Sétima Batalha do Isonzo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sétima Batalha do Isonzo
Campanha italiana, Primeira Guerra Mundial
WWI - Seventh Battle of the Isonzo - Italian troops with a captured Austrian machine gun.jpg
Tropas italianas ocupando uma posição de metralhadora austríaca.
Data 1418 de setembro de 1916
Local Gorizia, Itália
Desfecho Inconclusivo
Beligerantes
 Reino da Itália Flag of Austria-Hungary (1869-1918).svg Áustria-Hungria
Comandantes
Reino de Itália Luigi Cadorna
Reino de Itália Emanuele Filiberto
Flag of Austria-Hungary (1869-1918).svg Conrad von Hötzendorf
Flag of Austria-Hungary (1869-1918).svg Svetozar Boroević
Forças
240 batalhões, 1 150 peças de artilharia 150 batalhões, 770 peças de artilharia
Baixas
17 000 mortos ou feridos 15 000 mortos ou feridos

A Sétima Batalha do Isonzo foi um grande combate travado entre o Reino de Itália e o Império Austro-Húngaro, no contexto do fronte italiano na Primeira Guerra Mundial, entre 14 e 18 de setembro de 1916.[1]

A batalha[editar | editar código-fonte]

A sétima batalha do rio Isonzo foi, na verdade, uma curta batalha travada entre 14 e 17 de setembro de 1916. Foi marcado por uma mudança de foco na mentalidade do marechal italiano Luigi Cadorna, comandante do exército italiano. Ele passou a focar boa parte das suas surtidas ao longo do rio Isonzo em regiões específicas, focando em poucas áreas de uma só vez. Os italianos tentaram avançar a partir de suas posições na cidade de Gorizia, focando na região sudeste, em uma área hoje denominada de Miren-Kostanjevica, no Planalto de Cársico.[2]

Contudo, apesar da concentração de recursos e vasto uso de artilharia, os italianos não conseguiram capitalizar nos seus sucessos na batalha anterior. Apesar dele ser mais cauteloso em expor seus homens a riscos desnecessários, as forças do marechal Cadorna sofreram pesadas baixas. Após três dias de repetidos ataques, os italianos decidiram cancelar a ofensiva em 18 de setembro de 1916.[2]

Ainda assim, Cadorna insistiu em tentar avançar além do rio Soča (Isonzo). Os italianos queriam manter os austro-húngaros sob pressão, drenando os seus recursos. Franz Conrad von Hötzendorf, o comandante austríaco, sabia que se não recebesse ajuda dos seus aliados alemães, ele não conseguiria segurar a posição por muito tempo.[2]

A oitava batalha no rio Isonzo aconteceu logo em seguida, começando a 10 de outubro de 1916, e foi igualmente sangrenta.

Referências

  1. Macdonald, John, and Željko Cimprič. Caporetto and the Isonzo Campaign: The Italian Front, 1915-1918. Barnsley, South Yorkshire: Pen & Sword Military, 2011. ISBN 9781848846715.
  2. a b c Schindler, John R. (2001). Isonzo: The Forgotten Sacrifice of the Great War. [S.l.]: Praeger. ISBN 0275972046. OCLC 44681903 

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Primeira Guerra Mundial é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.