou Sérbia (em grego: Σέρβια) é uma vila grega da unidade regional de Cozani, no município de Sérvia-Velventós, na unidade municipal de Sérvia. Situada a uma altitude de 435 metros, está localizada na região histórica da Macedônia, com sua histórica remontando ao menos ao neolítico. Próximo a Sérvia estão as vilas de Nova Lava e Castânia.[1] Segundo o censo de 2011, têm 2 946 habitantes.[2]

Sérvia foi fundada na Antiguidade com o nome de Fílacas. Foi rebatizada com seu nome atual pelos romanos em data desconhecida. Foi utilizada por romanos e bizantinos por séculos como forte de passagem entre a Macedônia e Tessália. Apesar de permanecer sob controle bizantino até o século XIV, foi intercaladamente conquistada pelos poderes beligerantes dos Bálcãs, notadamente búlgaros, sérvios e finalmente otomanos. Os últimos, por sua vez, mantiveram controle sobre Sérvia até 1913, quando foi cedida junto da Macedônia para o Reino da Grécia segundo o Tratado de Bucareste.

História[editar | editar código-fonte]

Pré-história e Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sérvia (sítio arqueológico)

Próximo ao sítio da vila da Sérvia, ao lado da antiga ponto que atravessou rio Haliácmo, Alan John Bayard Wace descobriu um sítio arqueológico que recebeu seu nome e seria escavado por Walter Heurtley em 1930.[3] Entre 1971 e 1973, em decorrência dos projetos de criação do Lago Polífito, Aikaterina Rhomiopoulou e Cressida Ridley realizaram escavações de salvamento no sítio. Nele foram escavados artefatos que remontam do Neolítico Médio (5 000 a.C.) ao Neolítico Tardio e então a Idade do Bronze Antiga, embora tenha sido identificado um lapso temporal de aproximados 1000 anos entre a última e penúltima fases devido ao abandono do sítio.[4][5]

O sítio é um monte baixo criado por detritos de fases sucessivas de ocupação humana, começando no Neolítico Médio antes de 5 000 a.C.. Os edifícios quadrados e retangulares, de um ou dois andares, foram enquadrados com massivos postes de carvalho e os muros foram criados com pau a pique. A clássica cerâmica vermelho em creme dessa fase[6] está intimamente relacionada com aquela encontradas nos sítios de Sesclo e Aquileu.[4]

Durante a Antiguidade, o sítio de Sérvia serviu como forte de passagem entre a Macedônia e Tessália e, por isso, receberia seu nome atual. O nome de Sérvia deriva do verbo latino servo, que significa "vigiar" e foi dado pelos romanos, provavelmente substituindo o antigo nome grego de Fílacas (em grego: Φυλακαί; transl.: Phylakaí; em latim: Phylacae).[7] O nome Fílacas é mencionado pelo historiador Plínio, o Velho e o geógrafo Ptolemeu.[8]

Período bizantino[editar | editar código-fonte]

Sérvia alcançou seu auge como parte do Império Bizantino, quando tornar-se-ia uma cidade-castelo (em grego: καστροπολιτεία). Durante a restruturação imperial no sistema temático, passou a compor o Tema de Salonica.[9] Em 989, o general e futuro imperador búlgaro Samuel (r. 997–1014)[10] conquistou Sérvia e outras fortalezas da Macedônia.[11][12] Ela foi concedida ao nobre Niculitsa,[13] que manteve-a até 1001, quando o imperador bizantino Basílio II Bulgaróctono (r. 976–1025) reconquistou-a no contexto da conquista da Bulgária.[14] Por 1018, os fortes vizinhos à Sérvia foram tomados pelo general Nicéforo Xífias.[15]

A cidade de Sérvia permaneceu sob controle bizantino até 1204, quando o Império Bizantino foi dividido pelos cavaleiros da Quarta Cruzada. Em 1256, o imperador de Niceia Teodoro II Láscaris (r. 1254–1258) conseguiu reconquistá-la, que foi mantida pelo império até sua conquista pelo imperador sérvio Estêvão IV Duchan (r. 1331–1355). O imperador bizantino João VI Cantacuzeno (r. 1347–1354), em sua tentativa de retomar as província da Macedônia e Tessália, foi confrontado pelos 500 soldados sob Gregório Prealimpo que estavam aquartelados em Sérvia.[16][17] O Império Sérvio foi capaz de manter controle de Sérvia por algumas décadas, porém a perdeu em 1073 para o bizantino Aleixo Ângelo Filantropeno (r. 1373–1390). O sucessor e irmão de Aleixo, Manuel (r. 1090–1093), enfrentou as investidas do Império Otomano[18] e perdeu Sérvia em 1390 para Bajazeto I (r. 1389–1402).[7]

Período otomano e moderno[editar | editar código-fonte]

Igreja de Santa Domênica

Durante o período otomano, Sérvia foi rebatizada em turco otomano como Serfiçe[19] ou Serfidze.[10] Os otomanos mantiveram controle sobre a cidade por vários séculos. Desde pelo menos o século IX, ainda durante o período bizantino, ela havia se tornado sede do bispo de Sérvia e Cozani, função que manteve até 1745, quando a sede do bispado foi transferida para Cozani.[20] Em 1864, com a criação de novas províncias imperiais nos Bálcãs, Sérvia tornar-se-ia sede de um sanjaco.[21] O exército grego entrou em Sérvia em 10 de outubro de 1912, durante a Primeira Guerra Balcânica (1912–1913), após sua vitória contra o exército otomano na batalha de Sarantáporo.[22]

No mesmo dia, 117 cidadãos proeminentes de Sérvia foram capturados e executados pelos otomanos, que estavam deixando a cidade; tal fato teria originado o nome "117 mártires nacionais" (em grego: 117 Εθνομαρτύρων; transl.: 117 ethomartyron) que fora dado a via que leva à prefeitura da cidade.[23] Sob o Tratado de Bucareste de 1913, a Macedônia foi incorporada ao Reino da Grécia.[24] Durante a Segunda Guerra Mundial, em 6 de março de 1943, tropas italianas atearam fogo em resposta a forte resistência enfrentada na região. Tal destruição encerrou o papel proeminente da cidade na prefeitura de Cozani.[7] Em 1998, sob comando da Associação Educacional de Sérvia, a vila recebeu o chamado Museu Folclórico de Sérvia.[25]

Referências

  1. a b «Servia, Kozani» (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2015 
  2. a b «Ανακοίνωση Νόμιμου Πληθυσμού 2011» (PDF) (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2015 
  3. Heurtley 1939, p. 43-56.
  4. a b «Servia, Greek Macedonia: Research and Publication - Introdution» (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2015 
  5. Ridley 1979, p. 185-230.
  6. «Discoveries at Servia in Western Macedonia: 2» (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2015 
  7. a b c «Σέρβια» (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2015. Cópia arquivada em 9 de julho de 2012 
  8. Hammond 1972, p. 120.
  9. Haldon 1999, p. 86–87.
  10. a b Stojčev 2004, p. 67.
  11. Zlatarski 1971, p. 645-647.
  12. Vasilyevskiy 1909, p. 83.
  13. Curta 2006, p. 280.
  14. Zonaras século XII, p. IV.118-119.
  15. Savvides 1994, p. 27.
  16. Fine 1994, p. 346–347.
  17. Soulis 1984, p. 111–114, 237.
  18. Fine 1994, p. 353, 430.
  19. Clayer 2007, p. 119.
  20. Vakalopoulos 1973, p. 357.
  21. «yüzyılda Osmanli Vilayetleri» (PDF) (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2015 
  22. Kaphetzopoulos 2000, p. 42.
  23. Spoudōn 1979, p. 169.
  24. Potz 2004, p. 80.
  25. «Folklore Museum in Servia» (em inglês). Consultado em 10 de julho de 2015 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Clayer, Nathalie (2007). Aux origines du nationalisme albanais: la naissance d'une nation majoritairement musulmane en Europe. [S.l.]: Karthala Editions. ISBN 2845868162 
  • Curta, Florin (2006). Southeastern Europe in the Middle Ages, 500-1250 (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 0521815398 
  • Haldon, John (1999). «Fighting for Peace: Attitudes to Warfare in Byzantium». Warfare, State and Society in the Byzantine World, 565–1204. [S.l.]: Routledge. ISBN 1-85728-495-X 
  • Hammond, Nicholas Geoffrey Lemprière; Griffith, Guy Thompson; Walbank, Frank William (1972). A History of Macedonia: Historical geography and prehistory. [S.l.]: Clarendon Press 
  • Heurtley, W. A. (1939). Prehistoric Macedonia. Cambridge: Cambridge University Press 
  • Kaphetzopoulos, Ioannis; Flokas, Charalambos; Dima-Dimitriou, Angeliki (2000). The struggle for Northern Epirus. [S.l.]: Pessoal General do Exército Helênico; Diretorado da História do Exército. ISBN 9607897404 
  • Potz, Richard; Wieshaider, Wolfgang (2004). Islam and the European Union. [S.l.]: Peeters Publishers. ISBN 9042914459 
  • Ridley, C.; Wardle, K. A. (1979). «Rescue Excavations at Servia 1971-73: a preliminary report». Londres. Anuário da Escola Britânica de Atenas. 74 
  • Savvides, Alexis G. K. (1994). «Προσωπογραφικό σημείωμα για τον Βυζαντινό στρατηλάτη Νικηφόρο Ξιφία». Βυζαντινή προσωπογραφία, τοπική ιστορία και βυζαντινοτουρκικές σχέσεις (em grego). Atenas: Κριτική Ιστορική Βιβλιοθήκη. ISBN 960-218-089-7 
  • Spoudōn, Hetaireia Kypriakōn (1979). Kypriakai spoudai: deltion tēs Hetaireias Kypriakōn Spoudōn. 43. [S.l.]: Hetaireia Kypriakōn Spoudōn 
  • Stojčev, Vanče (2004). Military history of Macedonia. 1. [S.l.]: Military Academy "General Mihailo Apostolski". ISBN 9989134057 
  • Soulis, George Christos (1984). The Serbs and Byzantium during the reign of Tsar Stephen Dušan (1331–1355) and his successors (em inglês). [S.l.]: Dumbarton Oaks. ISBN 0-88402-137-8 
  • Vakalopoulos, Apostolos Euangelou (1973). History of Macedonia, 1354-1833. [S.l.]: Institute for Balkan Studies 
  • Vasilyevskiy, V. G (1909). History of the years 976-986 (em russo). [S.l.: s.n.] 
  • Zlatarski, V. (1971). «Part II. From the Slavinization of the country to the fall of the First Empire (852—1018). VI. Struggle for independence». History of the Bulgarian state during the Middle Ages. History of the First Bulgarian Empire. 1. Sófia: Nauka i izkustvo. OCLC 67080314 
  • Zonaras (século XII). Crônica. [S.l.: s.n.]