Sínodo de Mâcon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Por Concílio de Mâcon, por vezes chamados de Sínodos, entende-se a realização de [ao que se sabe] seis assembleias eclesiásticas convocadas naquela cidade (Mâcon) e que fora de suma importância representativa para a igreja recém firmada na região. Normalmente o termo Concílio de Mâcon é utilizado em referência aos concílios segundo e terceiro.

I Concílio de Mâcon[editar | editar código-fonte]

Realizado em 579. São poucas as referências a seu respeito

II Concílio de Mâcon[editar | editar código-fonte]

que teve lugar em 581/3,[1] Convocado por ordem de Guntram, rei da Borgonha e foi presidido por Priseus ou Prisco, patriarca de Lião (573-588). Dele também participou Siágrio, bispo de Autun. Ele concluiu pela definição de 19 cânones, um dos quais fez referência específica a uma mulher; um freira de nome Agnes. O cânone 14 impôs um toque de recolher aos judeus , banindo-os das ruas a qualquer momentos entre a Quinta-feira Santa e Domingo de Páscoa. O cânon segundo proibiu aos judeus de falar com as freiras.[2] [3] O concílio proclamou também que todo escravo cristão poderia ser comprado à taxa de seis pences.

III Concílio de Mâcon[editar | editar código-fonte]

Realizou-se em 585.[4] Convocado por ordem de Guntram, rei da Borgonha e foi presidido por Priseus ou Prisco, patriarca de Lião (573-588). Ele reuniu os bispos da Borgonha (sujeitados por Guntram) e os da Nêustria (sujeitados por Clotário II, sob a tutela de Guntram). Os bispos sujeitos ao rei da Austrásia não estavam presentes.[5]

Cânones[editar | editar código-fonte]

Este concílio promulgou vinte cânones, que podem ser resumidas como segue:

  1. Exortação ao descanso dominical, que o povo cristão tem o hábito de descaso. Sanções contra os infratores: se é um advogado que entrou com uma ação no domingo, ele vai perdê-la, se for um camponês ou um escravo, ele deverá ser espancado [com um pau], se é clérigo ou um monge este deverá ser afastado de seus irmãos por seis meses;
  2. Celebração da Semana Santa, a participação nos hinos e "sacrifícios", abstendo-se de todo o trabalho servil por seis dias;
  3. À exceção do risco de morte, o batismo deve acontecer no domingo de Páscoa;
  4. Todos os fiéis, homens e mulheres, deverão trazer uma oferenda ao altar: pão e vinho;
  5. Excomunhão contra aqueles que não pagam o dízimo à igreja.
  6. Nenhum sacerdote que manuseie alimento, vinho ou bebida ("vino crapulatus confertus cibo aut") não tocará as espécies consagradas;
  7. Os acusados ou sob "judices" não devem ser tratados injustamente ou levados à força perante o magistrado civil, mas sim diante do bispo, que poderá, todavia, ser assistido por um tribunal civil ou a critério;
  8. Se alguém se refugia em uma igreja para evitar o poder secular, o poder secular não poderá entender que o foi por decisão do bispo;
  9. As pessoas de poder e riqueza que possuem taxas razoáveis ​​contra um bispo não deverão cobrá-lo e sim levar o caso ao bispo metropolitano;
  10. Quem tem uma queixa contra um funcionário subordinado ao bispo deve fazê-lo diante do bispo, e é o bispo que ouvirá o caso;
  11. Os bispos devem pregar e praticar a hospitalidade;
  12. Os juízes seculares deverão dar provisão aos processos eclesiásticos em casos contra viúvas e órfãos;
  13. A casa do bispo não pode ter cães, o que é contrário à sua vocação de hospitalidade;
  14. O poderoso não pode apreender os bens dos outros, sem julgamento;
  15. O leigo deve mostrar sinais de respeito para o clero, até mesmo um menor;
  16. A viúva de um subdiácono, um exorcista ou um companheiro não pode se casar novamente;
  17. Proíbe-se enterrar mortos em túmulo onde já hajam mortos enterrados;
  18. Ameaça de sanções mais severas contra o incesto. Estas são pessoas que irão "rolar na merda" ("in convolvuntur merda");
  19. Nenhum funcionário poderá assistir interrogatórios de culpado ou execuções;
  20. Os bispos se reunirão novamente em três anos.

Segue [ao documento] as assinaturas dos bispos presentes. Como dito acima, os bispos da Austrásia não participar neste concílio. Por isso, diz Gregório de Tours, que o rei da Austrásia, Childeberto II (575-595), era sabedor de um incidente que se passou neste concílio, cujos cânones não o mencionam e que de origem à famosa lenda de Concílio de Mâcon.

IV Concílio de Mâcon[editar | editar código-fonte]

Realizado em 627, preponderou em favor da regra monástica de São Columbano, fundador das abadias [mosteiros] de Luxeuil e de Bobbio.[6] [7]

V Concílio de Mâcon[editar | editar código-fonte]

Realizado em 906. São poucas as referências a seu respeito

VI Concílio de Mâcon[editar | editar código-fonte]

Realizado em 1285. São poucas as referências a seu respeito.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Gregory I. Halfond, "Apêndice A: Concílios de francos, 511 -768 ". 223-46.
  2. Diocese antiga de Mâcon. Enciclopedia Católica. New York: Robert Appleton Company. New York: Robert Appleton Companhia. 1913. 1913.
  3. ^Concílio de Mâcon (58-583) Documenta Catholica Omnia Cooperatorum Veritatis
  4. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 45
  5. Diocese antiga de Mâcon ". Enciclopédia Católica . New York: Robert Appleton Company. New York: Robert Appleton Companhia. 1913. 1913.
  6. Régia, Tomo XIV; Labbé, Tomo V e Hardouin, Tomo III
  7. São Columbano. Enciclopédia Católica. New York: Robert Appleton Company. 1913.
  8. Hardouin, Tomo VII

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jean Gaudemet e Brigitte Basdevant, os cânones dos concílios Merovingianos. 2, Éd. 2, Ed. du Cerf, Coll. Cerf, coll. Fontes cristãs (Sources chrétiennes), n° 354, Paris, 1989, p. 454-485. 454-485. (Texto completo dos cânones no original em latim e em tradução francesa.)
  • Louis Moreri, Desaint et Saillant (París) - chez les libraires associés (Le Mercier, Desaint & Saillant, Jean-Thomas Herissant, Boudet, Vincent, Le Prieur), 1759 Le_grand_dictionnaire_historique_ou_Le_m..Ver online (em francês)
  • Pierre Adolphe Chérue; Dictionnaire historique des institutions, mœurs et coutumes de la France Ver online (em francês)
  • Adolphe Charles Peltier; Dictionnaire universel et complet des conciles, tant généraux que ... Ver online (em francês)
  • Nicolas Lenglet-Dufresnoy; Tablettes chronologiques de l'histoire universelle, sacrée et profane, ecclésiastique et civile: depuis la création du monde jusqu'à l'an MDCCXLIII - Tablettes_chronologiques_de_l_histoire_u Ver online (em francês)