Sítio arqueológico de Brejo da Moita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Sítio arqueológico de Brejo da Moita
Construção Mesolítico e Neolítico antigo
Geografia
País Portugal Portugal
Local Longueira / Almograve, Odemira
Coordenadas 37° 42' 25.2" N 8° 47' 29.2" O
Localização do sítio em mapa dinâmico

OSítio arqueológico de Brejo da Moita é uma área onde foram encontrados vários vestígios pré-históricos, na freguesia de Longueira / Almograve, no concelho de Odemira, em Portugal.

Descrição e história[editar | editar código-fonte]

A área do Brejo da Moita encontra-se na faixa costeira a Sul da foz do Rio Mira, perto da localidade de Vila Nova de Milfontes.[1] Nas imediações situa-se a área da Herdade de Vila Formosa, onde também foram descobertos vários vestígios arqueológicos pré-históricos.[1]

Nas escavações arqueológicas de 2013 foram encontrados vários indícios de um ou mais assentamentos humanos no local, provavelmente temporários, que incluíram várias peças e restos de estruturas.[1] O espólio recolhido no local é formado principalmente por elementos líticos, como ferramentas de debitagem, núcleos, e restos de talhe, que apontam uma possível ocupação entre o Mesolítico e o Neolítico antigo.[1] A quase ausência de restos de animais, como conchas, que foram normalmente encontrados noutros pontos, pode ser uma indicação que o local não seria utilizado como ponto de captura de moluscos e peixe, enquanto que a presença de muitas peças de talhe remete para uma possível oficina lítica, que abasteceria as comunidades que passavam por aqui.[1] Com efeito, oferecia as condições ideais para montar aqui uma estrutura deste tipo, já que dispunha de uma abundância de materiais, como grauvaque, quartzo e quartzito.[1] Foi igualmente descoberta uma estrutura negativa, com uma planta em forma aproximada de osso, que é de especial interesse porque esta configuração foi normalmente encontrada em sítios arqueológicos no interior do Baixo Alentejo, na área dos barros de Beja, pelo que pode significar uma ligação intercomunitária entre as duas regiões.[1] No interior desta estrutura foram encontrados os únicos sinais directos de presença de fogo no sítio arqueológico, embora tenham sido descobertos vários termoclastos.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h SERRA, Miguel; PORFÍRIO, Eduardo; RAMOS, Ana Cristina; FIGUEIREDO, Margarida; VILHENA, Jorge (Julho de 2017). «Intervenção Arqueológica em Vila Formosa (Odemira): dados preliminares». Al-Madan. Série II (21). Almada: Centro de Arqueologia de Almada. p. 31-40. Consultado em 23 de Junho de 2022 – via Academia 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.