Sítio da Candinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sítio da Candinha
Fotografia histórica de Guarulhos 01.jpg
Apresentação
Tipo
Estilo
Material
Período de construção
Entre e Visualizar e editar dados no Wikidata
Estatuto patrimonial
Bem tombado pela Prefeitura Municipal de Guarulhos (d) ()Visualizar e editar dados no Wikidata
Localização
Endereço
Coordenadas

Sítio da Candinha ou Casa da Candinha é uma casa-grande em Guarulhos, considerada patrimônio histórico e cultural. Foi construída na primeira metade do século 19, a mando de Antônio Bueno da Silveira. A construção, com 195 metros quadrados, foi feita em taipa, na Fazenda Bananal.[1][2]

Em 26 de dezembro de 2000, a casa foi tombada pela Prefeitura Municipal de Guarulhos que, em 2004, a declarou área de utilidade pública. A área desapropriada tornou-se , em 22 de dezembro de 2008, o Parque Natural Municipal da Cultura Negra Sítio da Candinha, onde a casa-grande está localizada.[1]

Fazenda Bananal, em Guarulhos. No top, a Casa da Candinha. Imagem do Arquivo Histórico Municipal.

O nome da casa-grande deve-se ao apelido de Cândida Maria Rodrigues, segunda esposa de Olegário de Almeida Barbosa, filho de Antônio Bueno da Silveira. A difusão do nome ocorreu principalmente a partir de 1932, quando Olegário de Almeida Barbosa faleceu e Candinha assumiu a administração da fazenda.[1]

Construção[editar | editar código-fonte]

A casa-grande é composta de 12 ambientes. Há 14 janelas, com destaque para a do centro na fachada sul. Essa janela tem um guarda-corpo de um metro de altura, o que permitia uma visão ampla do terreno a partir da casa. Isso estaria associado a facilitar o controle sobre a produção na fazenda.[1]

Um aspecto relevante na construção é o estilo arquitetônico identificado como barroco e colonial. Sobre isso, foi dito:[1]

O velho exemplar de arquitetura nos entusiasmou. Trata-se, sem dúvida, de um documento da maior importância, quer por sua tipologia arquitetônica, quer pelo alto grau de integridade em que se encontra o corpo principal da edificação, quer por sua localização improvável, numa área de elevada importância ambiental, nas proximidades do movimentadíssimo Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos [...]. Encravada em plena região metropolitana de São Paulo, deparamo-nos portanto [sic] com uma casa rural oitocentista, bastante íntegra, inserida numa remota paisagem campestre que decerto pouco mudou desde o tempo de sua construção

Um parecer de técnicos municipais registrou em 1941 sobre a construção:[1]

Ao prédio antecede um páteo. Diante do páteo o cercado e o curral. Tudo é de taipa e recorda o braço escravo [...]. As salas são enormes e sombrias. Naquele tempo não se economizava espaço.

Situação[editar | editar código-fonte]

Encravada no topo de uma colina na Fazenda Bananal, a Casa da Candinha mantém alguns elementos de sua construção inicial, como uma parede de taipa de pilão. A habituação continuada na casa é um dos elementos que levaram à modificação da situação original da sede da fazenda. Mas também foram identificados outros danos, associados à destruição causada por xilófagos.[1]

Reportagem de 2012 identificou que a casa permanecia fechada para visitação e em situação de abandono,[2] apesar de expectativa de que uma série de obras de restauro fosse realizada.[3]

Em 2018, houve uma tentativa de ocupação da área.[4]

Referências

  1. a b c d e f g «Restauração da "Casa da Candinha", Guarulhos-SP | Revista CPC» 
  2. a b «Patrimônio está aos pedaços em Guarulhos - São Paulo». Estadão. Consultado em 29 de junho de 2019 
  3. «Restauro do Sítio da Candinha deve ser iniciado no final do ano». www.guarulhosweb.com.br. Consultado em 29 de junho de 2019 
  4. Guarulhos, Redação Click (23 de maio de 2018). «Denúncia anônima impede invasão no Sítio da Candinha». Click Guarulhos. Consultado em 29 de junho de 2019