Síndrome de Osgood-Schlatter

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Síndrome de Osgood-Schlatter
Radiografia lateral do joelho demonstrando fragmentação da tuberosidade da tíbia, com o tecido superabundante.
Especialidade reumatologia, ortopedia
Classificação e recursos externos
CID-10 M92.5
CID-9 732.4
DiseasesDB 9299
MedlinePlus 001258
MeSH D055034, D055034
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

A síndrome Osgood-Schlatter (OS) é uma doença osteo-muscular que ocorre na adolescência,[1] conhecida também como osteocondrite do tubérculo tibial.[2] A síndrome caracteriza-se por uma inflamação do ligamento patelar na tuberosidade da tíbia, caracterizando-se por um inchaço doloroso logo abaixo do joelho, que é pior com a atividade e melhor com o descanso.[3] A OS é uma apofisite de tração do tubérculo tibial devido à tensão repetitiva no centro secundário de ossificação da tuberosidade da tíbia.[4] Episódios de dor geralmente duram alguns meses.[5] Um ou ambos os joelhos podem ser afetados e as crises podem recorrer.[3] Geralmente é um quadro benigno.[6]

Os fatores de risco incluem o uso excessivo, especialmente esportes que envolvem correr ou pular. O mecanismo subjacente é a tensão repetida na placa de crescimento da tíbia superior. O diagnóstico é tipicamente baseado nos sintomas. Uma radiografia simples pode ser normal ou mostrar fragmentação na área de fixação.[5]

A dor geralmente se resolve com o tempo. Aplicar frio na área afetada, alongamento e exercícios de fortalecimento podem ajudar.[5] Os AINEs, como o ibuprofeno, podem ser usados.[3] Atividade ligeiramente menos estressante pode ser recomendada para diminuir a progressão da doença e os impactos negativos.[5]

Cerca de 4% das pessoas são afetadas em algum momento.[7] Meninos com idade entre 10 e 15 anos são mais afetados[5] mas meninas, geralmente entre os 8 e 12 anos, também podem apresentar a síndrome, apresentando quadro de dor, edema e sensibilidade alterada na tuberosidade da tíbia.[4] Após o crescimento desacelerar, normalmente com 16 anos de idade em meninos e 14 em meninas, a dor não ocorrerá mais, apesar de que algum impacto ainda permanecer nesses indivíduos.[3] Apesar de se apresentar em um dos membros, a doença é bilateral em 20% dos casos.[8] Uma das possíveis causas são as microlesões repetitivas. Mesmo que as causas exatas ainda sejam desconhecidas.[8] A etiologia básica das osteocondroses é complexa e pode incluir fatores traumáticos, hormonais, genéticos ou inflamatórios.[9]

A condição leva o nome de Robert Bayley Osgood (1873-1956), um cirurgião ortopédico americano e Carl B. Schlatter (1864-1934), um cirurgião suíço que descreveram a condição de forma independente em 1903, e simultaneamente.[2][10][9]

Outras condições, como a doença de Sinding-Larsen-Johansson, podem ocorrer concomitantemente, e os efeitos a longo prazo podem incluir uma proeminência anterior no joelho ou dor ao agachar.[6]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

A doença de Osgood-Schlatter causa dor na parte inferior frontal do joelho.[11] Isso geralmente ocorre na junção ligamento-osso do ligamento patelar e da tuberosidade da tíbia.[12] A tuberosidade da tíbia é uma ligeira elevação do osso na porção anterior e proximal da tíbia. O tendão patelar conecta os músculos do quadríceps à tíbia através da patela.[13]

A dor é pior com o impacto agudo do joelho e pode ser reproduzida estendendo o joelho contra a resistência, enfatizando o quadríceps ou golpeando o joelho. A dor é inicialmente leve e intermitente. Na fase aguda, a dor é grave e contínua em qualquer momento. O impacto na área afetada pode ser muito doloroso. Sintomas bilaterais são observados em 20 a 30% das pessoas.[14]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Joelho de um homem com doença de Osgood-Schlatter.

O diagnóstico é feito com base em sinais e sintomas,[15][9] palpação da tuberosidade da tíbia gerando dor,[16] além do exame radiográfico.[17]

Ultrassonografia[editar | editar código-fonte]

Esse teste pode ver vários sinais de aviso que prevêem se o OSD pode ocorrer. A ultrassonografia pode detectar se há algum inchaço no tecido, bem como inchaço da cartilagem,[13] fragmentação da tuberosidade tibial, espessamento difuso do tendão patelar e bursite infrapatelar.[18]

O principal objetivo da ultrassonografia é identificar o OSD no estágio inicial e não no estágio tardio. Ele tem características únicas, como a detecção de um aumento de inchaço na tíbia ou da cartilagem ao redor da área e também pode ver se há algum osso novo começando a se acumular ao redor da tuberosidade da tíbia.[19]

Diagnóstico diferencial[editar | editar código-fonte]

Para ter o diagnóstico fechado, é preciso ser feito a exclusão de outros quadros que se assemelham à OS, tais como:[20] doença de hoffa, síndrome de plica, condromalácia patelar, tendinopatia patelar, Síndrome de Legg-Calvé-Perthes; e Síndrome de Sinding-Larsen e Johansson que é uma condição análoga envolvendo o tendão patelar e a margem inferior do osso da patela, em vez da margem superior da tíbia. A doença de Sever é uma condição análoga que afeta a ligação do tendão de Aquiles ao calcanhar.[21]

Prevenção[editar | editar código-fonte]

Exemplo de como alongar o músculo quadríceps.

Uma das principais formas de prevenir o ODS é verificar a flexibilidade do quadríceps e isquiotibiais. A falta de flexibilidade nesses músculos pode ser um indicador de risco direto para a ODS. Os músculos podem encurtar, o que pode causar dor, mas isso não é permanente.[22] Alongamentos para esses músculos podem ajudar a reduzir o encurtamento.[23]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento geralmente é conservador, com repouso, gelo e exercícios específicos recomendados. A fisioterapia é geralmente recomendada uma vez que os sintomas iniciais tenham melhorado para prevenir a recorrência.Cirurgia raramente pode ser usada naqueles que pararam de crescer e ainda apresentam sintomas.[4]

Fisioterapia[editar | editar código-fonte]

Os esforços recomendados incluem exercícios para melhorar a força dos músculos quadríceps, isquiotibiais e gastrocnêmios.[4] A colocação ou uso de um elenco ortopédico para impor a imobilização da articulação raramente é necessária e não necessariamente encoraja uma resolução mais rápida. No entanto, a órtese pode dar conforto e ajudar a reduzir a dor, uma vez que reduz a tensão no tubérculo tibial.[24] Fortalecimento muscular do quadríceps, através da cinesioterapia, orientações gerais ao paciente, o uso de laserterapia estão relacionado com a melhora do quadro de dor e limitação.[25] Estudos afirmam que a hidroterapia é um grande aliado pois ajuda na mobilidade e força, melhorando a resistência cardiovascular, a flexibilidade, velocidade, equilíbrio e coordenação motora.[26]

Cirurgia[editar | editar código-fonte]

A excisão cirúrgica pode raramente ser necessária em pacientes esqueleticamente maduros.[4] Nos casos crônicos que são refratários ao tratamento conservador, a intervenção cirúrgica produz bons resultados, particularmente para pacientes com ossículos ósseos ou cartilaginosos. A excisão desses ossículos produz resolução dos sintomas e retorna à atividade em várias semanas. Após a cirurgia, é comum a falta de fluxo sanguíneo abaixo dos joelhos e dos pés. Isso pode causar a perda de circulação na área, mas voltará ao normal em breve. Uma dor alta pode ir e vir de vez em quando, devido à falta de fluxo sanguíneo. Se isso acontecer, sentar-se ajudará a diminuir a dor. A remoção de todos os ossículos intratendinosos frouxos associados a tubérculos tibiais proeminentes é o procedimento de escolha, tanto do ponto de vista funcional quanto do cosmético.[27][28]

Reabilitação[editar | editar código-fonte]

Reabilitação centra-se no fortalecimento muscular, treinamento de marcha e controle da dor para restaurar a função do joelho.[29] Tratamentos não -cirúrgicos para sintomas menos graves incluem: exercícios para força, alongamentos para aumentar a amplitude de movimento, compressas de gelo, fita do joelho, joelheiras, agentes anti-inflamatórios e estimulação elétrica para controlar a inflamação e a dor.[30] Exercícios de quadríceps e isquiotibiais prescritos por especialistas em reabilitação restauram a flexibilidade e a força muscular.[31]

A perna reta levantada ajuda a fortalecer o quadríceps sem a necessidade de dobrar o joelho. O joelho deve ser mantido reto, as pernas devem ser levantadas e abaixadas lentamente, e repetições devem ser mantidos por três a cinco segundos.

A educação e o conhecimento sobre alongamentos e exercícios são importantes. Os exercícios devem não ter dor e aumenta-se a carga gradualmente de acordo com a adaptação do paciente. O paciente recebe orientações rígidas sobre como realizar exercícios em casa para evitar mais lesões.[29] Cerca de 90% dos pacientes respondem bem ao tratamento não-cirúrgico.[4]

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

A condição geralmente é autolimitada e é causada pelo estresse no tendão patelar que prende o músculo quadríceps na parte frontal da coxa à tuberosidade da tíbia. Após um surto de crescimento na adolescência, o estresse repetido da contração do quadríceps é transmitido através do tendão patelar para a tuberosidade imatura da tíbia. Isso pode causar múltiplas fraturas avulsão subaguda juntamente com a inflamação do tendão, levando ao excesso de crescimento ósseo na tuberosidade e produzindo um nódulo visível que pode ser muito doloroso, especialmente quando atingido. Atividades como ajoelhar também podem irritar o tendão.[4][32]

Os sintomas geralmente se resolvem com o tratamento, mas podem recorrer por 12–24 meses antes da resolução completa na maturidade esquelética, quando a epífise tibial se funde. Em alguns casos, os sintomas não desaparecem até que o paciente esteja completamente crescido. Em aproximadamente 10% dos pacientes, os sintomas continuam inalterados até a idade adulta, apesar de todas as medidas conservadoras.[4]

Além disso, em 2014, um estudo de caso com 261 pacientes os observou durante 12 a 24 meses. 237 dessas pessoas responderam bem à restrição esportiva e aos agentes antiinflamatórios não-esteróides, o que resultou na recuperação da atividade atlética normal.[33]

Referências

  1. Adriano Leonardi. «Síndrome de Osgood-Schlatter». Taktos Medicina Esportiva. Consultado em 2 de novembro de 2014. 
  2. a b Kienstra, Andrew. «Osgood-Schlatter disease (tibial tuberosity avulsion)». uptodate 
  3. a b c d «"Osgood-Schlatter Disease (Knee Pain)"». 18 de maio de 2015 
  4. a b c d e f g h Gholve, Purushottam A; Scher, David M (2007). «Osgood Schlatter syndrome». Current Opinion in Pediatrics. v.19 (n.1): p.44–50. doi:10.1097/MOP.0b013e328013dbea. Consultado em 22 de maio de 2018. 
  5. a b c d e «"Questions and Answers About Knee Problems"». 4 de março de 2016. Consultado em 22 de maio de 2018. 
  6. a b Wall, Erick J. (19 de junho de 2015). «Osgood-Schlatter Disease». The Physician and Sportsmedicine. v.26 (n.3): 29-34. doi:10.1080/00913847.1998.11440345. Consultado em 23 de maio de 2018. 
  7. Ferri, Fred F. (2013). Ferri's Clinical Advisor 2014 E-Book: 5 Books in 1. [S.l.]: Elsevier Health Sciences. 804 páginas. ISBN 0323084311. Consultado em 22 de maio de 2018. 
  8. a b Romero, Carlos Amílcar Fuentes (2002). «Síndrome de Osgood-Schlatter: Presentación de un caso y revisión». Rev Med Hond. v.70 (n.3): p.117-119. ISSN 0375-1112 
  9. a b c KUJALA,, URHO M (1985). «Osgood-Schlatter's disease in adolescent athletes». American Journal Of Sports Medicine. v.13 (n.4): p.236-241 
  10. Nowinski, RJ; Mehlman, CT (1998). «Hyphenated history: Osgood-Schlatter disease». Am J. Orthopaedic. v.27 (n.8): 584–5. PMID 9732084 
  11. Atanda, A; Shah, SA (2011). «Osteochondrosis: common causes of pain in growing bones». American Family Physician. v.83 (n.3): 285–91. PMID 21302869 
  12. Çakmak, S (2014). «Long-term outcome of Osgood-Schlatter disease: not always favorable». Rheumatology International. v.34 (n.1): 135–136 
  13. a b Nakase, J (2014). «Relationship between the skeletal maturation of the distal attachment of the patellar tendon and physical features in preadolescent male football players». Knee Surgery, Sports Traumatology, Arthroscopy. v.22 (n.1): 195-199. PMID 23263228. doi:10.1007/s00167-012-2353-3 
  14. Guttman, Jeffery (23 de abril de 1996). «"Osgood-Schlatter Disease"». The Alfred I. DuPont Institute. 
  15. Cassas, KJ; Cassettari-Wayhs, A (2006). «Childhood and adolescent sports-related overuse injuries». Am Fam Physician. v.73 (n.6): 1014–22. PMID 16570735 
  16. Whitmore, Amber (2013). «Osgood-Schlatter disease». Journal of the American Academy of Physician Assistants. v.26 (n.10): 51–52. doi:10.1097/01.JAA.0000435006.47717.41 
  17. GRABOWSK, JORGE LUIZ; BERTOLINI, SONIA MARIA MARQUES GOMES (2017). «Fisioterapia na doença de Osgood-Schlatter». REVISTA UNINGÁ. v.2 (n.1). ISSN 2318-0579 
  18. BERGAMI, G (1994). «Ultrasonographic findings in Osgood-Schlatter disease». Radiologic Medicine. v.88 (n.4): p.368-372 
  19. Macedo, Felipe (2016). «Caso radiológico». Nascer e Crescer. v.25 (n.4) 
  20. «Doença de Osgood-Schlatter: o que é, quais são as causas e como tratar? | PortalPed». www.portalped.com.br. Consultado em 23 de maio de 2018. 
  21. «Sinding-Larsen and Johansson syndrome». Consultado em 23 de maio de 2018. 
  22. Lucena, G.L; Gomes, C.A (2010). «Prevalence and Associated Factors of Osgood-Schlatter Syndrome in a Population-Based Sample of Brazilian Adolescents». The American Journal of Sports Medicine. v.39: 415–420. doi:10.1177/0363546510383835 
  23. Kabiri, L; Tapley, H (2014). «"Evaluation and conservative treatment for Osgood–Schlatter disease: A critical review of the literature"». International Journal of therapy & Rehabilitation. 21 (n.2): 91-96. doi:10.12968/ijtr.2014.21.2.91 
  24. Engel, A (1987). «Importance of the ossicle and therapy of Osgood-Schlatter disease». Sportverletz Sportschaden. v.1 (n.2): 100-108. PMID 3508010. doi:10.1055/s-2007-993701 
  25. «TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA PATOLOGIA DE OSGOOD-SCHLATTER ATRAVÉS DO USO DE LASERTERAPIA E CINESIOTERAPIA» (PDF). 2003. Consultado em 23 de maio de 2018. 
  26. BAMBINO, DANIEL SILVA (2008). «OS PRINCIPAIS RECURSOS FISIOTERAPÊUTICOS NO TRATAMENTO DE OSGOOD-SCHLATTER COM ÊNFASE EM HIDROTERAPIA» (PDF). Universidade Veiga de Almeida. Consultado em 23 de maio de 2018. 
  27. O., Josh Bloom; Mackler, Leslie (2004). «"What is the best treatment for Osgood-Schlatter disease?» (PDF). Journal of Family Practice. v.53 (n.2) 
  28. FIGUEIREDO, GIOVANNINI CESAR; MEDEIROS, TATIANA DE OLIVEIRA (2003). «Tratamento cirúrgico da dor crônica na lesão de Osgood-Schlatter: relato de dois casos». Rev Bras Ortop. v.38 (n.8) 
  29. a b Baltaci, H; Ozer, V (2004). «Rehabilitation of avulsion fracture of the tibial tuberosity.». Knee Surg Sports Traumatol Arthrosc. v.12 (n.2): 115–118. PMID 12910334. doi:10.1007/s00167-003-0383-6. Consultado em 23 de maio de 2018. 
  30. Imoto, Aline Mizusaki; Peccin, Stella (2013). «Effects of Neuromuscular Electrical Stimulation Combined with Exercises versus an Exercise Program on the Pain and the Function in Patients with Knee Osteoarthritis: A Randomized Controlled Trial». Biomed Res Int. 2013. PMC 3787573Acessível livremente. PMID 24151589. doi:10.1155/2013/272018. Consultado em 23 de maio de 2018. 
  31. Fernandes, Keliane Guerra Chaves; Tavares, Larissa Bastos (2013). «TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NA SÍNDROME DE OSGOOD SCHLATTER». Revista UNI-RN. v.12 (n.1): p.153-165 
  32. Ogden, JA; Southwick, WO (1 de maio de 1976). «Osgood-Schlatter's disease and tibial tuberosity development». Clinical Orthopaedics and Related Research. v.116: 180-189. PMID 1277640. Consultado em 23 de maio de 2018. 
  33. Bloom, J (2004). «What is the best treatment for Osgood-Schlatter disease?». Journal of Family Practice. 53 (2): 153–156